Sou estudante Universitário. Devo tentar criar uma startup?

Este pode ser um caminho para aqueles que pretendem que os melhores tempos da vida se prolonguem para além dos 5 anos da Universidade!

Não sei se esta é uma preocupação da maioria dos estudantes universitários acabados de começar mais um ano letivo. Mas para aqueles que se colocam esta pergunta a minha resposta é um sim muito claro, e passo a enumerar porquê:

  1. Existência de professores disponíveis para apoiar projetos – não conheço caso de professor universitário que se tenha negado a responder a questões colocadas pelos seus alunos. Claro que os alunos costumam perguntar apenas sobre dúvidas relacionadas com as cadeiras em causa, mas não vejo quaisquer motivos para que os alunos não recorram aos seus professores para lhes colocar outro tipo de questões, nomeadamente relacionadas com dificuldades na criação de uma startup.
  2. Ausência de “Âncoras” – entenda-se por âncoras tudo aquilo que de alguma forma pode condicionar a nossa disponibilidade para nos dedicarmos a 100% a um projeto. Regra geral, os estudantes universitários não são casados, não têm filhos e não assumiram ainda encargos, como compra de casa ou de carro.
  3. Criatividade – criar uma startup significa que se está a construir um modelo de negócio novo, no qual, muitas vezes, ainda não se conhece o produto, o cliente ou a forma como se vai vender. Percorrer tal caminho obriga necessariamente a que se seja criativo para que se vá conseguindo resolver todas as questões para as quais não existe alguém que possa responder e esclarecer inequivocamente.
  4. Resistência – fazer diretas, ou dormir muito pouco por noite, durante largos períodos de tempo, não é a mesma coisa aos 20 ou aos 30 ou aos 40 anos.
  5. Criar o trabalho de sonho – muitas empresas têm hoje dificuldade em reter os seus recursos mais valiosos porque o dinheiro já não é resposta suficiente para todas as suas necessidades. Para além de um ordenado que os deixe confortáveis com o seu estilo de vida, as pessoas procuram também fazer parte de algo que tenha significado, ter um trabalho interessante e desafiante e que ainda lhes possibilite ter tempo para a família e o lazer. Em vez de se ir à procura deste trabalho por conta de outrem, por que não começar a construi-lo logo na Universidade?

É verdade que os estudantes universitários não terão apenas vantagens para a criação de startups. Faltar-lhes-ão fatores importantes como:

  • Experiência de vida, relevante para lidar com todas as dificuldades que vão com certeza aparecer.
  • Experiência de trabalho prévia, o que lhes tornará mais difícil perceber todas as variáveis envolvidas no desenvolvimento de um negócio.
  • Recursos financeiros, sendo que para criar um novo negócio é necessário investimento, seja dinheiro próprio ou de outros (costuma-se dizer que os primeiros investimentos são suportados pela família, pelos amigos e pelos “loucos”).
  • Contactos, sendo que uma boa rede de contactos pode fazer toda a diferença no sucesso ou insucesso de uma startup.
  • Experiência de gestão, sobretudo para os que não forem dessa área do conhecimento. O propósito das incubadoras é, aliás, ajudar os empreendedores a lidar com as dificuldades atrás elencadas.

A aprendizagem dos estudantes durante o processo de tentativa de criação de uma startup e o aproveitamento máximo de todos os recursos que a Universidade tem para oferecer, sobretudo o conhecimento dos professores, por si só justificam o colocar da pergunta. Mesmo sabendo que, no melhor dos cenários, apenas 10% dos que tentaram criar uma startup terão sucesso!

Mesmo para aqueles que não foram ainda apanhados pela onda do empreendedorismo e que pretendem concluir o seu curso universitário como forma de valorização pessoal e de aumento da probabilidade de conseguir um trabalho que os satisfaça e suporte o estilo de vida com que sempre sonharam, inscreverem no seu CV que criaram uma startup enquanto estudantes universitários não vai, certamente, prejudicá-los, muito antes pelo contrário.

Mas porquê dedicar menos tempo aos amigos e às saídas (quando os tempos da Universidade são os melhores da vida) para acumular o curso com a criação de uma startup? A resposta é simples: este pode ser um caminho para aqueles que pretendem que os melhores tempos da vida se prolonguem para além dos 5 anos da Universidade!

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sou estudante Universitário. Devo tentar criar uma startup?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião