O que deve ser a incubação?

  • Paulo Bandeira
  • 23 Abril 2018

Startup Visa não pode ser um on job training para incubadoras portuguesas que não estejam verdadeiramente capacitadas para prestar aqueles serviços.

Há cerca de um ano escrevi neste mesmo espaço que era fundamental que as startups procurassem verdadeira incubação (o artigo pode ser relido aqui).

De entre as características que apontei como sendo aquelas que as startups devem procurar evidenciámos a capacitação (oferta formativa, mentoring e integração com parceiros de serviços) e a acreditação pelo IAPMEI como sendo a forma de garantir que um organismo independente validou a existência de um programa de incubação.

Vem isto a propósito da recentemente publicada lista das 68 incubadoras acreditadas para o programa Startup Visa e que pode ser consultada aqui.

O programa está bem gizado nos seus propósitos e cada incubadora pode receber até 20 startups podendo por cada uma obter visto até 5 startupers extra-comunitários, o que significa que, no limite, Portugal poderá vir a receber um máximo de 6.800 novos empreendedores.

De salientar que as incubadoras certificadas estão espalhadas por todo o território nacional, sinal claro de que se pretende um esforço de incubação descentralizada, o que se saúda. É importante disseminar iniciativa empresarial por todo país e é fundamental “espicaçar” as incubadoras espalhadas por esse país fora a oferecer serviços de incubação de qualidade.

Ora, é aqui que reside o busílis da questão.

É que olhando para a lista de incubadoras certificadas verificamos existir um conjunto relevante delas que não demonstram ter nem um programa de formação / incubação reconhecido (ou conhecido sequer) nem estar integradas em polos empresariais ou industriais que permitam a substituição desse programa.

Vale a pena perguntar, pois, que critérios estiveram subjacentes a essa certificação e como foram os mesmos validados pela entidade certificadora. É que pela própria descrição apresentada na lista de incubadoras certificadas se percebe de forma muito clara que muitas são meros coworks ou projetos aspiracionais de incubação.

O que deve, então, ser a incubação e aceleração de empresas?

A incubação de empresas deve ser um processo consubstanciado num programa de formação às startups que incida sobre temas cruciais como (i) a validação da ideia de negócio e do mercado, (ii) propriedade intelectual, (iii) estruturação jurídica, (iv) marketing e branding, (v) temas financeiros e (vi) processo de financiamento por capital de risco.

Por seu turno, a aceleração deve ser um processo que ajude a transformar a ideia em negócio, para o que as aceleradoras devem prestar todo o apoio acima numa ótica de concretização e de validação de mercado ou, em alternativa, fazer acompanhar as startups por empresas maduras em áreas de atividade complementares ou afins das startups aceleradas. Por essa razão, a integração de incubadoras de empresas com parques empresariais ou industriais é tão importante. Esta integração permite uma validação do produto e do mercado muito mais rápida, permite que as empresas já estabelecidas “abram portas” às startups e permite um time to market mais célere e eficiente.

O que o programa Startup Visa não pode ser é um on job training para incubadoras portuguesas que não estejam verdadeiramente capacitadas para prestar aqueles serviços. O sucesso do programa dependerá muito da capacidade das incubadoras prestarem efetivamente um serviço existente e capaz de validação de negócio. É que neste caso é também a imagem do país que estará em causa.

  • Paulo Bandeira

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O que deve ser a incubação?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião