Os alertas da Comissão a Portugal

A Comissão Europeia deixou alertas em relação aos desequilíbrios excessivos em Portugal. Quer às reformas estruturais, que estão paradas, quer à redução do défice, sem consolidação estrutural.

Na passada quarta-feira, a Comissão Europeia apresentou o Procedimento de Desequilíbrios Macroeconómicos (PDM) (Macroeconomic Imbalance Procedure) para os Estados Membros.
O PDM é um dos elementos introduzido pelo novo quadro de governação económica e orçamental da União Europeia, na sequência das crises financeira de 2008 e da dívida soberana de 2010-2012. No seguimento da assinatura do Tratado Orçamental e da implementação do Semestre Europeu, e no âmbito do “six-pack” e do “two-pack”, foi criado um mecanismo de coordenação e supervisão da política económica, complementar aos mecanismos existentes e criados de supervisão orçamental. O PDM tem, assim, dois objetivos: detetar, à priori, desequilíbrios macroeconómicos (vertente preventiva) e corrigir os desequilíbrios existentes (vertente corretiva).

O PDM consiste na avaliação de um painel de indicadores relacionados com desequilíbrios externos, competitividade e desequilíbrios internos. Que indicadores são esses e quais os limites para não estar em desequilíbrio macroeconómico?

Na parte dos desequilíbrios externos, são o saldo da Balança Corrente (a média dos últimos 3 anos, em % PIB, que deve estar entre -4% e 6%) e a posição de investimento internacional (em % PIB mede a diferença entre o investimento recebido e o investimento realizado no estrangeiro, e tem um limiar de -35% PIB).

Depois, na parte da competitividade, são a taxa de variação da quota de mercado das exportações nos últimos 5 anos (com um mínimo de variação de -6%) e os custos unitários de trabalho (a variação dos últimos 3 anos, com um limite de +9%).

Na vertente dos desequilíbrios internos, é a dívida do setor privado (em % PIB, com um máximo de 133%) bem como os fluxos de crédito ao setor privado (máximo de 15% do PIB nesse ano). Também os preços da habitação não podem ter subido mais de 6% face à inflação. A dívida pública não pode ser superior aos 60% do PIB definidos nos Tratados Europeus. Já a taxa de desemprego deve ser inferior a 10%.

Após a análise aprofundada por país, os desequilíbrios são graduados na seguinte escala:

  1. Ausência de desequilíbrio.
  2. Desequilíbrios que exigem um acompanhamento e a adoção de medidas estratégicas.
  3. Desequilíbrios que exigem um acompanhamento e a adoção de medidas estratégicas decisivas.
  4. Desequilíbrios que exigem um acompanhamento específico e a adoção de medidas estratégicas decisivas.
  5. Desequilíbrios excessivos que exigem um acompanhamento específico e a adoção de medidas estratégicas decisivas.
  6. Desequilíbrios excessivos, conducentes ao Procedimento por Desequilíbrio Excessivo.

Portugal só em 2015 passou a estar sob a vigilância do PDM e do Semestre Europeu, dado que até junho de 2014 esteve sujeito ao Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF), que suspendia a supervisão da União Europeia (uma vez que essa supervisão era feita a três: Comissão Europeia, BCE e FMI).

Na avaliação de 2015, Portugal teve uma avaliação de cinco desequilíbrios excessivos que exigem um acompanhamento específico e a adoção de medidas estratégicas decisivas.

Em fevereiro de 2015, a Comissão tinha publicado as apreciações aprofundadas por país e, com base na sua análise, identificou desequilíbrios macroeconómicos em 16 estados membros, cinco dos quais apresentavam desequilíbrios excessivos (Bulgária, França, Croácia, Itália e Portugal, a que em 2016 se junta o Chipre, saído o ano passado do seu programa da Troika).

Em maio de 2015, a Comissão propôs o projeto de recomendações específicas por país para 2015 e decidiu, novamente, não abrir qualquer PDM contra os estados membros que apresentavam desequilíbrios macroeconómicos excessivos.

Na avaliação de 2015, apesar da melhoria da situação estrutural verificada durante o programa da Troika, a Comissão identificou vários indicadores em que Portugal estava acima dos limites definidos: a Posição Líquida de Investimento Internacional, as dívidas pública e privada e o desemprego.

O que vem agora a Comissão dizer relativamente a 2016? Em primeiro lugar, que Portugal mantém a mesma avaliação, e que se prevê que continuará a ter essa avaliação, de desequilíbrio excessivo, no ano de 2017. É positivo que Portugal não tenha entrado um Procedimento por Desequilíbrios Macroeconómicos. A juntar à possível saída, em maio, do Procedimento dos Défices Excessivos, são boas notícias. Mostram que a consolidação orçamental é fundamental para corrigir os problemas estruturais da nossa economia.

Contudo, o crescimento continua reduzido e, em 2016, foi sobretudo resultado de uma expansão do consumo privado (o que nos leva a recear a repetição dos erros passados). Quanto ao endividamento, a dívida privada tem vindo a diminuir (embora haja uma forte preocupação com o crédito mal parado), mas a dívida pública, em % PIB, voltou a aumentar em 2016. A principal boa notícia é a redução do desemprego.

No entanto, a Comissão deixa alertas importantes: As reformas estruturais estão paradas desde 2015. Por outro lado, a Comissão manifesta preocupação com a política que tem sido seguida para o salário mínimo.

A consolidação orçamental de 2016 baseou-se em medidas pontuais e em cortes de investimento. A Comissão mostra-se preocupada com os riscos orçamentais para 2017. Note-se que o défice estrutural, que passou de -8.5% do PIB em 2010 para -1.7% do PIB em 2014! Em quatro anos, uma redução estrutural do défice de 6.8 p.p. do PIB! Em 2015, este esforço inverteu-se, com o défice estrutural a subir para -2.2%.

Em todo o caso, em cinco anos, uma redução de 6.3 p.p. do PIB. Quatro anos em que o défice nominal passou de 10% PIB para 3% PIB (o que significa que a descida do défice nominal foi praticamente toda feita com consolidação estrutural).

O que se espera para 2016 e para os próximos anos? Zero de consolidação orçamental estrutural! Sim, o défice estrutural continuará em torno dos -2.2% em 2016 e 2017. E a previsão para 2018 é que se agrave, para -2.6%.

A Comissão é clara ao dizer: “Overall Portugal has made limited progress on addressing the 2016 country-specific recommendations”.
Boas notícias? Em parte sim. Mas os alertas são demasiado importantes. E parece-me que se deu pouca atenção a estes alertas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Os alertas da Comissão a Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião