Truques de ocasião na política nacional

  • Fernando Sobral
  • 25 Janeiro 2020

Em Portugal, as magias raramente fazem parte da actividade política. Os truques são a sua rotina, e não faltam exemplos.

No livro “Harry Potter e a Ordem da Fénix”, o Ministério da Magia é inspirado em Whitehall, o nome da avenida no centro de Londres onde ficam os ministérios. É lá que os trouxas, as pessoas normais habitam. São normais porque não fazem magia, apenas aplicam truques. Em Portugal, as magias raramente fazem parte da actividade política. Os truques são a sua rotina. Os exemplos sucedem-se.

Para fingir que Lisboa é uma “cidade verde”, o sr. Fernando Medina inventou agora um universo paralelo, chamado Aobsil. Só existe na mente do autarca e nos cartazes espalhados por Lisboa. Lá não se escuta o ruído dos aviões nem se vê a falta de árvores. E há truques cinzentos. O Governo e uma entidade bem comportada chamada APA, acham que é possível construir um atentado ao ambiente e aos cidadãos numa rota fulcral de aves na Europa: o aeroporto do Montijo. A troco de umas taxas e de apartamentos “alternativos” para os pássaros. Estes discursos “verdes” são truques de ilusionistas menores. Prometem que sairá uma pomba da cartola e, afinal, o público depara-se com uma vaca voadora de plástico.

Em São Bento aplica-se a mesma norma. O Governo não faz magia, desdobra-se em truques. Finge-se de Dom Quixote. Tem a sorte do PSD ser, neste momento, um partido anémico de ideias. O realizador Federico Fellini não fazia truques. Fazia verdadeira magia, com o seu cinema. Agora que passam 100 anos da data do seu nascimento, é relançado o seu excelso “La Dolve Vita”. Filme que, com uma notável ironia, retrata o colapso da civilização ocidental. Por detrás do encanto das festas, a doce vida de Roma não passa de uma intoxicação geral. Compreende-se porquê.

A arte de Fellini nasceu do seu fascínio pela Banda Desenhada e pelos parques de diversões e não pela cultura oficial. Sendo os seus filmes icónicos e teatrais, trazem sonho. O que falta à política destes dias. Não é por acaso que surgem novos salvadores no palco deste Parque Mayer decadente, como o sr. Ventura e a sra. Ana Gomes.

No PSD, viveu-se o aparente fim do labirinto de truques e magias negras onde os seus feiticeiros têm ocupado o precioso tempo. Não havia aqui nem Houdini, nem David Copperfield, nem mesmo Fellini, para trazer um pouco de magia. O sr. Luís Montenegro prometia o pote de mel do poder a curto prazo. Queria atormentar a pacatez do Governo com o barulho de uma picareta às oito da manhã, junto à porta de São Bento. Tarefa que, como se imagina, não era fácil.

O sr. Rui Rio, que deve ter lido Maquiavel, pretende a refundação do PSD e acredita que o PS cairá de maduro. Por isso afastou a tribo contrária do Parlamento. O que desgostou esta, que ainda acredita que o sr. Passos Coelho regressará como “o desejado”. A estratégia do sr. Rio está montada. Quer chamar os “melhores” e os “quadros”, que estão fora do partido. Se eles corresponderem ao pedido, para que servirão os leais defensores do sr. Montenegro? Para muito pouco. Resta o mais difícil. Para ser alternativa real e não ser aliviado de eleitores para a sua direita, o PSD precisa de criar ideias fortes de alternativa ao PS e de semear um sonho de mudança. E ganhar a classe média, a grande esquecida nos anos do sr. Passos e do sr. Costa. Enquanto isso não chega, o país não sabe que fazer. Se esperar as propostas inovadoras dos partidos ou aproveitar para ver na televisão “Pesadelo na Cozinha” ou o “O Programa da Cristina”. É uma escolha difícil.

Falta discutir um modelo económico, social, cultural e ambiental para o país. Quase tudo. Se “Os Lusíadas” de Camões era o poema sobre “a partida”, “Pátria” de Guerra Junqueiro, era-o sobre o “regresso”. Entre esses dois destinos nunca conseguimos descobrir o que queríamos fazer de Portugal, sempre perdidos entre o esbanjamento, as cumplicidades, a incapacidade de acumular capital que pudesse ser produtivo, e entre a eterna dívida e défice. Nada mudou. A disfarçada austeridade actual é, como ponto de partida e de chegada, um fim em si mesmo. Não há neste Governo, nem na oposição, um modelo para o futuro de Portugal. Não há magia. Existem truques de ocasião, comprados numa antiga loja dos 300. Federico Fellini talvez tivesse aqui um bom argumento para um filme, “A triste vida”.

Sugestão da semana

Baseado nas memórias do avô de Sam Mendes, Alfred, o épico “1917” é uma boa razão para ir ao cinema. A história de dois soldados britânicos durante a Primeira Guerra Mundial.

  • Fernando Sobral
  • Jornalista

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Truques de ocasião na política nacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião