Quantos monos há no Largo do Rato?

Este artigo passa-se todo no Largo do Rato, em Lisboa. Começa no “Mono do Rato”, atravessa a estrada até à sede do PS e termina na PGR onde há uma Procuradora competente à espera de ser reconduzida.

A aprovação do projeto para a construção do “Mono do Rato” viola 11 artigos do Plano Diretor Municipal de Lisboa (PDM), vários do Regime Jurídico da Urbanização e Edificação, da Lei de Bases do Património Cultural e até da própria Constituição. Este é o entendimento do Ministério Público sobre o controverso edifício projetado para o Largo do Rato.

Para quem não saiba, o “Mono do Rato” é um mono. É um edifício projetado para uma das esquinas do Largo do Rato, com um projeto de arquitetura aprovado em 2005 e, tal como o nome pelo qual ficou conhecido indica, é desproporcional, de conveniência duvidosa e um atentado à estética. Gostos não se discutem, lamentam-se.

Podíamos escolher mil argumentos contra o “Mono do Rato”, ou um dos 11 apontados pelo Ministério Público, mas atenho-me num único. Se a obra avançar tal como está projetada, vai enclausurar completamente a sinagoga de Lisboa que não tem fachadas para a via pública. E porque é que não tem? Porque no início do século XX, os locais de culto não católicos em Portugal não podiam ter portas abertas diretamente para a rua. Deixar aberta uma fachada para a sinagoga (mesmo que afastada da rua) seria uma forma de corrigir uma aberração histórica. Indemnizem os proprietários e construam antes um jardim público, como se chegou a pensar no tempo de Jorge Sampaio.

Este artigo vai continuar no Largo do Rato, mas é preciso atravessar a estrada até à sede do PS.

A propósito do “Mono do Rato”, conta-nos o Observador que o chefe de gabinete de Mário Centeno fez um ataque ao Ministério Público na sua página de Facebook. André Caldas acha que o Ministério Público terá extravasado os seus poderes, ao fazer considerações de ordem estética sobre o “Mono do Rato”. E desabafa: “O Ministério Público tem mostrado com regularidade não compreender bem os limites à sua atuação. Atenção, que quando assim é, a democracia é quem sofre”.

O socialista, antigo presidente da junta de freguesia de Alvalade, tem o direito de censurar o Ministério Público, até porque, como diz o próprio, “temos de nos sentir confortáveis para criticar todos os poderes”. O curioso, como lembrava o Observador, é que os comentários de André Caldas surgem “num contexto em que os socialistas têm criticado as ações do Ministério Público e têm revelado relutância em assumir a recondução da atual Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal”.

Agora sim, atravessamos outra vez o Largo do Rato, e vamos até à sede da Procuradoria-Geral da República, ao lado da rua do “Mono do Rato”. No nº 140 da Rua da Escola Politécnica está uma Procuradora, talvez a mais competente que este país já teve, à espera da decisão do Governo sobre a sua recondução, ou não, no cargo.

Nesta altura, a vista da Rua da Escola Politécnica para o feioso “Mono do Rato” será a menor das preocupações de Joana Marques Vidal cujo mandato termina em outubro. A recondução, tal como dizia Marques Mendes esta semana na SIC, seria a solução “óbvia e natural” para uma Procuradora que resgatou a Justiça de um labirinto de ligações duvidosas e perigosas com a política.

Alguns socialistas não gostam de Marques Vidal por causa do caso José Sócrates e da Operação Marquês. Outros não gostam por causa dos casos Armando Vara ou de Maria de Lurdes Rodrigues. Outros ainda pediram “uma vassourada no Ministério Público” quando a PGR constituiu arguidos três secretários de Estado do Governo PS por causa das viagens da Galp. Há quem não goste porque o inquérito criminal às PPP, que envolve ex-governantes de governos de Sócrates, está em fase de conclusão e já se sabe que haverá arguidos. Outros embirram com a Procuradora por causa da operação Tutti Frutti que investiga várias adjudicações de obras por parte de autarquias controladas pelo PSD e PS. Há depois aqueles que não gostaram da investigação aos CMEC e muito menos gostaram das investigações a Manuel Pinho e ao dinheiro que terá recebido do saco azul do Grupo Espírito Santo. Mas isto na política e na Justiça é como na arquitetura, gostos não se discutem, lamentam-se.

Foi em janeiro, num programa da TSF, e de forma algo extemporânea, que a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, abriu a porta de saída a Joana Marques Vidal ao dizer que “a Constituição prevê um mandato longo e único” na PGR. Uma interpretação criativa da Constituição e com que a generalidade (senão todos) dos constitucionalistas discorda. Cabe agora ao Governo propor um nome para a PGR e Marcelo Rebelo de Sousa nomear. Pelo que já fez para combater o fenómeno da corrupção em Portugal, a candidata mais forte é Joana Marques Vidal.

No Largo do Rato podem conviver religião, justiça e política sem se hostilizarem, numa lógica de boa vizinhança, mas também sem promiscuidades. Houve um tempo, com outros procuradores e outros políticos, em que bastava atravessar uma passadeira para passar do nº 2 do Largo do Rato e chegar ao nº 140 da Rua da Escola Politécnica. Hoje é quase impossível. Não por causa de algum problema urbanístico, mas por causa de Joana Marques Vidal.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quantos monos há no Largo do Rato?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião