Pode um publicitário dormir descansado?

De um momento para o outro, entraram novos players no mercado da publicidade, o grupo Publicis deixou de se inscrever em prémios e o líder da WPP questionou todo o funcionamento da indústria.

O mundo publicitário português parece mais ou menos adormecido, mas enquanto isso, lá fora, tudo está em ebulição. Foi isso mesmo que testemunhei quando este ano fui a Cannes e foi também isso que fui relatando ao longo dos dias em que fiz a cobertura do festival, através das minhas crónicas, aqui no ECO. A necessidade de escrevermos aquilo que estamos a viver obriga-nos a um muito interessante exercício de assimilação da máxima informação possível — talvez tenha sido isso mesmo que me tirou o sono.

Voltei da Riviera Francesa genuinamente preocupado com tudo aquilo que se estava a passar. De facto, quando para lá viajei, também eu estava anestesiado pela aparente tranquilidade do mercado português.

Mas, de um momento para o outro, tinham entrado novos players no mercado da publicidade (consultoras, agências internas, agências de redes sociais como a Creative Shop do Facebook e departamentos de branded content dos próprios meios), como quem não quer a coisa todo o grupo Publicis deixou de se inscrever em prémios e o líder da WPP, Sir Martin Sorell, decidiu num só dia questionar todo o funcionamento de Cannes e da própria indústria mundial da publicidade. A propósito deste tema, quem tem estado atento, pôde até ler na AdWeek da semana passada a notícia da negociação que está a decorrer entre a WPP e os organizadores dos Cannes Lions, no sentido de evitar que as agências do grupo abandonem também elas o festival.

Mas se as coisas não estavam famosas em junho, agora em outubro não parecem estar muito melhores. Quem acompanha regularmente a inglesa Campaign viu na semana passada uma notícia preocupante. Jerome Bodin, analista do banco francês Natixis, decidiu estudar a evolução das ações das principais holdings mundiais da publicidade e verificou que, por exemplo, a Publicis viu a sua posição no mercado bolsista desvalorizar 11%, um mau resultado, mas que não se compara à desvalorização de 22% da gigante WPP. O próprio Bodin, no seu relatório, chegou à conclusão de que o mais provável é que, muito brevemente, ocorra uma grande fusão como a que foi tentada em 2014 pela Publicis e a Omnicom, ou que, por outro lado, um dos gigantes da consultoria compre um destes grupos.

Também na Campaign desta semana, Alex Hesz, Chief Strategy Officer da britânica Adam&Eve/DDB, assina um brilhante artigo, onde declara que “We are consultants”. Defendendo, por outras palavras, que as agências de publicidade têm que muito rapidamente deixarem de se assumir como integrantes da indústria criativa (onde Hesz defende que estão os museus ou os artistas) e passarem a assumirem-se como integrantes da indústria de prestação de serviços empresariais. Bastará este novo “posicionamento” para fugirmos à crise? Talvez não.

Face a toda esta confusão, durante as últimas semanas, tenho feito o trabalho de convidar para esta crónica várias personalidades para me ajudarem a perceber, sobre os mais variadíssimos ângulos, “como será a agência de publicidade do futuro”. Até agora, a única certeza que tenho é que é realmente necessário continuar este trabalho e aprofundá-lo o mais possível. Pode ser que entretanto o mercado português acorde para a vida.

Até para a semana e durmam descansados (dentro do possível)!

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pode um publicitário dormir descansado?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião