Ramalho Eanes cumpriu com Portugal

O tempo foi generoso com Eanes, trouxe-lhe a humanidade que sem abraços, nem selfies, nem números circenses, o aproximou e consolidou no coração dos portugueses.

Qualquer pessoa fria, profundamente racional e pouco emocional, só pode reconhecer, para lá do notável serviço público, o tocante que foi um homem de 85 anos na RTP a dizer que, se necessário, devem ser os mais velhos como ele a dar um ventilador a quem tem filhos para cuidar. Bastava este momento lapidar e genuíno para se conhecer um homem e enobrecer o quão gigante é o seu carácter.

Ramalho Eanes é uma personalidade que aprendi a respeitar e considerar. Nunca tive em miúdo e adolescente grande simpatia por ele, confesso. Parecia um homem distante, reservado. O primeiro artigo de opinião que escrevi no jornal da universidade Católica foi sobre ele e sobre o que se falava na altura de um eventual seu regresso à política, lá pelos inícios dos anos 90 do século passado.

Eanes teve conhecimento do que escrevi, não sei como, e numa conferência na Faculdade de Direito falou comigo. Simpático, educado e dizendo que não iria regressar à política numa justificação que um estudante de 21 anos não precisava de receber dele. Mas, efectivamente, não voltou, confirmando-se o que me disse. Com o passar do tempo cresceu a minha admiração por quem soube zelar pelo seu papel de ex-Presidente da República, mantendo-se discreto, só intervindo com o seu rigor intelectual quando o País o precisava de escutar, como aconteceu esta semana.

Mas não esteve sempre nos píncaros da simpatia dos portugueses e houve um tempo em que a História ditará que errou. Quando decidiu saltar de Belém para a política com a fundação do PRD. Por dois motivos: primeiro, porque Eanes era, e é, acima de tudo, um homem de Estado, um patriota e não tinha nos seus genes essa arte nobilíssima da política; depois, porque com todos os defeitos que eram muitos, Mário Soares era um político de excepção com um carisma especial nesta arena e aqui perdeu muito Portugal por os dois nunca terem morrido de amores um pelo outro. E em entrevista ao Expresso em 2007 o general reconheceu com humildade: «logo que passei a exercer actividade partidária, vi que não tinha nem predisposição nem condições – ou, se quiser, qualidades – para dirigir um partido».

Na imagética nacional Ramalho Eanes persiste como um ícone em cima do carro, de mãos à cintura, duro, de óculos, austero, lá pela campanha presidencial de 1975, a primeira vez que abandona as vestes militares. O tempo foi generoso com ele, trouxe-lhe a humanidade que sem abraços, nem selfies, nem números circenses, o aproximou e consolidou no coração dos portugueses. E essa humanidade sempre lá esteve, mas não a reconheciam porque a sua “persona” pública foi criada com o “slogan” que o levou a Belém: «Eanes cumpre», rígido, severo, granítico, pouco emocional e que sorria pouco.

A coerência é um valor raro na política. Olhem para Ramalho Eanes para perceberem o que é um percurso exemplar de cidadania após se ter afastado do poder. E os políticos, agora, que aprendam com ele. É uma imaculada referência ética que, sem floreados, se tornou um sábio que dá gosto ouvir naquelas palavras curtas, simples, eficazes por todos as compreenderem. E mostrou, como a Fátima Campos Ferreira revelou, que «nos tempos incertos, vai-se ao local», enquanto outros fugiram para casa com medo do vírus. É essa a diferença entre líderes e brincalhões, entre figuras e figurantes.

Um dia disse: «A Pátria não é a entidade pela qual valerá a pena morrer, mas pela qual vale a pena viver – pelos filhos, pelos netos, nossos e dos outros». Um homem probo, decente, despojado de vaidade, do melhor que serviu Portugal. Que um dia, daqui a muitos anos, como seu epitáfio alguém escreva: Ramalho Eanes cumpriu.

Nota: Por opção própria, o autor não escreve segundo o novo acordo ortográfico

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ramalho Eanes cumpriu com Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião