O Terreiro do Paço e o crescimento económico

Um ministro das Finanças pode ser 'amigo' do crescimento económico? Um ministro que privilegie a consolidação orçamental está precisamente a criar condições estruturais para um crescimento saudável.

Creio que no debate público em Portugal gerou-se um equívoco sobre a política económica e a política orçamental. Esse equívoco baseia-se na ideia que um ministro das Finanças que privilegie a consolidação orçamental estrutural está contra o crescimento económico, a modernização dos serviços públicos e a melhoria das condições de vida dos Portugueses.

Creio que nada é mais errado. Antes de mais, um ministro das Finanças que privilegie a consolidação orçamental está, só por esse facto, a contribuir para que Portugal tenha um crescimento económico sustentável.

Primeiro, porque não são os défices que geram crescimento. O que tem impacto no PIB é a variação do saldo. O que teve efeitos recessivos foi a redução do défice (mas que era imperiosa). Uma vez atingido um equilíbrio orçamental, o seu impacto na variação do PIB é nulo.

Segundo, porque protege Portugal dos choques assimétricos externos. Sejamos claros, com um défice estrutural de 2% (o que temos agora), o problema não é qualquer situação de calamidade (para essa dificilmente se estará preparado). O problema é que com esta posição orçamental, uma recessão (inevitável no futuro) colocará o défice nos 5-6%, fazendo subir a dívida pública, em 3-4 anos de ciclo negativo, uns 20 a 30 pontos percentuais (p.p.). Acreditar que devemos gastar o “dividendo orçamental” da atual conjuntura favorável, ou acreditar em “multiplicadores” da despesa, só conduzirá aos erros do passado, e necessariamente, ao mesmo resultado desastroso.

Terceiro, porque ao ter contas públicas consolidadas é possível ter políticas contracíclicas. Ou seja, em período de recessão, deixar os estabilizadores automáticos funcionarem e ter algumas medidas que possam estimular a economia (embora de forma selecionada e ponderada, para não desequilibrar demasiado as contas públicas).

Por último, porque contas públicas equilibradas tem um efeito significativo na eficiência dos serviços públicos, dado que a escassez de recursos é maior, e como tal, os incentivos a que os serviços sejam mais eficientes são maiores.

Contudo, não faz sentido considerar que o crescimento económico não é importante para o equilíbrio estrutural das contas públicas. Antes de mais, um reforço do investimento privado aumenta a capacidade produtiva da economia. Isso aumenta o que os economistas designam por PIB potencial, o que tem efeitos positivos no ajustamento estrutural.

Depois, em períodos de crescimento económico é sempre mais fácil fazer reformas estruturais (no Estado, no sistema fiscal, na legislação laboral, etc.). Além disso, não há ninguém que não prefira ver a economia a crescer e ter boas notícias para dar. É preciso é criar condições para que depois das boas notícias, não haja notícias más em escala maior (como em 2009, em que houve um aumento de 2.9% dos salários no Estado para depois, em 2011, haver um corte de 5%).

No entanto, creio que é possível que no Terreiro do Paço esteja uma política que dando prioridade à consolidação orçamental estrutural e à redução da dívida pública, contribua para uma maior competitividade da economia e um crescimento económico mais sustentável e robusto.

Um ministro das Finanças pode ser “amigo” do crescimento através das seguintes políticas (e com o peso, não neste governo, de o ministro das Finanças ser o nº2 do governo):

  • Uma reforma do Estado que melhore a eficiência dos serviços públicos terá diversos efeitos na competitividade da economia. Primeiro, reduz os custos de contexto das empresas. Segundo, melhora as condições de vida das pessoas (saúde, educação, etc.), o que tem reflexos na sua produtividade. Terceiro, reduz a despesa corrente primária, o que permite aliviar a carga fiscal (sobretudo se com a reforma do Estado houver uma reforma da Segurança social). Quarto, uma reforma do Estado tem necessariamente de passar pela simplificação do sistema judicial, do acesso aos tribunais e reduzir a morosidade dos processos.
  • Um sistema fiscal competitivo, que simplificando o IRC (e os restantes impostos) e criando quadros de incentivos, atraia investimento estrangeiro mas também potencie o investimento nacional e a competitividade das empresas. Adicionalmente, tornando a Administração Fiscal mais preparada para lidar com as empresas e menos burocrática.
  • Além do ponto anterior, um quadro fiscal estável, que permita às empresas investir com um horizonte temporal de 10 anos. Permitir que quem invista possa planear a médio e longo prazo.
  • Potenciar os efeitos do investimento público. Ter um valor de investimento público entre 1.5% a 2% do PIB por ano é suficiente, se houver um planeamento rigoroso e seletivo dos investimentos a realizar. E se esses investimentos tiverem virados para melhorar a competitividade da economia.
  • Dar transparência e eficiência ao processo orçamental, o que permite melhor informação para os agentes económicos tomarem decisões.
  • Reestruturar as empresas públicas e concessionar serviços, o que permite criar novas oportunidades de negócio para o setor privado e simultaneamente uma melhor alocação dos recursos públicos.
  • Adicionalmente, ao reestruturar o parque imobiliário do Estado, permitir que se libertem recursos nessa área, sobretudo na zona de Lisboa e do Porto, hoje muito sujeitas a fortes condicionantes. Quantos edifícios públicos estão por utilizar ou poderiam ser dispensados para outros fins, quer reconvertidos para habitação, quer para escritórios e turismo, bem como para espaços públicos. Por exemplo, várias instalações militares podiam ser aproveitadas. Algumas podiam ser vendidas para espaços de habitação, escritórios e comércio. Mas várias podiam passar para as autarquias e serem transformadas em zonas de lazer, ou em centros de empresas (agora que finalmente temos algum empreendedorismo e vontade de atrair “start-ups” tecnológicas). Quantos edifícios com valor histórico e arquitetónico não estão abandonados (ou utilizados de forma pouco eficiente) e não poderiam servir para fins turísticos?
  • E, por último, apoiar o ministro da Economia no esforço de redução dos custos de contexto das empresas, que no próprio Ministério das Finanças e no Ministério da Economia, quer nos restantes ministérios.

É tempo de pormos as ideologias de lado, e perceber que a realidade se impôs. Que não há espaço para aventuras orçamentais, tendo de existir equilíbrio nas contas públicas. Que a economia não pode ser estimulada por investimento público, mas sim por um ambiente competitivo que fomente o investimento privado e a melhoria da produtividade. E que a dívida pública não pode ser reestruturada nem pode ser gerida de forma arriscada. Mas, por outro lado, que há um conjunto de reformas e medidas, que não custando muito dinheiro, que não envolvendo grandes recursos públicos, podem potenciar o crescimento da economia nacional.

No Terreiro do Paço tem de estar uma política de consolidação orçamental estrutural. Essa consolidação estrutural passa por reformar os serviços públicos e contribuir com políticas públicas para aumentar a competitividade da economia e o seu potencial de crescimento.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O Terreiro do Paço e o crescimento económico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião