Propriedade Intelectual, Inovação e o Novo Código

O advogado Gonçalo de Sampaio escreve sobre o Dia Mundial da Propriedade Intelectual

Celebra-se, hoje, o Dia Mundial da Propriedade Intelectual.

A propriedade intelectual, e mais especificamente as “marcas e patentes”, é hoje referida, unanimemente, como factor fundamental para a competitividade e sucesso das empresas. Salvaguardar e obter direitos de propriedade intelectual deve assumir um papel determinante na estratégia de desenvolvimento e crescimento das empresas, sobretudo num mercado crescentemente global e exigente

Por um lado, são as invenções ou o design inovador que permitem a uma entidade empresarial sobressair no meio da multidão dos agentes económicos. Por outro, são os sinais distintivos – nomeadamente a marca – que permitem a diferenciação de produtos e de serviços. Qualquer que seja a perspetiva, resulta evidente que para as empresas tão importante é inovar quanto é, literalmente, marcar a diferença!

Contudo, não basta inovar. É fundamental proteger essa inovação, conservar essa diferença, sob pena de se perder o respectivo benefício económico. Inovação não protegida, isto é, invenções não patenteadas e marcas não registadas, significam destruição de valor. Se uma invenção não estiver patenteada ou uma marca não estiver registada, não há garantia de benefício ou retorno económico.

Só a protecção permite transformar a inovação num activo económico, concedendo um exclusivo, criando valor. Sem protecção, a inovação, será apenas um custo, um encargo, sem perspetiva de rentabilidade.

O País precisa de inovação, mas de inovação que seja devidamente protegida, valorizada, acrescentando valor à nossa economia e às nossas empresas.

As empresas portuguesas devem ser sensibilizadas para a enorme mais-valia que poderão obter se, utilizando os mecanismos existentes, apostarem numa política sistemática e enraizada de defesa das marcas e patentes.

O Estado deve ter um papel de dinamização de mais iniciativas que apoiem e incentivem, de forma coerente e não avulsa, o investimento na inovação. Ao Estado, regulador do sistema que confere direitos de PI, compete desenvolver um sistema que funcione, com regras claras e simples. Mas claramente não lhe compete – não pode competir – a prestação de aconselhamento técnico às empresas.

O sistema de Propriedade Industrial deve ser acessível, mas exigente, credível, equilibrado, que transmita confiança e segurança jurídica aos utilizadores.

A frenética simplificação de procedimentos traduziu-se em menor segurança e confiança jurídicas, pelo que importa encontrar o justo equilíbrio entre um sistema simples e acessível, mas que garanta a segurança e certeza jurídicas indispensáveis à credibilidade do sistema.

Importa que a legislação nacional de propriedade industrial esteja ao serviço das empresas portuguesas, nomeadamente das PME’s, sendo que a questão da PI não se limita à necessidade da sua proteção, sendo também essencial que existam mecanismos que garantam a sua valorização no mercado.

Se avançarmos com respeito por estes princípios, estaremos a construir um sistema que promove a sua utilização, tornando-se um aliado da economia nacional.

NOVA LEI

Por estes dias, o Governo estará a anunciar a conclusão do processo de revisão do Código da Propriedade Industrial.

O processo começou há uns meses, tendo o Governo constituído um Grupo de Trabalho, com a participação, entre outras, de entidades como o grupo Português da AIPPI, a ACPI, a Ordem dos Advogados, a CIP, a CCIP, a CentroMarca e a ASAE, que procurou melhorar o texto inicial. Importa, nesse ponto, louvar a decisão do Ministério da Justiça de aceitar constituir este Grupo de Trabalho.

A proposta final do Grupo de Trabalho, atentas as alterações introduzidas, seja em quantidade, seja em termos substantivos, permite falar-se não de uma revisão mas, antes, num novo Código da Propriedade industrial. E bem que precisávamos de uma nova Lei. A actual já data de 2003, com alterações introduzidas em 2008 que só serviram para desvirtuar e enfraquecer o sistema.

Esta nova Lei irá proceder à transposição para a ordem jurídica interna de duas directivas comunitárias, a saber a Directiva (EU) 2015/2436 que aproxima as legislações em matéria de marcas e a Directiva (EU) 2016/943, abreviadamente designada como Directiva dos segredos comerciais.

Uma primeira nota para a relevância da transposição da Directiva dos segredos comerciais, que permitirá a Portugal ter legislação adequada e actual sobre matéria que tem vindo a ganhar relevância económica. Já tardava legislação nesta área, o que passará, agora a ser uma realidade. No que se espera seja um Capítulo autónomo do novo Código, teremos conceitos, definições e sanções claras, com identificação do objecto de protecção, definição de actos lícitos e ilícitos, sendo dado um passo relevante no tratamento e punição destas matérias.

Quanto à transposição da Directivas das Marcas, reforçam-se conceitos, agilizam-se procedimentos, clarificam-se disposições. Mas, nestas matérias de protecção de marcas, devia a proposta ter sido mais arrojada, com uma visão de futuro, construindo um sistema que proteja quem o utiliza de forma leal. Faltou, de forma muito evidente, essa ambição neste processo de revisão.

Mas, onde a proposta mais desilude, ficado muito longe do que seria útil ao País e agentes económicos, é nos temas não abrangidos pelas Directivas europeias. Por exemplo, ao manter a figura do Logotipo, que, tal como ficará, só serve para confundir direitos e conceitos. Ou na área das patentes onde continua a predominar uma visão estritamente quantitativa, sem a devida salvaguarda da qualidade e rigor dos direitos que são pedidos. Ou ainda na manutenção de limitações dos Modelo de Utilidade na área farmacêutica, que tão relevante poderia ser para a indústria nacional.

Por outro lado, acompanhando as melhores práticas nas economias mais desenvolvidas, a Lei devia ir mais longe na proteção do agente económico, contemplando uma maior qualificação nas entidades intervenientes, num modelo que proteja quem, investindo na protecção, seja devidamente aconselhado e acompanhado.

Empresas sensibilizadas, um sistema eficiente e aconselhamento profissional especializado devem ser os pilares de uma política de Propriedade Industrial para Portugal. A nova Lei, representando um passo positivo no sentido de um melhor Sistema de PI é, contudo, um passo curto, pouco ambicioso e sem grande rasgo ou ambição. Sinceramente, esperava-se mais.

  • Colunista convidado. Advogado e presidente do Grupo Português da Associação Internacional para a Proteção da Propriedade Intelectual

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Propriedade Intelectual, Inovação e o Novo Código

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião