Senhas & guichetspremium

O Governo brilha como um meteoro que atravessa o céu do Conselho de Ministros. Deslumbrado pela própria luz, confortável com a maioria absoluta, o Executivo está cego à desilusão dos portugueses.

A rápida circulação das grávidas à procura de uma Urgência pode ser o retrato do País. Uma mulher grávida são dois cidadãos em movimento, uma promessa de renovação e uma esperança para Portugal. Mas as grávidas em Portugal são uma raridade na paisagem urbana e um yeti no interior deserto. Estranho é que o Governo não reconheça na mulher grávida o capital social que lhe é devido pela moral e pelo direito. Pois tenham paciência, pois faltam médicos, pois não há condições de segurança e higiene no trabalho. Este Governo consegue contribuir para o Inverno Demográfico na plenitude do Verão. A urgência de mulheres grávidas sem a assistência constitucionalmente garantida tem a gravidade de uma situação antiga. O Governo sabe da escassez de quadros, a ministra da Saúde até consegue prever quando

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos