O Web Summit em quatro pontos

  • Leonardo Mathias
  • 6 Novembro 2017

A avaliação do Web Summit em Lisboa tem várias dimensões, desde logo a primeira, a vitória de Lisboa e o que permitiu ganhar a corrida a cidades como Madrid, Paris ou Berlim. Mas não só.

Quando, no dia 24 de Setembro, foi anunciada a vitória de Lisboa na corrida internacional pelo Web Summit, ficaram para trás as várias reuniões com Paddy Cosgrave e um processo negocial difícil e concorrencial. O que fez a nossa vitória? O que é o Web Summit? O que o país ganha com esta conferência? E o aproveitamento político? São quatro pontos que justificam uma avaliação na semana do segundo evento em Lisboa.

  • A Vitória

Nos idos de Março de 2015, recebi uma carta e uma instrução do então vice-primeiro ministro e Coordenador Económico do Governo, Paulo Portas. Tinha que me encontrar com uns senhores de um tal de Web Summit (WS). Confesso que pouco sabia sobre o WS. O alerta para Lisboa tinha sido dado por Bernardo Futscher Pereira, na altura embaixador de Portugal em Dublin que escrevera um longo memo sobre a relevância do WS e sobre a eventual hipótese do evento se deslocalizar.

Nesse primeiro encontro com a equipa do WS que estava a realizar contactos preliminares com várias cidades europeias, rapidamente me apercebi da importância e alcance que este evento teria para Portugal. Nesse mesmo dia, confirmei a candidatura de Lisboa e passámos a estar oficialmente na “corrida”. E, nesse mesmo dia, formei uma equipa com a AICEP, o Turismo de Portugal e o Turismo de Lisboa. Ficou decidido que eu liderava a equipa em nome do Governo Português, apesar de muitos acharem que era uma perda de tempo, e outros, que era uma missão impossível ganhar a Paris, Madrid, Amsterdão, Berlin, Cannes, Milão e Barcelona e Londres. Felizmente que todos nós no XIX Governo, estávamos habituados a missões difíceis e duras. À luta, disse eu.

Ficam para a história as várias reuniões com o Paddy Cosgrave e o sócio dele, o David, em Lisboa e Dublin. Sem dúvida que contribuíram os nossos “soft powers”, da beleza do nosso património histórico, da simpatia do nosso povo, do buzz de uma cidade em movimento de gentes vindas de toda a parte do mundo a descobrir Lisboa e Portugal. E até a criação de um grupo de Facebook para a vinda do WS para Lisboa por jovens que nunca conheci, teve a sua graça. Mas essa ideia (que se quis criar) que o ecossistema tecnológico de Lisboa era de tal ordem avançado que foi a razão do WS vir para Lisboa, é totalmente infundada e falsa. Aliás, quando comparando Lisboa com Amesterdão com qualquer índice (digitalização, capitais disponíveis, start ups tecnológicas, etc…), estávamos a milhas. Era claramente um dos nossos pontos fracos.

Não nos enganemos. A vitória da candidatura de Lisboa deve-se a uma equipa profissional, focada nos temas essenciais para os organizadores, à criatividade da nossa proposta que contemplou nomeadamente iniciativas de atração da presença de jovens do ensino secundário em condições muito favoráveis, e de promoção da igualdade de género no ecossistema das Tech, do passe de transportes públicos para quem viesse ao evento, entre outras ideias originais.

Mas o aspeto fundamental para os organizadores foram as nossas infraestruturas, a FIL e o Pavilhão Atlântico (na altura, depois Meo e hoje Altice), o aeroporto perto da zona da Expo, a nossa capacidade hoteleira que conseguia absorver os mais de 50 mil visitantes, a segurança da cidade, a eficácia e o alcance dos transportes públicos, e a vontade expressa de investir e garantir a infraestrutura de comunicações para o wifi no local do evento, compromisso inequívoco e fundamental.

Deste esforço de mobilização, e da colaboração eficaz de vários intervenientes de que destaco, Artur Pereira, da AICEP, o atual presidente da AICEP, Luis Castro Henriques, João Cotrim de Figueiredo, na altura Presidente do Turismo de Portugal, Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, e a FIL /Pavilhão Atlântico, saiu uma proposta vencedora. E em 24 de setembro de 2015 foi anunciada a vitória de Lisboa para acolher três edições do Web Summit, com opção de mais duas.

  • O Web Summit

Não se iludam. O WS é uma feira internacional de e para profissionais. Assim como são as feiras internacionais de calçado, cerâmica ou metalomecânica. Não é um concerto de musica pop. Também não é o Euromilhões. Também não é um centro de emprego. E não, não vai aparecer a “Sininho” do Peter Pan a largar dinheiro, empregos e clientes, por quem passa na FIL esta semana.

Como todas as feiras internacionais, et pour cause, o sucesso, está no planear, preparar, estudar o evento. Quem vem, onde está, quando fala. Tentar antecipadamente marcar encontros com potenciais clientes, investidores e líderes da indústria. Marcar presença nas apresentações mais relevantes para o seu negócio. E a vantagem desta Conferência é que toda a informação está disponível, no site, e mais ainda na aplicação onde diretamente se pode programar e gerir a semana. Daí a capacidade de rede de internet ser essencial a todos. Quem ainda não o fez vai passear pela zona da expo, mas não espere atingir qualquer objetivo. Não basta estar presente. Sublinho, há que estar preparado.

Claro que o WS é especial. Há eventos de todo o tipo a toda a hora e o ambiente é informal. O surf, as noites de bar, os jantares e os discursos mais variados de todos os ângulos possíveis. A oportunidade de poder estar ao vivo e a cores com quem está a pensar e criar futuro, é uma oportunidade única para todos e por isso vem gente de toda a parte do mundo. Mas nós estamos a jogar em casa. À luta, portugueses.

  • A Economia

As vantagens para a economia portuguesa são diversas e para mim foram automaticamente aparentes desde Março de 2015. Desde logo, as diretas: hotelaria, restauração, indústria da hospitalidade, transportes, serviços e consumo. Na altura a avaliação correspondia a cerca de €175 milhões.

Pessoalmente, e no âmbito da proposta que liderei, foram sempre as vantagens indiretas para Portugal que mais me interessavam. O facto de Portugal estar a ser visitado e comentado por mais de 1.500 jornalistas de todo o mundo, de virem pela primeira vez os administradores e decisores das maiores e mais relevantes empresas de variadíssimas áreas, de investidores de toda a natureza em novas empresas, em pme’s, de grandes grupos mundiais a pensar em processos de deslocalização e em investimento direto em Portugal (como aliás, já aconteceu). Isso sim, para mim é transformacional.

E outro mito: o WS não é o evento das startups ou novas empresas, como que lhe quiserem chamar. É sim um evento de grandes colossos mundiais, onde também existe uma componente de apresentação de novas empresas, novas ideias, novos conceitos. Mas são os grandes que dominam.

Desconheço se as politicas públicas anunciadas por este Governo para acompanhar o WS produziram algum efeito. O Start Up Voucher, o Vale de Incubação, o Programa Momentum, o Programa Semente e o tão badalado fundo de 200 Milhões. Houve ideias e iniciativas. Com certeza de louvar. Mas quais os resultados?

  • A Política

Por fim, uma breve nota sobre o aproveitamento político de evento. O que foi dito, o que foi feito e o que está por dizer. Como disse, e bem, John F. Kennedy, “a vitória tem centenas de pais, mas a derrota é órfã”.

Gosto de ver muita gente, agora, associada a esta vitória para Portugal. Na altura, poucos perceberam o que era, e quais as fortes consequências da vinda do WS para Lisboa. Tanto quanto me lembro, pouco ou nada se falou sobre o WS em 2015, apesar de ter sido ano de eleições legislativas.

Com a aproximação do evento, multiplicaram-se as teses sobre a paternidade do sucesso obtido com a vinda do WS para Portugal. No entanto, a menção e agradecimento a quem teve um papel decisivo neste grande êxito de Portugal, parece ter caído no esquecimento dos atuais anfitriões do evento.

Estranho é que não seja o Governo do meu país, mas sim os parceiros irlandeses deste projeto, que me convidam a participar em diversas iniciativas realizadas no âmbito do WS. Congratulo o atual Governo por ter percebido quão marcante e significativo este evento é para Portugal, e para a economia portuguesa. Congratulo o Fernando Medina pela presença e atuação discreta, mas eficaz. O Presidente da República, por percorrer a FIL, por incentivar os jovens, e impor uma dinâmica de mudança. E não nos devemos esquecer quem, na sombra, trabalha incansavelmente para o sucesso do evento: falo do SEF, da Policia de Trânsito e de Segurança Publica (MAI), dos transportes e Infraestruturas (MIP) dos inúmeros trabalhadores do sector público (MNE, ME) e privado que discretamente mostram um Portugal moderno, organizado e cumpridor. Todos eles são também pais desta vitória. Um País sem memória é um País sem alma. Um lugar de passagem.

Para mim, este não é um lugar de passagem, mas de construção de um presente inclusivo e de um amanhã mais próspero e mais justo para as gerações futuras.

Declaração de interesses: Sou Administrador Não Executivo da Swipe News, empresa detentora do titulo ECO, e esta é a primeira vez que escrevo e que me pedem uma opinião da esfera editorial.

Nota: Por opção própria, o autor não escreve segundo o novo acordo ortográfico

  • Leonardo Mathias

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O Web Summit em quatro pontos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião