Portugal só é um offshore para a demagogia políticapremium

Há que taxar criptoactivos, mas faça-se de forma estratégica, contribuindo para o desenvolvimento desta indústria emergente que tem transformado Portugal num dos centros globais da economia digital.

O Bloco de Esquerda voltou à ribalta com uma proposta de alteração ao Orçamento de Estado 2022 para “tributar ganhos com criptomoedas como qualquer outra mais-valia”. É um tema que importa debater. Mas as declarações do Partido não convidam à discussão, com a deputada Mariana Mortágua a afiançar que é incompreensível que o governo defenda a existência de “um offshore de criptomoedas ao mesmo tempo que se castigam as pessoas com os impostos sobre a energia, sobre o seu trabalho, sobre todos os outros rendimentos”. Será esse o caso? Não, é apenas demagogia política. Assim, importa retomar o debate sério sobre o desenvolvimento tecnológico de Portugal e perceber que este cantinho à beira-mar plantado não só não é nenhum “offshore regulatório e fiscal de criptomoedas”, como também não há

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos