Plano de emergência energética. Menos narrativas, mais fazer

Pelo menos que esta greve dos motoristas de matérias perigosas nos sirva de alerta. Agir em vez de construir promessas e narrativas. O combate é aqui.

Esta greve veio mostrar mais uma vez a fragilidade em que assenta a resposta portuguesa a situações de emergência. Tal como na questão dos fogos de 2017 parece tudo muito amador, irreflectido, atabalhoado e feito de papelão. Os governos têm sido fortes na criação de narrativas, planos e projectos, que não aguentam o mais leve sopro, a mais leve contrariedade. A política tem sido feita nos gabinetes, sem envolvimento e incentivos à administração pública e sem ligação ao país real. Criam-se comissões, power-points e legisla-se… lindo.

Em 2008 Portugal ficou refém duma greve dos camionistas. Nesse ano o país parou por falta de combustível, filas e aviões a terem de ir abastecer a Espanha. A situação repete-se 11 anos depois sem que tenhamos aprendido nada ou prevenido estas situações.

Um plano logístico de emergência para casos de ruptura de abastecimentos de combustíveis existe desde finais de 2016, selecionando postos prioritários e em cada um uma reserva mínima a mobilizar pelo Governo para veículos de emergência, ambulâncias e bombeiros, racionando os restantes. Deveria ter sido accionado imediatamente quando se verificou uma adesão à greve suficientemente grande para criar dificuldades de abastecimento, e não 3 dias depois.

Também não ajudou que a ENSE, sucessora da ENMC, tivesse visto as suas competências distribuídas por várias entidades, fazendo com que os operadores de combustíveis, que tinham a ENMC como único interlocutor, tenham agora 4, a ENSE, a DGEG, a ERSE e o LNEG, numa confusão organizativa criada em 2018 pelo anterior secretário de estado Seguro Sanches.

E os oleodutos… a existência dum oleoduto para abastecimento do aeroporto de Lisboa teria evitado muita da ruptura de abastecimento verificada, dado que os serviços mínimos não teriam de se dedicar também ao aeroporto, e o plano logístico de emergência poderia ter sido executado para os postos selecionados em todo o país.

Os oleodutos são a forma mais eficiente, limpa e segura de transportar combustíveis. Funcionam a electricidade, renovável, e retiram camiões cisternas das estradas. Só no abastecimento de jet-fuel ao aeroporto estão envolvidos 180 camiões diários, um perigo para os seus motoristas, os outros condutores e as populações por eles atravessadas.

Se estão mesmo empenhados em promover a descarbonização e a transição energética, podem começar por agir aqui. Em vez de grandes planos 2030, gongóricos e bonitos, façam o Portugal Hoje, 2019. 10 milhões de euros fazem o oleoduto passar o Tejo do aeroporto do Montijo à Portela, abastecendo o aeroporto de jet e eventuais centrais logísticas de armazenagem de gasóleo e gasolina. Porque o Montijo já tem o oleoduto militar, pertencente ao complexo do cais da Trafaria/PolNato concessionado à ENMC a 25 anos por despacho do então Secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrelo, sensível a estas questões ambientais e de abastecimento, e de aproveitamento civil dum complexo militar desocupado, à semelhança do que os restantes países da NATO têm feito.

São 3 milhões de consumidores na Grande Lisboa que são abastecidos por camiões cisternas, um absurdo. Um absurdo esquecido pelos combatentes do Clima. Estamos todos mais preocupados em fechar as centrais a carvão da EDP e depois importamos electricidade produzida a… carvão de Marrocos. Combatemos e conseguimos deter a prospeção e exploração de petróleo em Portugal, para depois importar petróleo e combustíveis. Dois exemplos de como essas lutas não diminuem as emissões de CO2, só as deslocalizam e empobrecem o país. Aqui gostaria eu de ver manifestações de “Oleodutos já!”. Não vejo. E tenho pena, porque isso é que seria consequente. Retirar camiões das estradas, reduzir a pegada e o consumo de combustíveis fósseis. É aqui, no imediato, não é sonhar…

Portugal tem 230 kms de oleoduto. Espanha tem 4000 km na rede da CLH. Criada em cima de 700 km de oleodutos militares, foi-se expandindo nos últimos 20 anos. Em Portugal chegou a mostrar interesse em ligar Vigo ao Porto, de forma a ligar o norte do país à rede espanhola, prevenindo rupturas de abastecimento de combustíveis e permitindo a exportação de produtos da Refinaria de Leça para Espanha. Não encontrou receptividade portuguesa. Nem para Badajoz/Aveiras.

Um eixo que ligue Vigo/Porto/Aveiro/Coimbra/Leiria/Aveiras é essencial. Contudo prioritário mesmo é a ligação Montijo/Portela e Aveiras/Portela. Cumpríamos a transição energética, estaríamos mais prevenidos quando a próximos bloqueios de abastecimento, acidentes, etc. e não levaríamos com afirmações da Agência Internacional de Energia, que as nossas infraestruturas de transporte de combustíveis estão ao nível do terceiro mundo.

Repito, dez milhões para atravessar o Tejo e levar jet fuel ao aeroporto. 4% do orçamento anual do Ministério do Ambiente e da Transição Energética. Contrapartida: 180 camiões cisternas diários fora das estradas e mais tranquilidade na segurança energética…

Pelo menos que esta greve nos sirva de alerta. Agir em vez de construir promessas e narrativas. O combate é aqui.

PS: Uma palavra para os motoristas dos camiões cisternas. Sem me intrometer na qualidade das suas reivindicações, é um trabalho difícil, colocando todos os dias as suas vidas em risco e do restantes condutores ao transportarem produtos altamente inflamáveis. Claro que os camiões têm todos os requisitos de segurança, mas… são quase bombas.

Nota: Por opção própria, o autor não escreve segundo o novo acordo ortográfico

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Plano de emergência energética. Menos narrativas, mais fazer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião