Presidenciais atípicas

  • Filipe Vasconcelos Romão
  • 21 Abril 2017

A partir do momento em que se tornou perceptível que François Hollande não teria quaisquer possibilidades de reeleição, consolidou-se a ideia de que estas eleições seriam disputadas entre a direita.

No próximo Domingo, terá lugar a primeira volta das presidenciais francesas. A campanha eleitoral que agora termina teve como notas dominantes a incerteza do resultados e a possibilidade de qualquer dos quatro candidatos que se perspectivam como os mais votados poder passar à segunda-volta. Como chegámos a este ponto?

A partir do momento em que se tornou perceptível que François Hollande não teria quaisquer possibilidades de reeleição, consolidou-se a ideia de que estas eleições seriam, sobretudo, disputadas entre a direita e a extrema-direita. Antes das primárias gaullistas, Allain Juppé, braço-direito de Jacques Chirac, figura moderada e com capacidade de arregimentar voto entre a direita moderada e o centro-esquerda, parecia destinado a ocupar o Eliseu. Numa hipotética segunda-volta contra Marine Le Pen, a esquerda não teria grandes problemas em dar-lhe o seu voto.

Porém, os últimos anos ensinaram-nos que a “opinião publicada” vale cada vez menos e Juppé foi facilmente derrotado em primárias pelo conservador François Fillon, antigo primeiro-ministro de Nicolás Sarkozy. O programa e a imagem de Fillon evidenciavam uma estratégia inversa à de Juppé: captar eleitorado de extrema-direita, sobretudo entre o conservadorismo católico francês que toca, subtilmente, a extrema-direita e que não não recusaria votar Le Pen. A estratégia não era nova e já tinha permitido a Sarkozy, em 2007, vencer chegar à presidência, com um discurso musculado que travara uma nova presença de Jean-Marie Le Pen na segunda-volta. Fillon teve, no entanto, de enfrentar durante a pré-campanha uma série de acusações judiciais relacionadas com o eventual favorecimento de familiares, o que acabou por diminuir (mas não anular) as suas probabilidades de chegar a presidente.

Por outro lado, o Partido Socialista (PS), francamente debilitado pela governação Hollande, voltou a apostar num processo de eleições primárias e, também aqui, os resultados não foram os previstos pelos analistas: o antigo primeiro-ministro Manuel Valls, pertencente à ala centrista do partido e principal rosto da governação social-liberal, foi ultrapassado por Benoît Hamon e pela sua promessa de reposicionar o PS à esquerda. Hamon enfrenta três grandes problemas: o peso da impopularidade de Hollande entre os socialistas; a emergência de uma candidatura forte de Jean-Luc Melénchon, que congrega boa parte da esquerda insatisfeita com o mandato de Hollande, incluindo socialistas de esquerda; e a antecipação de Emanuel Macron. Macron, outro antigo ministro socialista, auto-excluiu-se antecipadamente das primárias socialistas e fundou o movimento político “En Marche”, o que lhe permitiu estar em campanha mais tempo e gerir o próprio calendário sem constrangimentos externos.

Chegados às vésperas das eleições, foram tantas as situações atípicas que se dá o caso de qualquer dos quatro principais candidatos poder passar à segunda-volta e vencer a eleição. Em função dos eventuais alinhamentos na segunda-volta, poderemos ter presidências muito distintas. Um Macron que enfrente Le Pen, capaz de unir a esquerda, o centro e a direita gaullista será, necessariamente, um presidente diferente de um Macron que enfrente um candidato de esquerda (Melénchon) numa segunda-volta. Nesse caso, a sua campanha seria protagonizada pela direita, o que limitaria a sua capacidade para estabelecer consensos.

Quando olhamos para o semi-presidencialismo francês não podemos esquecer o papel que desempenham as eleições legislativas que terão lugar pouco depois das presidenciais. Desde que os mandatos do chefe de Estado passaram a ser de 5 anos (2002), as legislativas passaram a servir para confirmar o apoio ao novo presidente e para eleger maiorias de suporte. A coincidência prática entre o mandato presidencial e a legislatura poderá ter sido a principal razão para que desde 1997-2002 não haja um governo de coabitação em França.

Desta vez, porém, a acreditar na maioria das sondagens, qualquer que seja o presidente eleito terá grandes dificuldades em obter uma maioria clara no parlamento. Em primeira instância, este poderá ser um sinal do regresso de algum protagonismo parlamentar. Entre os quatro candidatos na linha da frente, só François Fillon dispõe de uma máquina partidária, “Os Republicanos”, capaz de potenciar a vitória presidencial (sobretudo pelo carácter inesperado de que se revestiria) e prolongá-la para uma vitória nas legislativas. Melánchon estaria dependente de acordos com os socialistas; Macron e o seu En Marche terão muitas pontes a estender à esquerda e à direita; e uma vitória de Le Pen seria sinónimo de um terramoto de tal magnitude que uniria (quase) todos os seus adversários nas legislativas seguintes.

Aguardemos por Domingo.

  • Filipe Vasconcelos Romão
  • Presidente da Câmara de Comércio Portugal – Atlântico Sul e professor universitário

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Presidenciais atípicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião