Um despacho anormalpremium

Se há aspecto positivo na polémica do despacho sobre a Endesa é que o Governo está agora sob pressão para concretizar quanto é que o mecanismo travão no gás vai custar aos seus beneficiários,

O despacho governamental que tanta polémica causou é tudo menos normal. Aliás, como diria o senhor Presidente da República, não hoje, mas sim nos seus tempos de comentador televisivo, o despacho não lembra nem ao careca. Não num país que se diz moderno e respeitador da lei. Enfim, talvez tivesse lugar na Rússia de Putin, mas não numa democracia que se espera ao nível do primeiro mundo. Numa deriva autoritária e com destinatário específico, o Governo pisou claramente o risco e bem pode o primeiro-ministro afirmar que a iniciativa governamental é preventiva que, no essencial, já todos percebemos o móbil do executivo: intimidar uma empresa privada através da pressão e do poder coercivo do Estado e da sua máquina administrativa. Isto dito, a empresa também não saiu incólume da polémica. Numa

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos