Os professores e a educação

Da qualidade dos nossos professores depende a qualidade da nossa Educação. E desta depende, em grande medida, a nossa capacidade de crescer economicamente.

Embora ser avó não faça parte dos meus planos para os próximos anos, li há umas semanas um artigo intitulado “Os professores dos nossos netos”. É que tenho um carinho especial pelo tema da Educação (não digo paixão, porque pareceria plágio, ainda por cima de um amor platónico). Além disso, gosto de ler os autores — o João Cerejeira e o Miguel Portela —, que são sempre interessantes e enriquecedores.

E foram-no também neste artigo. Porém, deixaram-me apreensiva. Não por me perspectivar com idade suficiente para duas gerações de descendentes, mas por ficar a saber que, em Portugal, dos jovens que pretendem completar o ensino superior, somente 1,3% tenciona ser professor e que destes a maioria apresenta um desempenho escolar abaixo da média.

Quando, na terça-feira, uma das notícias do dia era a de que o estudo da OCDE mostrava que os professores eram mais bem pagos que outros trabalhadores com qualificações idênticas, veio-me logo à mente esta estatística – que tem origem num outro estudo também da OCDE, Effective Teacher Policies – e pensei “algo não bate certo”. Se a docência é uma profissão tão bem remunerada, que sentido faz que tão poucos alunos queiram segui-la?!

Lembrei-me, então, do início da parte I do capítulo X do A Riqueza das Nações, em que Adam Smith observa “são as seguintes as cinco principais circunstâncias que, tanto quanto me tem sido dado a observar, compensam o pequeno ganho de alguns empregos, ou exigem, noutros, a contrapartida de um ganho elevado”:

  1. Carácter agradável ou desagradável dos empregos em si mesmos.
  2. A facilidade e pequeno dispêndio, ou a dificuldade e elevado dispêndio, exigidos pela sua aprendizagem.
  3. O seu carácter de segurança ou de insegurança.
  4. A pequena ou grande confiança que será necessário depositar naqueles que os exercem.
  5. A probabilidade ou improbabilidade de êxito por eles proporcionado

O indicador em que a OCDE nos coloca no segundo lugar é o do rácio entre o vencimento dos professores e o de outros profissionais com a mesma escolaridade. Ou seja, faz a comparação controlando para o segundo factor identificado por Adam Smith. Mas e as demais circunstâncias que ele apontou?

No começo do seu artigo, João Cerejeira e Miguel Portela constatam que mais de metade dos professores do pré-escolar ao secundário está na faixa etária dos 45 anos ou mais. Ora, não é que a idade seja um posto. Mas pessoas mais velhas costumam, ceteris paribus, ser mais experientes e a experiência paga-se, porque, não sendo garantia de competência, tem com ela uma correlação positiva. E a OCDE evidencia isso mesmo.

Quanto à (des)agradabilidade do emprego, envolve aspectos obviamente muito subjectivos e de difícil medição. Mas imagino que seja mais ou menos consensual que andar a mudar de região de ano para ano, com colocações a quilómetros de distância anunciadas com quatro dias de antecedência, não torna a docência propriamente muito apelativa.

E acho que estamos todos mais ou menos cientes de que ser professor é uma profissão, cada vez mais, com menor respeitabilidade e reconhecimento social. O que tragicamente é uma profecia auto-realizável: Se dos professores se diz que são uns parasitas preguiçosos, é normal que acabe por ir para o ensino quem, de facto, tiver vocação para parasitar.

Digo tragicamente porque, como escrevem João Cerejeira e Miguel Portela, “nenhum sistema educativo pode ser melhor do que os seus professores”, o que é tão mais verdade num país como o nosso, com níveis de escolaridade baixos e em que, portanto, o meio familiar não pode suprir eventuais falhas do sistema educativo.

Portanto, da qualidade dos nossos professores depende a qualidade da nossa Educação. E desta depende, em grande medida, a nossa capacidade de crescer economicamente e de nos desenvolvermos socialmente. Era bom que nos lembrássemos disso. E que dedicássemos à Educação um carinho especial.

Nota: Vera Gouveia Barros escreve segundo a ortografia anterior ao acordo de 1990.

Disclaimer: As opiniões expressas neste artigo são pessoais e vinculam apenas e somente a sua autora.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Os professores e a educação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião