O PRR que eu conhecipremium

Os obstáculos à criação de uma economia e uma sociedade mais “resilientes” não radicam na falta de dinheiro, mas, antes, na falta de projetos.

Dezasseis mil milhões para executar até 2026, o pacote financeiro do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). Setenta por cento, o valor cuja execução deverá estar comprometida até ao final de 2023. Sete por cento, o valor executado até agora mais de um ano depois do anúncio da primeira medida. Muita, a preocupação do Presidente da República, do Governador do Banco de Portugal, da Oposição e da generalidade dos fautores de opinião. Grande, a descontração do primeiro ministro. As razões apontadas para a alegada lentidão são essencialmente três: A inflação, os problemas com cadeias de abastecimentoe a governança e gestão dos processos. Os dois primeiros são claros: para projetos que contemplem investimento em infraestruturas assiste-se a um aumento dos custos não planeado nas

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos