Trump é mais estratégico que as suas palavras

O que Trump fez foi erigir um primeiro paredão no projeto de poder iraniano para o Médio Oriente, mas regenerou um regime que estava sob grande pressão interna.

Kahmenei foi hábil e encontrou o equilíbrio entre a necessidade de vingança e uma resposta que não implicasse uma guerra total. Ficou-se por um ataque simbólico. Já Trump restabeleceu o equilíbrio no Médio-Oriente em termos de força, mesmo se as palavras são desastradas e as ameaças incompreensíveis: fizeram um favor ao regime mais medieval, retrógrado e anacrónico do planeta.

  1. O Mundo está na iminência de uma guerra no Médio Oriente? Claramente negativo. O Irão nunca atacará diretamente os Estados Unidos. Está cercado por bases, não tem poder nuclear – nem nunca o terá, porque Israel e Washington jamais o permitirão – e seria um suicídio desafiar a supremacia tecnológica ocidental. A habilidade de Kahmenei foi vingar sem exasperar, num delicado jogo de equilíbrios, onde o próximo sacrificado poderá ser Israel, através de um ataque do Hezbollah. Daqui por uns meses, talvez mais um ataque a uma embaixada ou base militar. Mas nunca de forma ostensiva, antes sub-reptícia, como alguém que atira a pedra e esconde a mão. Na prática, muito por via das dezenas de organizações que Teerão financia. Um ataque frontal colocaria em risco a sobrevivência do próprio regime dos Aiatolás: Kahmenei não vai querer que lhe aconteça o mesmo que a Saddam Hussein.
  2. Os Estados Unidos precisavam de dar uma resposta no Médio-Oriente depois dos episódios em que a sua autoridade foi minada: ataque a petroleiros, drones abatidos e, ainda mais desafiante, um assalto à embaixada em Bagdad que chegou a durar dois dias, mesmo no virar do ano. Uma escalada sem precedentes na ambição iraniana de expandir a sua influência numa região estratégica onde gravitam dois dos maiores aliados americanos: Arábia Saudita e Israel. Na teoria da dissuasão, a administração americana obrigou o Irão a não escalar, reconhecendo que os benefícios de uma retaliação mais forte seriam infinitamente inferiores aos ganhos. Foi isso que Trump fez, mesmo se as palavras usadas desvalorizam o resultado estratégico alcançado.
  3. O que Trump fez foi erigir um primeiro paredão no projeto de poder iraniano para o Médio Oriente. Uma ambição que aproveita o vazio criado pela queda de Saddam Hussein, o facto do Iraque ser maioritariamente xiita e o fracasso de anos da política americana para a região. O desacerto de Washington começou com a avidez de Bush e Rumsfeld pelos poços de petróleo iraquianos e acabou num Estado falhado, com a retirada das tropas norte-americanas em 2011. Regressaram em 2014 para combater o ISIS – forjado na minoria sunita que foi corrida do poder no Iraque e dominava o exército de Saddam – e deparam-se com uma crescente influência das milícias xiitas coordenadas por Soleimani e pagas pelo Irão.
  4. ISIS e Irão odeiam-se e são extremos opostos do Islamismo. Mais interessante é que são dois atores favorecidos pela tradicional política americana de avançar impulsivamente sem cuidar do futuro. Foi o desagregar do Estado iraquiano e o combate ao ISIS – em que as milícias xiitas se envolveram em paralelo com os Estados Unidos – que germinaram a crescente influência iraniana no país. E que passou rapidamente para a economia e depois para a política: a Fatah, controlada por Teerão, chegou a segunda força no parlamento iraquiano nas eleições de 2018.
  5. Se o assassinato de Soleimani gravou uma mensagem clara quanto ao potencial americano face às veleidades do Irão, implicou outras consequências assimétricas. Trump regenerou um regime que estava sob grande pressão interna e debaixo de críticas internacionais. Qualquer contestação que vise uma mudança da liderança política será agora duramente reprimida. Pior ainda: quando se ameaça destruir património da humanidade ao falar de alvos culturais, já não é um regime que está em causa, mas todo uma civilização. Desceu ao nível dos talibans, quando apontaram os lança rockets aos Budas de Bamiyan e destruíram 2000 anos de História.
  6. Os mercados reagiram sem sobressalto. A ideia de uma guerra absoluta foi desde o início entendida como improvável e a ameaça de encerrar o Estreito de Ormuz – uma via de comércio vital para o mundo – só iria tornar a situação económica de Teerão ainda mais exangue: a China é o maior cliente do petróleo iraniano e ambos dependem dessa saída. No fundo, nada que comprometa seriamente um 2020 reanimado pelo esfriar da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. Afinal, Trump quer ser reeleito e importa manter a América no maior ciclo de sempre em termos de crescimento e no mais baixo desemprego das últimas 5 décadas.
  • Jornalista. Subdiretor de Informação da TVI

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Trump é mais estratégico que as suas palavras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião