Trumpeçou

O proteccionismo é o chavão do momento. Mas a vitória de Trump rejeita a visão estatizante (ou europeísta) que Hillary propunha, uma visão que não condiz com o “american dream".

Donald Trump venceu as eleições norte-americanas com estrondo e com surpresa, mostrando que na América, e na democracia em geral, tudo é possível. Fica agora claro que o proteccionismo é o chavão do momento.

Há no Ocidente uma rebelião das bases contra a globalização. Esperam-nos tempos diferentes. Não necessariamente mais difíceis, mas diferentes. Porque a América, embora não dependendo tanto do comércio internacional como a Ásia ou a Europa, continua a ser a principal economia do mundo. É ela que continua a determinar a agenda internacional.

Há algum tempo que a globalização vai dando mostras de estar em decrescendo. Desde 2012, o crescimento do comércio internacional tem andado próximo do crescimento do PIB mundial, depois de várias décadas em que a tendência foi o primeiro crescer muito mais do que o segundo. E, de facto, pela primeira vez desde a crise financeira de 2008-2009, em 2016 o comércio internacional crescerá menos do que o PIB mundial. Com uma grande diferença: então vivíamos uma crise financeira e agora não.

A vitória de Trump chancela politicamente estes ventos de mudança. E faz outra coisa: rejeita a visão estatizante (ou europeísta) que Hillary propunha para a economia americana. Uma visão que não condiz com o “american dream”.

É, aliás, este ideal norte-americano que hoje é questionado pela população. E foi neste ponto sensível que o novo presidente soube apostar, utilizando o proteccionismo de forma instrumental – porque o contributo do comércio exterior no conjunto do PIB americano é relativamente diminuto. Falou mais alto o discurso do “underachievement”, do que a conversa do 1%.

A vitória de Trump é, assim, em certo sentido, a admissão de derrota da América como potência económica, onde o céu já não é o limite.

O programa económico de Trump preconiza uma política orçamental francamente expansionista. Redução do número de escalões e das taxas de IRS. Redução dos impostos sobre as empresas. Aumento maciço do investimento público, por contrapartida de menos despesa social.

Ao mesmo tempo, o novo presidente rejeita os acordos de comércio internacional (NAFTA, TPP e TTIP). E pretende impor tarifas aduaneiras leoninas contra dois dos três principais parceiros comerciais da América: a China e o México. Há, na sua agenda, uma menor intrusão do Estado na economia; este permanece forte, mas reposiciona-se.

Será, pois, nas instituições norte-americanas, no seu sistema de freios e contrapesos, que residirá o travão às iniciativas mais impetuosas de Trump. Entre si, o presidente e o Partido Republicano têm agora a Casa Branca, o Senado e o Congresso. Mas não têm nem o Supremo Tribunal nem a Reserva Federal, ainda que o primeiro esteja (mais) ao seu alcance.

Se os alicerces institucionais da América funcionarem, a presidência de Trump poderá até surpreender, e muito, pela positiva. Mas se os freios e contrapesos falharem, então, pode tudo acabar muito mal.

O Autor não escreve de acordo com o novo acordo ortográfico.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trumpeçou

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião