Quer ter uma PME mais digital com profissionais mais felizes? Saiba como!

Neste Aviso de Qualificação das PME foi ainda introduzida uma novidade relacionada com a promoção do equilíbrio entre a vida profissional, pessoal e familiar.

De acordo com o último “Ponto de Situação dos Sistemas de Incentivos às Empresas do Portugal 2020”, relativo a março de 2019 (disponível aqui), as Micro, Pequenas e Médias Empresas (PME) absorveram cerca de 80% do incentivo aprovado e o Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME foi responsável por cerca de 20% do incentivo total concedido às empresas.

É neste contexto que surge o Aviso 06/SI/2019 – Qualificação das PME, publicado recentemente, que visa apoiar ações de qualificação em domínios imateriais com o objetivo de promover a competitividade, flexibilidade e capacidade de resposta no mercado global das PME. São suscetíveis de apoio os projetos que concorram nos seguintes domínios: inovação organizacional e gestão; economia digital e tecnologias de informação e comunicação; criação de marcas e design; desenvolvimento e engenharia de produtos, serviços e processos; proteção de propriedade industrial, qualidade, transferência de conhecimento; distribuição e logística; eco-inovação.

Para serem elegíveis, os projetos devem demonstrar o seu contributo para a concretização dos objetivos e prioridades do Programa Indústria 4.0, que visa promover a transformação digital das empresas e a disrupção dos modelos de negócios, produtos e processos produtivos, incluindo a introdução de soluções digitais que respondam à crescente necessidade de personalização dos produtos e serviços. Valoriza-se também a contratação de novos recursos humanos qualificados (nível igual ou superior a 6), com competências específicas na área de inovação.

Neste Aviso foi ainda introduzida uma novidade relacionada com a promoção do equilíbrio entre a vida profissional, pessoal e familiar, nomeadamente através do apoio à implementação de sistemas de gestão da conciliação e obtenção da certificação acreditada ao abrigo da norma portuguesa NP 4552:2016 (Sistema de Gestão da Conciliação entre a vida profissional, familiar e pessoal). Esta medida visa contribuir para a diminuição do absentismo, aumento da produtividade, retenção de talento e sustentabilidade demográfica.

Neste âmbito, são elegíveis despesas com a realização de um diagnóstico inicial da organização, incluindo a definição de objetivos, metas e indicadores para a conciliação, a elaboração de uma Política de Conciliação e respetiva capacitação interna, a definição de um plano de ação, incluindo ações de comunicação internas e externas, a realização de auditorias e, por fim, a obtenção da respetiva certificação.

Em suma, todas PME nacionais, que visem a produção de bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis que criem valor económico relevante, podem beneficiar deste apoio. É importante referir que o incentivo a conceder, a fundo perdido, corresponde a uma taxa de 45% sobre as despesas consideradas elegíveis, à exceção do Programa Operacional Regional de Lisboa, que concede uma taxa máxima de 40%.

O período para apresentação de candidaturas a este Aviso termina já no próximo dia 31 de maio. Por isso, não perca a oportunidade de promover uma maior competitividade da sua empresa e ao mesmo tempo contribuir para a felicidade dos seus profissionais!

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer ter uma PME mais digital com profissionais mais felizes? Saiba como!

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião