Porque desce (tão pouco) o défice?

A redução do défice tem sido meramente nominal e não estrutural. E, neste momento, temos uma situação que é próxima da que o país viveu entre 1995 e 2000.

Quem tem a paciência de me ler aqui no ECO sabe que tenho sido crítico da condução da política económica e orçamental deste Governo. O meu ponto pode ser sintetizado no seguinte: “o Governo aproveita a bonança económica e fatores pontuais para reduzir o défice do ponto de vista nominal, mas não há consolidação orçamental estrutural”.

Tem sido muito debatido se de facto o governo está ou não a conduzir bem a política orçamental. Creio que muito já foi dito (inclusive por mim), explicando como se obteve um défice de 2% em 2016 e de 1.4% em 2017. Também já tive oportunidade de analisar o que poderá suceder se Portugal enfrentar uma recessão com um défice estrutural de 2% e uma dívida pública em torno dos 120% do PIB.

Contudo, creio que ainda não estará totalmente explicado o efeito conjuntural que desde 2015 conduz a política orçamental. E para tal, entendi que valia a pena voltar a este assunto, mesmo correndo algum risco de me repetir (e certamente correndo o risco de voltar a aborrecer os leitores).

Neste momento, temos uma situação que é próxima da que o país viveu entre 1995 e 2000. Na altura, em 1995, Portugal tinha um défice nominal de 5%, mas pagava cerca de 5,5% do PIB em juros. Isso significa que tinha um ligeiro excedente primário.

Depois, entre 1995 e 2000, o défice reduziu-se de 5% para 3%, permitindo a Portugal integrar a moeda única. Sucede que nesse período houve três efeitos “temporários”, que permitiram a redução do défice nominal ao mesmo tempo que o governo do Eng. Guterres distribuía benesses e despesa por todos.

  1. O primeiro foi o efeito do crescimento económico, que rondou nesse período os 4%/ano, a que se somava um deflator dos preços de 2%, pondo o crescimento nominal acima de 6%/ano.
  2. O segundo efeito foi a extraordinária recuperação de dívidas fiscais via plano Mateus, na ordem de centenas de milhões de euros por ano.
  3. O terceiro efeito, por via da entrada de Portugal no Sistema Monetário Europeu e depois na zona Euro, foi a quebra significativa das taxas de juro. Essa quebra permitiu que a despesa de juros passasse de 5,5% em 1995 para 3% em 2000.

Dir-me-ão, que o saldo primário continuava equilibrado. É verdade, mas apenas graças ao crescimento económico e ao plano Mateus.

Assim que, em 2001, estabilizou o efeito de redução dos juros, e ao mesmo tempo o plano Mateus começou a reduzir os montantes cobrados e a economia mundial entrou em recessão (efeito do fim da bolha das “dot.com” em 2000 e do 11 de setembro de 2001), o défice nominal disparou para os 5%. Ora, parece-me que estamos novamente a passar por um processo semelhante, embora não tão agudo.

Veja-se a tabela abaixo. Só em windfall revenues (ou seja, receitas temporários e redução de juros) temos cerca de três mil M€ entre 2016 e 2018 (já tendo em conta a previsão do governo para 2018 constante do OE/2018). A isto, some-se “outros efeitos” (resultado de aumento de impostos e do efeito do crescimento nominal na receita), e temos mais oito mil M€. No total, o Governo conta com um “dividendo orçamental” de cerca de 11 mil M€. Qualquer coisa como 5% do PIB.

Como aplicou o Governo esse dividendo orçamental? Em termos de PIB, o défice baixou de 3% em 2015 para uma previsão de 1% em 2018. Portanto, do dividendo de 5% do PIB, apenas 2% foi usado na redução do défice (menos de metade).

Mas olhando para os valores nominais, ficamos com uma ideia ainda mais clara: a redução do défice entre 2015 e 2018 será de 3,3 mil M€ (cerca de 1/3 do total do “dividendo orçamental”). Sobram assim cerca de oito mil M€ de “dividendo orçamental” que não foram usados na redução do défice.

Como foram usados esses oito mil M€? Cerca de 3,3 mil M€ (um valor igual ao da redução do défice), foram usados em medidas discricionárias. Isto é, em aumento de salários na função pública e de prestações sociais e na redução do IRS e do IVA da restauração.

O restante, cerca de 4,6 mil M€, foram resultado da dinâmica orçamental, parte dela por efeito nominal dos preços. Ou seja, aumento de prestações sociais, para além das medidas tomadas (inclui-se aqui o aumento anual que as pensões geram por um número maior de reformados e pensionistas, mas também mais gastos com a saúde e educação). Mas também aumento dos consumos intermédios e da outra despesa corrente (em linha com o crescimento nominal da economia).

Em síntese, como tenho dito, a redução do défice tem sido meramente nominal e não estrutural. E olhando para os números acima, se o Governo não tivesse reduzido o IVA da restauração e tivesse tomado apenas “metade” das medidas de despesa com salários e de corte no IRS, poderíamos ter em 2018 menos 1% de défice. Ou seja, quando me perguntam como atingiríamos em 2018 um saldo equilibrado, respondo: “simples, com menos medidas de aumento da despesa e menos cortes no IRS e sem a redução do IVA da restauração”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Porque desce (tão pouco) o défice?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião