O que se passa com a Alemanha?

Há uma situação de grande vulnerabilidade na maior economia da Europa, e que também é o único dos três maiores países da UE que ainda não sucumbiu às forças populistas antieuropeístas.

Em 2018, o coração da Europa parou. A síncope foi tão súbita como inesperada. Por muito tempo atribuiu-se o colapso do crescimento na Alemanha à perturbação na indústria automóvel causada pelas alterações regulatórias das emissões dos veículos. Mas essa não pode ser a única justificação: o problema já está ultrapassado, mas a economia germânica continua nas ruas da amargura.

Uma investigação mais acurada revela que a desaceleração das economias emergentes, sobretudo da China, se materializou numa perda material de dinamismo das exportações da Alemanha, dada a elevada sensibilidade do seu setor industrial a estes mercados. Este fator traz-nos para mais perto da realidade, mas não explica o impacto desproporcionado do abrandamento do comércio internacional no crescimento económico alemão. Donde se concluiu que algo de errado se passa com a Alemanha, cuja economia passou de força motriz a lastro da Europa, como ilustra gráfico em baixo.

A peça que fecha este puzzle é a tibieza da procura interna, o que não deixa de ser desconcertante em face da robustez do mercado de trabalho alemão e dos baixíssimos custos do crédito. Com efeito, os níveis historicamente reduzidos da taxa de desemprego e o crescimento robusto dos salários fariam supor um comportamento mais dinâmico dos gastos das famílias. Acontece que a taxa de poupança dos alemães não para de crescer, tendo-se fixado em 17,9% em 2018 (Portugal = 4,6%).

Este fenómeno é, em grande parte, atribuído ao nível muito baixo das taxas de juro, o que implica uma remuneração nula ou mesmo negativa do aforro, situação que os alemães compensam… com aumento da poupança. Visto deste prisma, a política monetária do BCE está revelar-se contraproducente na Alemanha, uma vez que o estímulo monetário gera poupança ao invés de despesa. (Veremos se estas agruras não contribuirão para alargar a base eleitoral dos partidos eurocéticos alemães.)

Perante a inércia da procura privada e dada a considerável folga orçamental existente na Alemanha, uma cura para o torpor em que se encontra a economia seria a implementação de um pacote orçamental extensivo. Acontece que as forças que compõem a Grande Coligação não se entendem quanto à arquitetura do estímulo, com a CDU a advogar corte de impostos e o SPD a defender aumento das transferências sociais. Assim sendo, e na ausência de uma rápida recuperação da economia global, as perspetivas para a Alemanha no futuro próximo não se afiguram animadoras.

Todos os países têm os seus momentos. A questão fundamental é saber se esta fase menos boa da Alemanha é temporária ou não.

A verdade é que a enorme relevância do segmento automóvel na economia alemã torna-a muito suscetível às guerras comerciais de Trump, dada a ênfase que o presidente americano põe, na disputa com a Europa, no setor auto. O Brexit também deverá ter um efeito negativo por via da importância do mercado britânico para as marcas de carros germânicas.

A acrescentar a estas ameaças geopolíticas impedem ainda sobre o setor automóvel alemão uma enorme incerteza quanto ao tipo de combustível que se imporá no futuro, num contexto em que o domínio das marcas alemãs nos motores de combustão não é, de todo, extensível ao segmento elétrico. Para além disso, é provável virmos a assistir a um declínio secular da procura global por automóveis, dadas as tendências de reforço da economia da partilha e de estonteante inovação ao nível das soluções urbanas de mobilidade.

A combinação de todos estes fatores cria uma situação de grande vulnerabilidade numa nação, que não só tem a maior economia da Europa, como também é o único dos três maiores países da UE que ainda não sucumbiu às forças populistas antieuropeístas. É essencialmente por esta última razão que a atual circunstância da Alemanha é extremamente preocupante. Até porque na próxima crise já não poderemos contar com a Srª Merkel.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que se passa com a Alemanha?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião