“The New Order” e a consciência digital de sobrevivência

Chamaram-lhe “The New Order” e traduz-se numa campanha criativa que leva os Selfridges a colocarem nas montras produtos digitais, que podem ser comprados diretamente a partir… das próprias montras.

Os “seriéfilos” dirão logo que não é nova. Mas ainda que não seja nova, a série britânica Mr. Selfridge – que conta a vida do empresário Harry Gordon Selfridge e a criação dos famosos armazéns Selfridges em Londres, no início do século XX – é incontornável para os apaixonados pelo tema da construção e gestão de marcas. Tal como Mad Men o é para a comunidade criativa.

Talvez um pouco romanceada, não são todas?! Mas está lá tudo: as ideias ousadas e visionárias de um empresário humano, o marketing feroz, as ativações mediáticas e a criatividade do visual merchandising; tudo o que a partir de 1909 transformou o department store, que os ingleses condenavam ao fracasso, na morada mais importante da Oxford Street. Alguém perguntava se na era do e-commerce ainda podemos aprender alguma coisa com o retalho do passado? Diríamos que sim. Acima de tudo, quando o passado é uma montra do futuro.

Spoilers à parte, é a Harry que devemos conceitos ainda atuais no retalho – da secção de perfumaria logo à entrada da loja (que idealizou para criar um ambiente diferente daquele que se vivia numa Oxford Street do século XX enlameada e atravessada por cavalos), aos eventos com o endosso de celebridades, ao sentido de lugar de escapismo, até às famosas montras – contratou publicitários para o trabalho criativo, iluminou-as à noite e os produtos eram exibidos como se estivessem numa galeria de arte. Bold. Old. And Cool.

Casos como os Selfridges provam que retail is like punk, is not dead. Depois de anos de alguma estagnação e pouca inovação, a estratégia da marca assumiu-se como uma das mais criativas no mercado da moda londrina. Desde a aposta em espaços próprios para novos designers, a instalações que juntam moda à arte e até a Technicolour Odyssey’s como a que a Pat McGrath teve recentemente na loja e nas montras dos armazéns – que voltaram a ser faladas tal como no século passado. O que nos traz até à nova campanha AW19. Quando nos dizem que é preciso uma consciência digital para se sobreviver.

Chamaram-lhe “The New Order” e traduz-se numa campanha criativa que leva os Selfridges a colocarem nas suas montras (por onde passam cerca de 130 mil pessoas diariamente) produtos digitais, que, pela primeira vez, podem ser comprados diretamente a partir… das próprias montras. As peças da nova estação, que até aqui eram vestidas por manequins estáticos, foram digitalizados em 3D e renderizados digitalmente, surgem em ecrãs e os consumidores podem comprá-las através de uma simples leitura de códigos QR. “The New Order is all about digital art and technology enabling the future of fashion”.

Foram quatro meses de trabalho até à revelação ao público. Poucos se podem dar a estes luxos nos dias de hoje. Na criação dos virtual displays, a equipa de design trabalhou com as Digi-Gals, um coletivo criativo feminino especializado em 3D, e com a motion graphic designer Christina Worner. Arte digital com que querem contribuir para o crescimento daquilo a que chamam uma “New Aesthetic, which is the visual language of digital technology and a reflection of our information-saturated age”.

Voltamos à consciência digital. Hoje as montras já não podem ser vistas apenas como ferramenta para promover coleções. Os consumidores querem e esperam mais dos retalhistas. E a digitalização permite novas formas de engage entre consumidores e marcas. Instagramável. Partilhável. E com capacidade de transportar as pessoas para novos mundos, “otherwise there’s no point”. Se quisermos é como um um desfile de moda:

Fashion shows are for transporting people, otherwise there’s no point” – Demna Gvasalia, diretor artístico da Balenciaga e da Vetements.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“The New Order” e a consciência digital de sobrevivência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião