Pandemia, uma porta aberta no imobiliário

  • Nuno Garcia
  • 13 Maio 2020

Não são raros os casos de empresas que conseguiram reinventar-se nesta nova realidade procurando oportunidades dentro das necessidades da população.

Estamos a viver tempos conturbados, com repercussões negativas para quase todas as áreas de negócio e para a sociedade em geral. Em muitas áreas, só se irá sentir este choque mais à frente, como é o caso das obras ou no perfil de consumo, como é também o caso do imobiliário. Mas talvez valha a pena pensar de um outro ângulo, porque nem tudo é mau e, mesmo em cenários pandémicos, podemos ver aspetos mais positivos.

Não são raros os casos de empresas que conseguiram reinventar-se nesta nova realidade, oferecendo novos serviços ou adaptando o que já ofereciam, procurando oportunidades dentro das necessidades da população. E não se trata de oportunismo, mas sim de saber ajustar-se para tirar o melhor de cada situação, mesmo das mais desafiantes, e, principalmente, de não desistir.

Na Construção e no Imobiliário, áreas que acompanho há mais de uma década, as consequências também não têm sido agradáveis. Há um grande esforço de todos para manter as obras, para que o rombo no setor – para empresas e trabalhadores – seja minimizado, mas seguem, evidentemente, com um outro ritmo, de acordo com as exigências, com redução de equipas e reforço das medidas de segurança. Há uma incerteza sobre se o investimento publico previsto irá sair da gaveta e se existe uma visão estratégica que perceba que este investimento pode ser um dos meios para alavancar a economia e dar mais um sinal de confiança. Na compra de imóveis o cenário é idêntico: com o confinamento e a dúvida a marcar os nossos dias – e os próximos meses -, a procura de imóveis caiu grandemente e estão a fazer-se muito poucos ou nenhuns negócios. Como consequência, há uma expectativa na baixa de preço e até os alojamentos turísticos, à falta de turistas, voltaram a estar disponíveis para arrendamento local.

Ora, parece tudo negativo, mas na verdade não o é. Na verdade, estas baixas de preço nos imóveis podem representar uma janela de oportunidade para quem já pensava adquirir uma habitação e que agora o pode fazer a preço mais acessível, sendo igualmente expectável uma maior disponibilidade dos proprietários para negociar os valores de venda e arrendamento. Por outro lado, há também mais escolha, já que, ao contrário do que acontecia – com as casas a serem vendidas numa questão de dias ou mesmo horas -, agora as habitações ficam mais tempo no mercado.

E habitação à parte, isto é também válido para quem tem algumas poupanças que possa investir. O imobiliário sempre deu bons retornos a médio/longo prazo, pelo que, tendo algum dinheiro disponível, pode ser uma ótima altura para investir na compra de alguns bens, seja para colocar no mercado de arrendamento ou para vender quando o mercado voltar a estar em alta. Porque o vai estar! Todas as crises são cíclicas e, passada a tempestade, virá a bonança. Por isso, cabe-nos estar atentos, aproveitar as melhores oportunidades e rentabilizá-las quando for tempo disso.

Mesmo em cenários aparentemente catastróficos, como o que atravessamos com a Covid-19, é essencial mantermo-nos confiantes e despertos, pois só assim conseguiremos dar a volta por cima e – quiçá – tirar ainda algum proveito com as portas que se abrem.

  • Nuno Garcia
  • Diretor-geral da GesConsult

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia, uma porta aberta no imobiliário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião