Petróleo: o causador da Segunda-feira Negra?

  • Luís Gomes
  • 9 Março 2020

Quem irá sofrer com estas fortes quedas? Em primeiro lugar, as empresas petrolíferas, como a BP, a Exxon, a Shell, a Chevron e a Total; em segundo lugar, os países produtores de petróleo.

Ao dia 9 de Março de 2020 já o podemos apelidar de Segunda-feira Negra, tal como ocorreu há mais de 30 anos – 19 de Outubro de 1987. Nessa segunda-feira, o índice DOW 30 fechou a sessão a perder 22,6%, a maior queda diária da história em apenas um dia de negociação. O que esteve na origem desta repetição? O Petróleo. Na abertura desta sessão, assistimos a uma queda superior a 20% no preço do barril de Petróleo, a maior queda desde a guerra do Golfo Pérsico. Na última sexta-feira (6 de Março de 2020), o barril de Petróleo tinha encerrado a negociar nos 41,28 USD por barril e abriu a sessão de segunda-feira a negociar nos 32,87 USD por barril.

O que esteve por detrás desta enorme queda? Segundo as notícias, deveu-se ao fracasso da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e Rússia de chegar a um acordo sobre os preços do petróleo, que implicava uma forte redução da produção, visando provocar uma subida de preços. Durante o fim-de-semana, a Arábia Saudita anunciou uma redução de 10% nos preços, gerando o completo pânico nos mercados internacionais. A negociação do futuro do índice S&P 500 foi suspensa, pois a queda era superior a 5%.

Numa primeira fase, quem irá sofrer com estas fortes quedas? Em primeiro lugar, as empresas petrolíferas, como a BP, a Exxon, a Shell, a Chevron e a Total; em segundo lugar, os países produtores de petróleo, destacando-se os maiores: os Estados Unidos, a Arábia Saudita e a Rússia. Estes três países representavam mais de 40% da produção mundial em 2018, num total de 100,8 milhões de barris/dia. Igualmente, nos próximos meses, iremos seguramente assistir a inúmeras falências de empresas do sector, incapazes de cumprir com o serviço de dívida.

Presentemente, assistimos a uma troca de galhardetes entre a Arábia Saudita e a Rússia. O primeiro, afirma que poderá utilizar o seu fundo soberano, que possuía 150 mil milhões de USD em activos no final de Fevereiro do presente ano, para “aguentar” estes baixos preços durante muito tempo. O segundo, afirma que poderá suportar o preço do barril a 25 USD durante vários anos; talvez por isso, nos últimos anos, a Rússia tenha vendido todas as suas reservas constituídas por obrigações do tesouro norte-americano e comprado ouro, alterando profundamente a composição das reservas do seu Banco Central. Entre 2007 e 2018, a produção de petróleo no mundo tem subido ao ritmo de 1,7%/ano (fonte: EIA). A grande alteração, para o mesmo período, foi a ascensão dos Estados Unidos ao lugar cimeiro dos produtores mundiais, atendendo que a sua produção subiu ao ritmo de 7,1%/ano, enquanto a Arábia Saudita e Rússia apenas a 1,3%/ano.

Se analisarmos o gráfico do Petróleo desde 1983, podemos verificar que existe uma tendência descendente desde a bolha das matérias-primas que ocorreu em 2008, em que o Petróleo esteve a cotar em valores próximos a 150 USD por barril. Além disso, na presente sessão, rompeu um suporte importante, situado em torno aos 32 USD por barril, o que faz supor que nada positivo se afigura para o preço do Petróleo nos próximos tempos.

Outra análise que importa mencionar, consiste no exame do preço do barril de Petróleo medido em gramas de Ouro, em lugar de USD. O Ouro é uma divisa que não está sujeita às políticas inflacionistas da Reserva Federal norte-americana, o banco central dos EUA. Em primeiro lugar, podemos ver que o preço realizou um duplo topo em 2005 e 2008, uma figura de reversão de tendência, que efectivamente se verifica desde 2008, em que o preço regista máximos e mínimos decrescentes. Por outro lado, também podemos identificar um suporte importante, em torno a 1 grama de Ouro por barril. O alerta ocorreu no final de Fevereiro do presente ano, em que o preço encerrou por debaixo de 1 grama, em particular em 0,88 gramas por barril, um forte sinal que o preço podia colapsar.

Como anteriormente mencionei, nestes últimos 10 anos, a ascensão dos Estados Unidos ao lugar cimeiro da produção mundial de Petróleo foi a grande alteração que se verificou, tal como podemos observar no seguinte gráfico.

Mais uma vez, o banco central norte-americano, após a grande crise de 2008/2009, ao colocar as taxas de juro a 0% durante 10 anos, distorceu as decisões dos empresários do sector petrolífero nos EUA. É o que sempre acontece, quando se tenta determinar um preço, em lugar do mesmo resultar da livre interacção da procura e oferta. Muitos empresários nos EUA recorreram ao crédito para investir em novas explorações de Petróleo, atendendo que o “capital grátis”, próximo de 0%, permitia tornar viável qualquer projecto, em particular os que utilizavam a tecnologia do Fracturamento Hidráulico, apenas viável, caso os preços do petróleo sejam elevados.

Em resultado desta política monetária, os EUA aumentaram expressivamente a sua produção, o que levou a uma quebra do preço. Mais uma vez, o mercado acabou por “colocar no lugar” os bancos centrais, atendendo que o colapso dos preços irá certamente originar falências em catadupa de muitas empresas do sector nos EUA, provocando a redução da produção; apenas desta forma, os preços podem voltar a subir. Além disso, como os bancos centrais não permitiram a liquidação dos maus investimentos e das dívidas durante a última crise, atirando “dinheiro a tudo”, bem pelo contrário, estas voltaram recentemente a registar máximos históricos.

Uma nova crise irá surgir para obrigar a que estes excessos de dívida e crédito sejam corrigidos, por mais intervenções que as autoridades norte-americanas tentem. Em paralelo, iremos seguramente assistir a uma desvalorização importante do USD, em resultado da complicada situação em que a Reserva Federal se colocou.

  • Luís Gomes
  • DIF Broker

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Petróleo: o causador da Segunda-feira Negra?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião