O que está em causa com o Serviço Nacional de Saúde

Qual a razão porque cerca de 3,8 milhões de portugueses pagam do seu bolso o acesso a cuidados de saúde privados? Este grande número de portugueses considera que não encontra resposta no SNS.

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) constituiu uma das maiores realizações, no campo social, da sociedade portuguesa após o 25 de Abril sendo criado para garantir a toda a população o acesso a cuidados de saúde, de forma geral, universal e gratuita (hoje tendencialmente gratuita).

A capacidade do SNS para responder às necessidades de saúde da população tem vindo a deteriorar-se fortemente, nomeadamente nos últimos anos, e hoje a grave crise do SNS aproxima-se de uma situação limite.
E isto apesar do SNS responder hoje às necessidades de apenas 60% da população.

Com efeito, existem hoje cerca de 2,7 milhões de portugueses que possuem seguros privados de saúde (dados da Associação Portuguesa de Seguros) e que recorrem, portanto, aos serviços de saúde do sector privado.
A adicionar a este número existem cerca de 1,1 milhões de portugueses – que correspondem aos funcionários públicos e suas famílias – que através da ADSE recorrem também ao sector privado da saúde e não ao SNS.
No caso dos funcionários públicos estes suportam um custo mensal de 3,5% dos seus vencimentos e a restante população paga também do seu bolso o custo dos seguros privados de saúde.

E a questão incontornável a colocar é esta : Qual a razão porque cerca de 3,8 milhões de portugueses pagam do seu bolso o acesso a cuidados de saúde quando têm o direito pela Constituição Portuguesa a tê-los de forma geral, universal e (tendencialmente) gratuita (ou seja , apenas com taxas moderadoras )? E a resposta óbvia é que este grande número de portugueses (cerca de 40% da população) considera que não encontra resposta, no SNS, para as suas necessidades de saúde, no tempo e no modo que desejam (e a que têm direito).

Esta situação que não pode ser desmentida e ignorada, por estar suportada na realidade dos factos, é a prova cabal e inequívoca da incapacidade do SNS para satisfazer as necessidades em saúde de uma larga parte da população portuguesa.

É certo que uma parte significativa daqueles seguros de saúde privados (cerca de 1,5 milhões) é paga por empresas, mas é revelador que estas empresas queiram suportar custos de cuidados de saúde para os seus trabalhadores quando estes, como referi, têm a garantia constitucional de os ter de forma gratuita (só com taxas moderadoras).

Deste modo, ainda que cerca de 1,5 milhões de portugueses utilizem o sector privado de saúde e não paguem, continuam a existir cerca de 2,3 milhões que pagam do seu bolso cuidados de saúde, pelo que a questão levantada se mantém com toda a acuidade.

Esta situação coloca um conjunto de sério de problemas que têm de ser discutidos e enfrentados e não negados ou secundarizados, e que têm graves consequências para grande parte da população portuguesa.

  1. Em primeiro lugar, esta situação é discriminatória para os portugueses mais vulneráveis e desprotegidos que não têm recursos para pagar seguros de saúde privados e, assim, evitarem a incapacidade do SNS.

    São estes portugueses que na sua maioria estão nas listas de espera e que aguardam meses (e por vezes anos) por uma consulta ou cirurgia. De facto, não tenhamos receio das palavras, o SNS, hoje, é desigual e injusto, discriminando os mais pobres e desfavorecidos. Existe, hoje, um SNS para pobres que não têm forma de evitar os seus graves problemas (em especial de acesso) e outro para aqueles que têm recursos e que pagam para ter uma alternativa ao SNS.

  2. É a incapacidade do SNS que alimenta a expansão do sector privado da saúde e não o inverso como a extrema esquerda pretende passar para a opinião pública. Face à incapacidade do SNS, as pessoas procuram solucionar os seus problemas de saúde e aqueles que têm recursos (ou são funcionários públicos) recorrem ao sector privado. Obviamente que não o fariam e não pagariam do seu bolso os cuidados de saúde se o SNS correspondesse às suas necessidades.

    Convém lembrar que o sector privado de saúde só subsiste se tiver pessoas (doentes) a que a ele recorram. A procura que lhe é dirigida (exceptuando alguma procura residual de estrangeiros) é constituída por portugueses que de mótu-próprio, e de sua livre vontade a ele recorrem por não encontrarem a resposta que pretendem, e a que têm direito, no SNS.

    Tendo presente este facto, nem sequer se pode dizer que o sector privado concorre com o SNS pois que neste os cuidados de saúde são (tendencialmente) gratuitos e no sector privado são pagos pelos portugueses que a ele recorrem.

  3. A grave crise do SNS, de que a situação atrás descrita é uma consequência, está bem explicita nas listas de espera crescentes, nos inúmeros casos de falta de resposta que a comunicação social quase todos os dias noticia – como por exemplo o fecho de urgências e serviços em hospitais –na instabilidade e conflitualidade traduzida por greves constantes etc ) , e não se resolve, apenas, aumentando os recursos financeiros. A questão é mais funda do que “lançar” dinheiro sobre os problemas do SNS.

    É evidente que o SNS está subfinanciado e que há necessidade de maiores recursos financeiros mas se não existirem alterações profundas â gestão e organização do SNS uma parte importante dos recursos nele injectados continuarão a ser “consumidos” pela elevado desperdício e ineficiência.

    Uma mera ilustração: há 15 anos as despesas totais do SNS rondavam os 7,5 milhares de milhões de euros (7,5 bi) e existiam em listas de espera para cirurgia cerca de 123.000 portugueses; em 2019 o país despende em cuidados de saúde cerca de 11 bi e as listas de espera para cirurgia são de cerca de 230.000 pessoas. É certo que há que ter presente que o envelhecimento da população também coloca o SNS em maior pressão mas ao longo destes 15 anos os recursos financeiros foram continuamente aumentados (embora de maneira diferente em cada ano) e as listas de espera sempre aumentaram.

    O Governo afirma que para combater a crise tem dotado o SNS com mais meios humanos – nomeadamente médicos e enfermeiros – mas se os resultados para a população continuam a degradar-se, como é público e notório e bem patente no aumento das listas de espera para cirurgias e consultas, então estamos perante, não de uma solução mas de uma situação de incompetência na gestão de recursos humanos.

  4. O SNS para responder de forma cabal e sustentada aos problemas de saúde dos portugueses necessita de ser repensado, de adoptar uma nova estratégia e de introduzir alterações de organização, de estrutura e de comportamentos.

    O pressuposto básico desta nova estratégia passa pelo entendimento de que a saúde dos portugueses é o bem fundamental a proteger e a garantir, nos termos expressos na Constituição (ou seja acesso universal e gratuito), e não a organização dos meios e recursos para cumprir a garantia constitucional.
    O SNS é um vector fundamental mas, em beneficio dos portugueses, o sistema de saúde deve integrar também as capacidades e recursos das iniciativas privada e social.

    O Estado pode contratualizar (e pagar) cuidados de saúde para os portugueses às iniciativas privada e social desde que estas se revelem de qualidade e comprovadamente mais eficientes. As PPP (Parcerias Público-Privadas) nos hospitais do SNS são um bom exemplo desta articulação entre as iniciativas publica e privada. Entidades não partidárias, idóneas e independentes, como o Tribunal de Contas, a UTAP – Unidade Técnica de Acompanhamento de Projectos do Ministério das Finanças e a Entidade Reguladora da Saúde, comprovam que os Hospitais em PPP têm melhores custos e melhor qualidade nos serviços prestados à população e a proibição, na prática, destas PPP na nova Lei de Bases da Saúde só pode ser explicada por cegueira ideológica, aceite e praticada pelo Governo. Aliás, esta proibição encerra também uma gritante contradição: o Governo proíbe as PPP, na prática, por razões ideológicas contra a iniciativa privada, mas aceita e defende que os funcionários públicos recorram precisamente aos serviços de saúde da iniciativa privada, através da ADSE.

    E aquela cegueira ideológica penaliza a população não só porque retira aos utentes a utilização de hospitais com uma elevada eficiência, em termos de custos e qualidade (veja-se a reacção dos autarcas nas cidades em que estas PPP foram abandonadas) como impede a construção mais rápida de novos hospitais o que é comprovado pelo facto de, nos últimos 15 anos, os únicos novos hospitais construídos, no SNS, foram aqueles em PPP. Ou seja esta cegueira ideológica é contra os interesses do Estado e dos portugueses quer como utentes quer como contribuintes.

    O Estado através da propriedade das unidades do SNS assegura um valor fundamental (que é o acesso gratuito aos cuidados de saúde) e presta um serviço público, mas há que não confundir propriedade pública com serviço público: por exemplo, as farmácias portugueses prestam inequivocamente um serviço público mas são detidas pela iniciativa privada.

    Na verdade, a verdadeira questão para os portugueses não é se as entidades que lhes prestam cuidados são públicas, privadas ou sociais (desde que seja assegurada a garantia constitucional de acesso gratuito e universal aos cuidados de saúde) mas sim se esses cuidados são eficientes, atempados e de qualidade, independentemente da iniciativa de quem os presta: pública, privada ou social.

  5. Os problemas de gestão e organização são factores críticos que estão na base dos problemas que o SNS defronta. Estes problemas têm a ver, fundamentalmente, com a falta de envolvimento e motivação dos profissionais de saúde, com a falta de autonomia em especial das unidades hospitalares, com a impossibilidade de responsabilização por objectivos pelas equipes de gestão, nomeadamente nos hospitais, devido à gestão praticada, com a falta de planeamento e controlo e com a falta de uma avaliação efectiva de desempenho ligada a incentivos para os profissionais.

A nova estratégia que preconizo para o sistema de saúde em Portugal permite enfrentar estes problemas através de dois estímulos essenciais: motivando as equipes de gestão e os profissionais de saúde através da autonomia, responsabilização e atribuição de incentivos (estímulo interno) e promovendo a transparência e o “benchmarking” entre as iniciativas pública, privada e social na actuação das unidades de prestação de cuidados de saúde impulsionando, também, um melhor desempenho contínuo do SNS (estímulo externo).

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O que está em causa com o Serviço Nacional de Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião