O digital está a chegar à política. Habituem-se

Num cenário em que a tecnologia está a mudar tanta coisa achavam que a política, os sindicatos e participação efectiva na vida pública iam permanecer uma ilha, isolada de todas estas revoluções?

Ninguém gosta de perder poder e influência, de ver chegar novos concorrentes à sua actividade, de se sentir ameaçado por novas formas de fazer o mesmo que são mais eficazes, rápidas e económicas.

Mas esse desafio permanente a poderes e interesses instalados sempre aconteceu desde os primórdios da humanidade e acentuou-se nas últimas décadas. É o fantástico poder das ideias, transformadas ou não em tecnologia, a que chamamos progresso e desenvolvimento.

A revolução digital que estamos a viver é, provavelmente, o processo de mudança mais intenso, profundo e veloz de sempre. Além disso, é certamente o mais global e democrático, no sentido em que está disponível para mais pessoas independentemente da sua geografia ou condição económica e social.

Também por isso, há muito mais pessoas a sentirem-se ameaçadas, a reagirem, a tentarem erguer barreiras para protegerem o seu queijo, a tentar, a todo o custo, manter a sua posição, mercado ou influência.

A velocidade da revolução é tão rápida que já nos esquecemos que uma das primeiras mudanças provocadas pelas plataformas electrónicas foi o fim do monopólio da opinião no espaço público que, no caso português, estava reservado a umas poucas dezenas de “personalidades” – políticos, académicos, jornalistas, comentadores, “pensadores” – que tinham acesso e lugar activo em jornais, rádios e televisões. Esse era o chamado “espaço público” antes do surgimento de blogues e, mais tarde, das redes sociais: de um lado umas dezenas, poucas, a emitir opiniões e do outro lado milhões a recebê-las passivamente. Sem interacção, sem sentido contrário, sem mistura de papéis entre emissores e receptores. As “cartas ao director” enviadas para os jornais e, mais tarde, a participação telefónica em fóruns de rádio e televisão eram o topo da participação no debate público que estava reservado ao povo, o cúmulo do estrelato com que o comum dos mortais podia sonhar.

Parece que foi há uma eternidade mas foi só há 20 anos. Nos blogues nasceram novos protagonistas que, nalguns casos, depois passaram a escrever em jornais ou a comentar em rádios e televisões. Muitos despontaram aí para a política.

No entretenimento não é diferente. Hoje, estrelas de televisão e de cinema são ultrapassadas em notoriedade, influência e proveitos financeiros por novos protagonistas que aparecem todos os dias no Youtube ou outras redes sociais e que, em semanas, reúnem milhões de seguidores. Só precisam de um smartphone, de um computador e de algum talento especial, por mais duvidoso que possa parecer a cada um de nós.

E nos negócios não tem sido diferente.

Todos conhecemos o abalo que a tecnologia já provocou nos jornais e podemos adivinhar a que ainda vai provocar na televisão tradicional com o crescente poder dado aos cidadãos para escolherem o que querem ver, onde, através de que aparelho e em que momento.

O crescimento do turismo e o seu impacto na habitação tem, também, uma forte influência tecnológica. Os preços “low cost” que permitem que tanta gente possa viajar só estão disponíveis pela automatização e optimização de processos de venda, seja nas passagens aéreas ou nos hotéis. E o alojamento local, que veio dar uma nova utilidade a muitos imóveis das nossas cidades, também só é funcional e relevante porque as plataformas electrónicas de busca e aluguer de casas o permitem.

Da mobilidade urbana nem vale a pena falar. Primeiro foi a batalha para permitir a entrada de novos protagonistas que fazem concorrência aos táxis, agora é a proliferação das ofertas de trotinetes e bicicletas, só possíveis porque há smartphones com aplicações.

É óbvio que isto não vai parar e a próxima revolução de que vamos ouvir falar com estrondo é a da banca. Há novas ofertas tecnológicas que já substituem com enorme conveniência e economia de custos a generalidade das operações que fazemos através dos bancos tradicionais, que cada vez mais parecem mamutes com prognóstico reservado quanto à sua sobrevivência no formato actual. Os balcões vão mudar rapidamente e dentro de pouco tempo vão confundir-se com uma loja da Starbucks – não devemos estranhar se surgirem parcerias entre bancos e esta ou outras marcas semelhantes – ou com um pequeno espaço de “coworking”.

E o cada vez menos discreto “crowdfunding” que vão fazendo com as comissões bancárias cada vez mais elevadas impostas aos clientes vai empurrar cada vez mais gente para apps onde pagam muito menos ou mesmo nada pelos mesmos serviços.

Então neste cenário achavam que a política, os sindicatos e participação efectiva na vida pública iam permanecer uma ilha, isolada de todas estas revoluções e dominada pelos mesmos de sempre?

Por mais barreiras que o cartel dos instalados, dos que estão dentro do sistema, coloque à chegada de novos protagonistas – e tem colocado bastantes – é inevitável e salutar que surjam novos actores que chegam ao público de forma diferente e financiam a sua actividade com o recurso a novos instrumentos que não são menos transparentes.

O que estamos a assistir com a actual greve e protesto dos enfermeiros é mais um passo dessa inevitável evolução. Independentemente do conteúdo das reivindicações – que não são muito diferentes das da generalidade de outras classes profissionais -, é a forma como se organizam e financiam que tem dominado o debate.

O economista Fernando Alexandre resumiu em poucas palavras: “os enfermeiros criaram o primeiro sindicato ‘digital’”.

E é de facto isto que está em causa e que causa estranheza a muita gente. Comunicam em grupos do WhatsApp, organizam-se através de meios electrónicos e financiam o seu “fundo de greve” através de uma plataforma de “crowdfunding”, conseguindo reunir quase 800 mil euros em donativos em poucas semanas.

Não é diferente dos fóruns plenários presenciais para tomar decisões, das reuniões do núcleo de dirigentes em salas com as mesas-em-rectângulo-com-buraco-no-meio ou da recolha o dinheiro fisicamente, em notas e moedas, junto de contribuidores.

Na frente partidária não é diferente. Hoje é incomensuravelmente mais barato e mais eficaz contactar com eleitores de forma massiva do que era há duas ou três décadas.

As ruidosas caravanas de automóveis dos partidos em campanha eleitoral já não são aceitáveis. As carrinhas que circulavam pelas ruas com megafones roufenhos a debitar palavras de ordem ou a convocar para o comício do fim de semana já não fazem sentido. Os comícios, as arruadas e o circuito das feiras e mercados são cada vez menos relevantes. Os tempos de antena televisivos são cada vez menos vistos e perderam influência.

Em contrapartida, quem sabe comunicar bem através das plataformas electrónicas, no tom certo, com um grafismo decente e mensagens eficazes para os públicos-alvo terá vantagem sobre os restantes e a um custo muito mais baixo.

As organizações tradicionais, instaladas e habituadas a repartir entre si todo o espaço, influência e fundos sem grandes disputas, têm que se habituar à ideia de que as barreiras à entrada de novos actores são hoje muito mais baixas e fáceis de ultrapassar.

E ou se adaptam e evoluem, acertando o passo com as novas realidades. Ou adoptam a atitude de cartel, tentando servir-se de todos os meios administrativos e legais possíveis para adiar o inevitável.

O que se vê hoje na actividade política está mais próxima da defesa do cartel. Basta ver os entendimentos alargados sobre o financiamento partidário que apenas abrangem os partidos que já têm representação parlamentar, a inércia em actualizar os cadernos eleitorais e a manutenção de regras que hoje já parecem cómicas, como o “período de reflexão” antes do dia da votação ou a caça burocrática a mensagens políticas nas redes sociais.

Para não falar de mandar a polícia atrás dos recém-chegados, como acaba de acontecer com a ASAE e os enfermeiros.

Tudo tentativas corporativas de travar o vento com as mãos que estão, inevitavelmente, destinadas ao fracasso. O poder adquirido pelos cidadãos é um caminho sem retorno.

Nota: Por opção própria, o autor não escreve segundo o novo acordo ortográfico.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O digital está a chegar à política. Habituem-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião