Portugal e a dívida: um problema de hoje?

A dívida pública não é um problema de hoje. E a tentação dos governos também não.

As obrigações financeiras de diferentes maturidades pagam taxas de juro anualizadas diferentes. Por exemplo, obrigações com períodos mais longos até ao pagamento pagam taxas de juro mais elevadas.

Há vários motivos para isto ser assim. Suponhamos uma pessoa que está a considerar como investir 1000 euros para ganhar o máximo dinheiro possível num período de 2 anos. Tem duas opções:

  1. Compra uma Obrigação do Tesouro a 1 ano que paga 2% (este ano, porque para o ano logo se vê quanto paga).
  2. Compra uma Obrigação do Tesouro a dois anos que paga 3% por ano.

O que deve fazer? Será que a opção 2 é, de certeza, melhor? Não é claro que a opção 2 seja a melhor. A escolha do investidor vai depender, principalmente, do que o investidor considere sobre o que vai acontecer no futuro, ou seja, quanto é que a obrigação com maturidade a um ano (da opção 1) vai pagar no segundo ano.

Em geral, as obrigações têm um padrão parecido com o do exemplo acima porque comprar uma obrigação a 2 anos tem uma desvantagem relativamente a comprar agora uma a um ano, e depois para o ano outra, porque no segundo caso há um risco adicional, dado não ser possível prever exatamente o futuro.

Por isso, em geral, os juros aumentam com a maturidade. Diz-se que a yield curve – que estabelece a relação entre os juros e a maturidade – é positiva ou “normal”. Mas os juros de longo prazo podem ser, por vezes, menores que os de curto prazo, levando a uma curva invertida, o que geralmente quer dizer que os investidores antecipam que, no longo prazo, as taxas de juro de curto prazo vão ser mais baixas do que são agora – ou seja, antecipam que vem aí uma recessão, sem grande subida de inflação associada.

Em trabalho recente, Rui Pedro Esteves, professor na Universidade de Oxford, estuda como, em finais do século XIX, em períodos em que a yield curve de obrigações portuguesas em Londres tinha tendência para subir, os governos em Portugal foram capazes de contrariar essa tendência através de intervenções no mercado.

Através dessas intervenções, os governos portugueses foram capazes de manter as taxas de juro domésticas baixas. Mas, ao mesmo tempo, Portugal ia lentamente acumulando uma enorme dívida externa. O principal custo era que, para evitar a desvalorização do câmbio por causa do peso do serviço da dívida externa, o governo e o Banco de Portugal tiveram de intervir no mercado cambial, aumentando o juro de curto prazo. Ou seja, comprimiam o yield de longo prazo, à custa de uma maior taxa de curto prazo: um “twist” à portuguesa.

Mas Portugal estava a ficar sem tempo, e a charada só durou até certo dia. A escalada da dívida tornou-se tanta que começou a tornar-se óbvio que Portugal não conseguiria pagar. E, quando uma conjuntura internacional desfavorável apareceu no início da última década do século XIX, esse momento chegou. Portugal viria a ficar várias décadas sem acesso a dívida externa.

Na minha próxima coluna, levantarei alguns paralelos com a situação atual do país.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal e a dívida: um problema de hoje?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião