Sexo, Drogas e Rock’n Roll

Rio fez o favor de pedir a demissão do ministro com mais vontade de sair, o governo quer proibir a publicidade a casinos online antes das 22h30 e o partido antissistema vira-se contra ciganos e negros

Sexo

Mesmo correndo o risco de ter a sua fotografia em todas as enciclopédias ao lado da expressão “marinheiro de águas doces”, Mário Centeno procura qualquer desculpa possível para justificar a saída. Para o conseguir já fez a segunda coisa que os socialistas mais detestam: serem apanhados numa mentira.

Se isto não resultar, pode ser que suba a parada e faça no orçamento rectificativo a primeira coisa que um socialista mais detesta: baixar um imposto qualquer. Com a sua habitual habilidade política, António Costa conseguiu dar a volta e transformou o declarado vencedor das próximas eleições presidenciais no candidato do PS, mesmo sendo ele fundador e ex-líder do PSD.

Em jeito de “vingança”, Rui Rio fez o favor de pedir a demissão do ministro com mais vontade de sair da história da democracia portuguesa. Nesse dia à noite, dois casais foram a um clube de swing. Assim que entraram, um dos elementos sentou-se no sofá enquanto os outros 3 se foram divertir. Enquanto emborcava shots de leitinho morno, ia perguntando aos outros 3 se já tinha chegado a vez dele. Do outro lado, vozes ofegantes respondiam sempre “Ainda não”. A vez dele nunca chegou. No final pagou a conta dos quatro e saiu sorridente. À saída, o porteiro astuto perguntou “O senhor é dirigente do PSD?”, “Sou sim, como é que adivinhou?”.

Drogas

O governo quer proibir as televisões de terem publicidade a casinos online antes das 22.30. Como sabemos, se a vasta legião de adolescentes que assistem ao programa da Cristina, ao Preço Certo ou à telenovela da noite não tiverem acesso a publicidade de casinos online na televisão, nunca terão acesso em mais lado nenhum.

Usando a mesma lógica e capacidade de atingir o alvo proposto, sugiro desde já a proibição de anúncios a chamadas de valor acrescentado nas ruas da Ribeira e do Bairro Alto. Temos que evitar que um idoso seja apanhado desprevenido enquanto fuma umas brocas com os amigos às 3 da manhã, acabando com uma conta telefónica mais alta do que a sua reforma.

Rock’n Roll

Vamos tentar definir sistema. O “sistema” é a teia de interesses em torno do estado, partidos políticos, justiça, sistema financeiro, órgãos de comunicação social e clubes de futebol que age em conjunto para extrair recursos de todos aqueles que não fazem parte dessa teia em favor de uma pequena elite que a domina.

Perante uma conjugação de interesses tão poderosos, contra quem se vira o autodenominado partido antissistema? Contra os ciganos e os negros que, como sabemos, ocupam todos os lugares de topo na sociedade portuguesa, dominando os meandros do “sistema”. O Lelo Espírito Santo e a Joacine Seixas da Costa que se cuidem: o partido antissistema está aqui para os combater.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sexo, Drogas e Rock’n Roll

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião