Somos todos vítimas da família socialista

Se em cada caso mediático escrutinado pela imprensa se encontra uma relação familiar, não é difícil imaginar os milhares de casos de relações familiares pelo país fora longe do escrutínio mediático.

Por estes dias ficamos a saber que a empresa que forneceu as golas inflamáveis ao programa Aldeia Segura é do marido de uma autarca do PS. Num caso mediático anterior ficamos a saber que a VianaPolis, empresa que hoje só existe para demolir o prédio Coutinho, tem como administrador um irmão do secretário de Estado das Infraestruturas. A cada caso mediático surge uma relação familiar dentro do PS, uma pessoa que foi escolhida pela sua ligação a alguém do PS ou um contrato adjudicado a um familiar de um responsável do PS. Se em cada caso mediático escrutinado pela imprensa se encontra uma relação familiar, não é difícil imaginar os milhares de casos de relações familiares pelo país fora longe do escrutínio mediático.

Pode haver a tentação de olhar para esta teia de interesses e ver nela um crime sem vítimas. Possivelmente até haverá a tentação de os atacar mais por inveja, pela vontade de também pertencer a esse grupo fechado que controla o estado, as suas nomeações e os seus negócios, do que pela vontade de acabar com essa teia. Mas, ao contrário do que se possa pensar, este é um crime com muitas vítimas.

As primeiras vítimas são os contribuintes. Por cada negócio atribuído por favor há uma despesa adicional do Estado em resultado de o processo de compra não ter sido concorrencial. Essa despesa será paga pelos contribuintes sob a forma de impostos mais altos ou impostos que poderiam ser cortados e não são.

As segundas vítimas são os utentes dos serviços públicos, como as pessoas abrangidas pelo programa Aldeia Segura, aos quais são fornecidos serviços de menor qualidade. O caso das golas foi descoberto a tempo, mas não seria muito difícil de imaginar a tragédia se algumas daquelas pessoas tivessem usado o material inflamável numa situação de incêndio. Se casos destes se repetem em hospitais e escolas não é muito difícil antecipar as consequências no funcionamento diário dos serviços do Estado.

As terceiras vítimas são as pessoas competentes afastadas de oportunidades por não terem relações certas. Imaginem uma empresa que investe no melhor produto, nas tecnologias que lhe permitem produzi-lo ao menor preço e contrata as pessoas mais capazes para gerir essa produção. Imaginem que essa empresa perde contratos apenas por não ter acesso a pessoas dentro de um partido político. Ao fim de algum tempo, a melhor empresa desaparece, os seus quadros emigram e o seu equipamento entregue ao desbarato às empresas pior geridas mas com os contactos certos. As pessoas competentes punidas por também serem honestas deixar de acrescentar valor ao país, trazer mais investimento e criar empregos.

A quarta vítima são todos os outros que beneficiariam de ter pessoas competentes e empresas bem geridas à sua volta. Somos todos nós que beneficiaríamos do dinamismo económico que impostos mais baixos trariam, dos salários mais altos e das oportunidades de negócio.

Nós somos todos vítimas da teia familiar do Partido Socialista. Sendo todos vítimas, estando todos a sofrer na pele as consequências deste horrível estado de coisas, é incompreensível como o PS consegue estar perto da maioria absoluta em todas as sondagens. É ainda mais incompreensível como, caso o PS não consiga esta maioria absoluta, não faltam já candidatos a permitir-lhes que governem mais 4 anos, desde o PSD ao PCP, passando pelo BE e pelo PAN. Sendo todos vítimas, o chocante é que, ainda assim, existam tantos disponíveis para serem cúmplices.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Somos todos vítimas da família socialista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião