Ode to the family

O problema demográfico faz, a prazo, perigar a sustentabilidade da segurança social. Agora que a espuma dos dias nos entretém menos, há que agir sobre o assunto.

Esta semana, o panorama musical ficou mais pobre, com a morte de Dolores O’Riordan. Na minha adolescência, os The Cranberries foram a coisa mais parecida que tive com uma banda de culto. O seu álbum de estreia era daqueles que ouvia do princípio ao fim. Lembro-me dele muitas vezes, sobretudo porque “Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We?” é um argumento frequentemente apresentado para justificar que se faça alguma coisa. Um óptimo álbum, um péssimo argumento.

A estreia de Supernanny, no passado Domingo, ilustra bem o ponto. Afinal, o programa, que é uma criação inglesa, foi exibido em mais de duas dezenas de países, a maioria deles da OCDE, e sempre com grande sucesso: portanto, porque não haveria a SIC de seguir o exemplo?! Talvez porque o exemplo, apesar de repetido, era mau. Eu não vi o episódio, mas creio ser relativamente fácil achar um reality show com crianças uma má ideia. Quem necessita de pensamento de outrem para ter o seu próprio podia ter lido o relatório das Nações Unidas escrito em 2008 onde se revela preocupação com a protecção da privacidade infantil.

Não vi o programa, mas espreitei o respectivo site. Na secção de vídeos, há um que tem por título “Patrícia perdeu o controlo da educação da filha”. Também não o vi, mas a Patrícia parece-me uma sinédoque da parentalidade. Em Esparta, chegadas aos sete anos, os filhos eram retirados à família, para que o Estado os educasse. Soa uma violência, mas, pensando bem, não é muito diferente do que se passa no Portugal do século XXI.

Por cá, as licenças de maternidade e paternidade, conjugadas na versão maximizadora de tempo, são de seis meses, abaixo da média da União Europeia e da da OCDE. Uma vez terminado este período, muitos pais vêem-se obrigados a entregar a educação dos seus filhos a creches e a convencerem-se de que a primeira palavra dos seus rebentos lhes foi dirigida. (Talvez por isso depois os mantenham em casa até aos trinta, para compensar a ausência dos primeiros anos).

Segundo o inquérito à fecundidade, conduzido pelo Instituto Nacional de Estatística e pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, é a vontade de ver os filhos crescer e desenvolver-se que leva homens e mulheres a quererem ser pais. E, em média, os portugueses tencionavam ter 2,3 descendentes. Mas, em Portugal, a prole que se deseja é mais numerosa que a que se espera vir a ter; e a que se tem é ainda menor que esta. A mais baixa taxa de fecundidade da Europa – 1,3 filhos por mulher – serve para cumprir a máxima, se também se plantar uma árvore e se escrever um livro, mas não chega para substituir gerações.

Vale a pena olhar para a actual pirâmide etária portuguesa, perceber que só por tradição mantemos o nome do sólido geométrico e reflectir sobre o impacto que terá sobre o índice de dependência de idosos. Mesmo que nos abstraiamos da questão da realização pessoal, o problema demográfico faz, a prazo, perigar a sustentabilidade da segurança social. Agora que a espuma dos dias nos entretém menos, há que agir sobre o assunto.

As propostas de amizade de Portugal pelas crianças e pelas famílias têm consistido, sobretudo, em usar a fiscalidade para promover a natalidade e ter mais creches abertas mais dias mais horas. O assunto é muito complexo, com factores biológicos e sociais a cruzarem-se, e, obviamente, a questão do rendimento não é, de modo algum, irrelevante. Mas, se tempo é dinheiro, não cometamos o erro de lógica de deduzir que dinheiro é tempo. Não precisamos de supernannies. E não é justo que exijamos aos pais e mães que sejam super-homens e super-mulheres. Mas temos de lhes dar tempo para brincar aos super-heróis com os filhos.

Nota: Vera Gouveia Barros escreve segundo a ortografia anterior ao acordo de 1990.

Disclaimer: As opiniões expressas neste artigo são pessoais e vinculam apenas e somente a sua autora.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Ode to the family

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião