Trump é o melhor amigo e o maior inimigo de Trump

No fundo, Trump não teria sido eleito se não fosse Trump. Mas aquilo que o fez eleger pode ser aquilo que determinará, terça-feira, a sua derrota na Câmara dos Representantes.

Brasil

Juiz Moro no Governo é um erro e pode correr mal

Acho mal que Sérgio Moro tenha aceite o convite para integrar o Governo de Jair Bolsonaro e pode acabar mal para o Presidente e para o juiz. Por 4 razões simples:

  1. Porque legitima a crítica de que a forma como conduziu o Lava Jato, no que diz respeito ao antigo Presidente Lula, poderia ter sido politicamente orientada. Não no domínio dos factos, mas das perceções, ele acaba de confirmar essa perceção de uma parte dos brasileiros.
  2. Em vez de levar a fundo a separação de poderes, esta nomeação é uma sobreposição de poderes entre Justiça e política.
  3. Prejudica a própria operação Lava Jato, que é importante que continue. Cada juiz é um juiz, mas os sucessores ficam perante o dilema de continuar a ação de Sérgio Moro ou desafiar a sua própria linha de orientação.
  4. Mais política do que juridicamente, a própria Constituição brasileira tem um artigo que diz que os juízes não podem exercer funções político partidárias. Presumo que o juiz Sérgio Moro não voltará à magistratura.

Não regressar é o mínimo. A Operação Lava Jato é um dos casos de corrupção à escala global mais impressionantes que alguma vez me lembro de ter visto.

Há dois casos no Ocidente, relativamente recentes — que convém recordar já que nesta democracia digital não há passado — de juízes que passaram para a política: o juiz Baltasar Garzón, em Espanha, e o juiz Antonio di Pietro, em Itália. Di Pietro até fez um partido político, malsucedido, e Garzón passou para a política, zangou-se com Felipe González, e voltou para a magistratura onde é acusado de ter perseguido os socialistas que o tinham convidado.

Sou absolutamente a favor de uma incompatibilidade firme entre magistratura e política. Tão grave é um político querer obstruir a ação da Justiça, como um magistrado meter-se em política. Por isso é que as magistraturas são uma espécie de sacerdócio, os Estados devem reconhecer isso nas remunerações que até, porque os magistrados têm direitos limitados, por exemplo, não podem fazer greves (são um órgão de soberania) e não devem envolver-se em política.

Muito provavelmente haverá no meio de todo este caminho um conflito entre Sérgio Moro e Jair Bolsonaro, porque quando houver uma questão ética dentro do próprio Governo com necessidade de escolher entre ele e uma determinada pessoa ou medida, Sérgio Moro acabará por sair, tal como aconteceu nos casos de Garzón e Di Pietro.

Eleições nos EUA

Trump é o melhor amigo e o maior inimigo de Trump

Quanto às eleições de terça-feira nos Estados Unidos, se as sondagens não se enganarem, e esta frase convém ser sempre sublinhada, Trump manteria a maioria no Senado e perderia a maioria na Câmara dos Deputados. A taxa de desaprovação de Donald Trump está em 8,3, cresceu algumas décimas desde a semana passada, mas os 44,3% que apoiam Trump estão muito próximos dos que votaram nele nas presidenciais (46,1%).

O problema, já que todo o mundo discute as eleições americanas, é que mais de 50% dos americanos — e isto é possível dizer com toda a certeza — não vão votar.

Da última vez, votaram em eleições parlamentares 37%.

Desde 1934 houve 21 eleições mid term. Os Presidentes em funções perderam 19. A tradição é, portanto, os americanos castigarem no meio do mandato e, sobretudo, no meio do primeiro mandato, que é o caso, os Presidentes em exercício e o respetivo partido.

Também é verdade que nas eleições parciais do último ano nos Estados Unidos houve maior mobilização do voto Democrata.

É muito curioso porque, no fundo, Trump não teria sido eleito se não fosse Trump. Mas aquilo que o fez eleger pode ser aquilo que determinará, terça-feira, a sua derrota na Câmara dos Representantes. Como tem uma forma de fazer política muito agressiva, muito conflitual e em permanente desafio, isso não leva apenas à mobilização da sua base; leva também à mobilização dos seus adversários. Essa é a grande diferença face a 2016. Os Democratas não estavam especialmente mobilizados com Hillary Clinton, mas agora estão mais mobilizados contra Trump.

Se as eleições fossem hoje, os Democratas ganhariam por relativamente pouco a Câmara dos Representantes, e os Republicanos manteriam uma maioria por dois senadores de vantagem, no Senado.

Há ainda muitos mandatos em jogo que são qualificados como indecisos (toss up) pelos institutos que fazem previsões. Numa eleição onde já será um progresso se forem votar 40% dos eleitores, o que conta são os mais militantes e mais fanatizados de cada um dos lados, é por isso que o discurso está muito radical. Saber quantos irão efetivamente votar determinará o resultado.

Angela Merkel

Vamos sentir alguma falta

Se olharmos para uma fotografia do G8 há dez anos, reparamos que Angela Merkel é a única sobrevivente. Vejamos o Presidente Sarkozy perdeu; o presidente da Comissão Durão Barroso já terminou o mandato; Obama já saiu; Berlusconi está out; japonês Taro Aso, já deixou de ser; o russo Medvedev mudou de função; o canadiano Harper foi derrotado; o presidente do Conselho Europeu Van Rompuy foi substituído e Cameron, como todos sabem, demitiu-se. A única sobrevivente dessa década foi Angela Merkel.

É extraordinária a sua persistência. Está à frente dos destinos da Alemanha há 13 anos, mas cedeu a uma pequena tentação: ultrapassar o recorde de tempo no Governo de Helmut Kohl (16 anos) e Konrad Adenauer (14 anos). Porém tudo se desgasta e, ao fim de 18 anos à frente do partido, Merkel deixou de ser o tesouro eleitoral da CDU. Teve a grande lucidez de o reconhecer agora. Seria pior reconhecê-lo mais tarde, com mais derrotas ou mais quedas nas sucessivas eleições regionais (há três relevantes em 2019).

Muitas vezes criticada por ser excessivamente alemã, acho que contribuiu para evitar a rutura da Europa no caso da Grécia — e esteve-se muito perto. Por outro lado, mesmo que tenha sacrificado a sua carreira política, pelo menos alemã, fez o que devia na questão do imigrantes, sobretudo olhando não apenas à sua formação cristã, mas também ao drama demográfico alemão. Nesse sentido salvou um pouco a consciência moral da Europa nessa matéria. Sem esquecer que também ultrapassou a crise financeira, onde havia bancos alemães indiretamente envolvidos. Trouxe a dívida alemã de 80% do PIB, a seguir à crise financeira, para 64%. Tomara muitos países da Europa terem este desempenho. Já vai no quinto não consecutivo de excedente orçamental.

E pôs a economia alemã a funcionar. Antes de Angela Merkel chegar costumava-se dizer que a Alemanha era o doente da Europa e que não conseguia ganhar competitividade. É verdade que beneficiou muito das reformas feitas pelo seu antecessor, Gerhard Schröder (SPD), mas foi ela que as soube gerir.

Vamos sentir alguma falta, sobretudo da sua serenidade e da sua autoridade.

Nota final

Qual terá sido o crescimento de Portugal no terceiro trimestre?

Soube-se a semana passada que a zona euro teve uma paragem brusca no seu crescimento (de 0,4% no primeiro trimestre, para 0,4% no segundo e 0,2% no terceiro).

Não sabemos se Portugal será afetado por estes muito modestos 0,2% de crescimento do PIB da zona euro. Pode ser que não: Portugal viveu este ano um boom do crédito, e o terceiro trimestre apanha o essencial da época alta do turismo. É preciso ter muita atenção ao INE, que a 14 de novembro divulgará a estimativa rápida do PIB no terceiro trimestre.

Se Portugal sofrer este impacto externo será mais difícil chegar aos 2,3% de previsão de crescimento para este ano.

Nota: A opinião de Paulo Portas é publicada com base no comentário semanal no Jornal das Oito da TVI, ao domingo, que pode ver aqui em vídeo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Trump é o melhor amigo e o maior inimigo de Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião