Cumprir o Programa que apresentamos

O país tem de ter consciência plena de que, no futuro, terá que continuar a adotar medidas com vista ao controlo da evolução das contas públicas.

Portugal está a percorrer um caminho de credibilização das suas finanças públicas. Muitos se questionam se esta situação é duradoura e sustentável. No essencial são os mesmos que questionavam, em 2015 e 2016, se havia alternativa ao caminho de austeridade recessiva e de emigração em que o país se encontrava mergulhado.

Hoje, juntam-se vozes questionando o presente, no que denominam como excesso de zelo na condução da política orçamental. Sendo um avanço, embora um pequeno salto mortal, esquecem-se que governar é decidir, talvez porque quando foram Governo não decidiram. E não implementaram as medidas necessárias à promoção do potencial de crescimento da economia portuguesa.

O país tem de ter consciência plena de que, no futuro, terá que continuar a adotar medidas com vista ao controlo da evolução das contas públicas. Uma economia não funciona em piloto automático. É por isso que estamos obrigados a acautelar o futuro. Esse é o mais claro mandato que os portugueses nos deram. O futuro assegura-se através de medidas que fazem com que o crescimento da despesa seja ponderado, e não como em períodos passados de euforia despesista com ou sem correspondência do lado da receita.

O futuro assegura-se através de medidas que fazem com que o crescimento da despesa seja ponderado, e não como em períodos passados de euforia despesista com ou sem correspondência do lado da receita.

Se olharmos para a experiência deste século, vemos a razão de termos entrado em défice excessivo: entre 2002 e 2011 o peso da despesa corrente primária no PIB cresceu 6,7 pontos percentuais, 4,1 pontos percentuais nos primeiros quatro anos e 2,5 pontos percentuais nos últimos seis. Esta situação não se pode repetir. Como já dissemos muitas vezes: não podemos voltar para trás.

Atingimos nos últimos três anos saldos primários compatíveis, finalmente, com a mera normalidade na condução da política orçamental. Hoje temos a margem necessária para deixar funcionar os “estabilizadores automáticos”, sem colocar em causa os limites do défice e da dívida com que Portugal deve conviver para garantir um futuro estável.

Hoje podemos dizer que estamos no décimo oitavo trimestre consecutivo de crescimento da economia portuguesa. Este padrão de crescimento é marcado por uma forte dinâmica do mercado de trabalho. Temos a maior redução do desemprego deste século, com o desemprego dos portugueses entre os 35 e os 55 anos a situar-se em 5%, um terço do que se observou em 2013. Mais de três quartos do emprego criado na legislatura corresponde a emprego estável, não são contratos a prazo. E os salários crescem de forma responsável. Portugal converge em termos reais com a área do euro.

Por isso, é tão importante falar em normalidade para os valores do défice. O valor projetado para 2019 é historicamente baixo, mas é normal na Europa. E é compatível com a sustentabilidade das contas públicas e com a qualidade do serviço público.

O traço distintivo desta legislatura é o de que a trajetória das finanças públicas portuguesas que foi apresentada em 2015 foi inteiramente cumprida.

Esta trajetória permite poupar centenas de milhões de euros em juros, que de outra forma seriam suportados pelos portugueses e redundariam em sacrifícios para os serviços públicos.

Esta poupança em juros permite-nos investir mais (e não menos) nos portugueses e nos serviços públicos. Aqueles que não o querem ver são os mesmos que disseram que os portugueses não conseguiriam cumprir os seus compromissos e que aplaudiram a chegada de quem viria – diziam – colocar o país em ordem.

As metas alcançadas permitem, pela primeira vez, perante um futuro abrandamento da economia europeia, evitar que entremos novamente em défices excessivos. Isso implicaria aumentos de impostos, cortes de despesas sociais e congelamentos de pensões e salários.

As metas alcançadas permitem, pela primeira vez, perante um futuro abrandamento da economia europeia, evitar que entremos novamente em défices excessivos.

Esta evolução mostra que as políticas seguidas são sustentáveis. Nem o Governo teria mandato para colocar de novo o financiamento da economia em risco.

Faz, ainda, com que os portugueses possam enfrentar o futuro com estabilidade e confiança, na melhoria dos seus rendimentos.

A sociedade portuguesa merece, de todos, que cumpramos este compromisso. Um compromisso traduzido em mais professores, mais médicos e enfermeiros. Em contratos mais estáveis. Em pensões que não estão congeladas e prestações que combatem a pobreza e a exclusão. Num alívio fiscal colossal, superior a 1.000 milhões de euros, sobre os nossos salários. Num equilíbrio virtuoso entre receitas e despesas que nos permite, em inteira normalidade, reforçar as despesas sociais e reduzir as despesas financeiras.

A discussão em torno das opções económicas, financeiras e orçamentais deve ser aberta na procura das melhores soluções. Isso reforça o capital social do país. Mas o equilíbrio das opções deve estar sempre presente. Não podemos apenas considerar um lado da balança, seja aprovar aumentos de despesa ou reduções de receita. Ao elegermos essas medidas temos que promover o equilíbrio responsável que nos trouxe até aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cumprir o Programa que apresentamos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião