O custo da estabilidade política: Vantagens e desvantagens do chumbo do orçamentopremium

Se for preciso pôr em causa a meta do défice ou principalmente, alterar a legislação laboral ou a estabilidade da segurança social, é mesmo preferível ir para eleições.

Desde 2015 e até agora, António Costa conseguiu fazer a quadratura do circulo: Reduzir o défice e a divida ao ritmo exigido pela Comissão Europeia e pelos mercados, enquanto dava um pouco a cada um dos partidos da geringonça. Mas agora parece ser mais difícil. O custo de manter a geringonça é cada vez maior. O Bloco de Esquerda e o PCP querem mais, não só do orçamento, mas principalmente fora dele: rever totalmente medidas estruturantes do mercado de trabalho e da segurança social, tomadas durante o programa de ajustamento, e que são, ou eram, linhas vermelhas para o PS -– o antigo Ministro Vieira da Silva nunca as deixou sequer serem discutidas na última legislatura. Garantir que Portugal continua (ou volta?) a implementar reformas estruturais que aumentem o seu crescimento potencial é

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos