No longo prazo vamos sendo cozidos vivospremium

A COP26 foi uma desilusão. Neste como noutros problemas estruturais, os decisores políticos não têm um bom incentivo para agir: os custos são no curto prazo mas os benefícios só chegam a longo prazo.

Na recta final da cimeira do clima de Glasgow, naquelas horas mais dramáticas que definem se há ou não há acordo, foram vários os responsáveis políticos participantes que mostraram fotos dos seus netos para apelar a um derradeiro esforço de compromisso: é em nome deles, das gerações futuras, que devemos agir agora. Paradoxalmente, a grande motivação para agir é, ao mesmo tempo, a causa da inacção: Os custos a sério das alterações climáticas vão chegar no longo prazo e isso é um horizonte politicamente longínquo.
Kees, neto do vice-presidente da União Europeia Frans Timmermans, fará 31 anos em 2050. Não sabemos que ar vai ele respirar nessa altura, quantos graus a temperatura média subirá até lá ou até onde irá o degelo dos polos. Mas há uma coisa que sabemos: Kees nasceu em 2019 e

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos