Quando a Justiça se senta no banco dos réus

A Justiça é o último reduto quando tudo o resto falha. As imperfeições da democracia têm ali, muitas vezes, a correcção possível. Se ela nos falha pode falhar-nos tudo. E ela falha-nos.

Neste sábado a “bolha” das redes sociais entreteve-se a discutir se o Expresso devia ter ou não feito manchete com uma declaração da directora-geral da Saúde em entrevista ao jornal: “Graça Freitas admite 1 milhão de infectados em Portugal”. Sim, é uma discussão interessante. Mas prefiro destacar a honestidade e transparência de Graça Freitas, colocando em cima da mesa cenários extremos num país onde a regra é a relativização, a desvalorização e o relaxe. E isso, como sabemos, volta e meia acaba muito mal.
O que é preocupante é que mesmo ao lado dessa manchete o Expresso tinha outro título que, aparentemente, não fez ninguém pestanejar: “Presidente da Relação viciou escolha do juiz no caso Rangel”. Neste caso já não estamos perante cenários que podem ser trágicos. O que se vai passando na Justiça é real, está a acontecer. E não é bonito de se ver.
O Público deste domingo volta ao tema com detalhes: o anterior presidente do Tribunal da Relação de Lisboa combinou com o actual que seria este a ajuizar o recurso de um processo que o também juiz Rui Rangel tinha perdido na primeira instância. Tudo a pedido do interessado e, claro, feito à margem das regras para a distribuição de processos por juízes. E, surpresa, não é que o Tribunal da Relação veio a dar razão ao queixoso, invertendo a decisão anterior? E, nova surpresa, não é que um novo recurso para o Supremo Tribunal de Justiça veio a confirmar a primeira sentença, para desgosto de Rui Rangel e atirando para o lixo o “cozinhado” que preparou com os dois colegas juízes da Relação?
É evidente que aqui, como em qualquer área, não é uma andorinha que faz a Primavera. Nem duas ou três. Nem quatro, vá lá, se recordarmos que a juíza Fátima Galante é também arguida na Operação Lex, que está na origem disto tudo. Em todo o lado há gente séria e gente pouco recomendável e os juízes não são uma casta especial.
Mas há outros sinais que denotam uma doença profunda do sistema. Nos últimos dias ficámos a saber que um dos processos contra Vale e Azevedo prescreveu por terem passado 20 anos sobre os factos que deviam ter ido a julgamento – em causa estava o desvio de 1,2 milhões de euros do Benfica para os bolsos do então presidente – e que a decisão judicial que decidiu a demolição do Prédio Coutinho em Viana do Castelo acaba de ser anulada por um tribunal superior 15 anos depois.
Estes são os casos mediáticos. Por eles podemos suspeitar o que se passará em centenas, milhares de outros processos que deixam vidas em suspenso durante décadas ou permitem a impunidade de criminosos.
E podemos também falar da falta de preparação moral e de valores que alguns juízes demonstram em sentenças machistas que violam os mais básicos direitos de vítimas que tiveram o segundo infortúnio de ir parar às mãos daqueles magistrados.
Um sistema que perpetua uma abissal diferença de tratamentos entre ricos e pobres, que não consegue tomar decisões em tempo útil para cumprir a sua função mais básica, que maltrata vítimas com frequência, onde aparecem focos de corrupção a vários níveis ou onde a percepção de independência e coragem na investigação criminal de poderosos anda ao sabor de quem ocupa os cargos é um sistema doente.
De todas as grandes áreas sectoriais a Justiça é aquela onde a democracia mais falhou. Nada na Educação, Saúde, Segurança, Defesa ou áreas sociais se lhe compara, apesar das visíveis dificuldades numa ou noutra área.
E logo a Justiça. Ela que é olhada como o último reduto quando tudo o resto falha. As imperfeições da democracia têm ali, muitas vezes, a correcção possível. É na Justiça que os cidadãos devem confiar para o equilíbrio de relações que, à partida, são desequilibradas e injustas. É para ela que todos olham para travar abusos dos poderes. É nela que queremos confiar para lutar contra a corrupção ou a fraude, a violência ou os ataques à propriedade os abusos da liberdade de imprensa ou dos eleitos.
Se ela nos falha pode falhar-nos quase tudo. Não sabemos se todos os protagonistas da Justiça terão a noção do que se está a passar e da gravidade das consequências.
Pelo menos a Associação Sindical dos Juízes já terá percebido, o que já não é pouco num sector onde o corporativismo reina, como em tantos outros. Vamos ver os estes alertas vindos de dentro são eficazes.
E as restantes partes interessadas? O Conselho Superior da Magistratura? O Supremo Tribunal de Justiça? O Presidente da República e o Governo? Os advogados?
Não se vê ninguém particularmente preocupado com o que se passa. Nem para os habituais “é preciso uma profunda investigação, doa a quem doer, custe o que custar” que, como os vestidos pretos, ficam sempre bem e nunca comprometem.
Os rituais do sector sucedem-se da mesma forma, com as mesmas vestes, com os mesmos formalismos, com o mesmo respeitinho, com os mesmos salamaleques, com os mesmos e repetitivos discursos e apelos. As aberturas oficiais dos anos judiciais são, aliás, um bom retrato do imobilismo e clausura a que o sector se remeteu, alheio ao mundo que o rodeia.
Fazem-se ou simulam-se “pactos para a Justiça”.
Mas há uma parte da Justiça que teima em perpetuar os tiques do tempo da outra senhora. E não há democracia saudável que possa resistir a uma coisa destas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quando a Justiça se senta no banco dos réus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião