Tony Carreira, Trump e o mundo bizarro

A Justiça, que tantas oportunidades tem perdido para acusar os poderosos, tantos processos arquivados, mostra uma disposição activa para a ribalta ao atacar um dos cantores mais populares do País.

Estamos a uma semana das autárquicas, mas estranhamente, ou não, os principais temas da semana foram as questões dos alegados plágios de Tony Carreira e o discurso incrivelmente sofrível e belicoso de Donald Trump nas Nações Unidas. Confesso que, para lá dos assuntos do Orçamento do Estado que deixo para quem sabe pois não escrevo sobre o que não domino, ambos os assuntos revelam a pobreza franciscana do estado actual do que mexe com o interesse das pessoas.

Há uns tempos escrevi aqui no ECO que ser racional tem de estar sempre na moda. No mundo bizarro em que vivemos, o turbilhão de maus sentimentos misturado com gente sem substância é um perigoso cocktail que não deixa tranquila uma pessoa de bem. Escrevia que estamos num mundo próximo do manicómio e os homens que o comandam, as pessoas que condicionam as percepções da maioria, têm pouco de genial e muito de desequilibrado (para ser brando).

Donald Trump mostrou a sua impreparação perante uma assembleia que, atónita, o ouviu nos seus dislates bélicos e apocalípticos. Nunca nenhum presidente americano tinha ido tão longe. Sabemos que na Coreia do Norte está um indivíduo do mesmo quilate, alguém com o poder nas mãos, usando-o como se fosse uma brincadeira de crianças, mas o discurso dualista do bem e do mal, a ameaça de destruição e a visão global marcada pela violência e guerra é uma corrente vital negativa, sem esperança e um sinal de isolacionismo que agitará o nosso planeta.

Bizarro também é que no meio de tanta coisa para investigar, tanta corrupção latente, casos de indivíduos a quem são perdoados 600 milhões de dívida, o Ministério Público tenha perdido tempo e dinheiro a formular uma acusação de plágio a Tony Carreira. De facto parece que não há nada de mais grave, o ridículo mata. A Justiça que tantas oportunidades tem perdido para acusar os poderosos, tantos processos arquivados, e mostra agora uma disposição activa para a ribalta ao atacar um dos cantores mais populares do País.

Não sou fã de Tony Carreira, nunca lhe comprei um disco ou assisti a concertos, não é a minha onda. Respeito 30 anos de carreira e, acima de tudo, os muitos milhares de portugueses que gostam dele e o tornam um artista especial. Valorizo muito quem trabalha, em qualquer área que seja, e quem corre atrás de um sonho e o realiza. Durante esta semana vimos um excelente trabalho de comunicação na sua defesa, com entrevista de “prime-time” na TVI, capa da principal revista social, a Caras, e declarações certeiras e humildes que reconheceram o momento complicado. Não perdeu a simpatia de ninguém, com a excepção das hienas que diariamente usam as redes sociais para atirar os seus maus fígados contra quem quer que seja que se mexa. É mais um sinal da bizarria em que estamos atolados.

«Não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã preocupar-se-á consigo mesmo. A cada dia basta o seu mal», assim reza no Evangelho segundo São Mateus. O problema é que a espuma se tem imposto ao que verdadeiramente deve interessar. Perversamente, temas capitais são atirados para debaixo do tapete e as sociedades vivem sem conhecerem bem o seu estado e os seus fundamentos. Os alicerces estão podres mas obnubilados em luzes de néon dos temas de palha. O bizarro está a vencer, mas parece que ninguém se interessa ou não quer ver.

Nota: autor não escreve de acordo com o novo acordo ortográfico.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tony Carreira, Trump e o mundo bizarro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião