Um Orçamento da “bazuca” e de “navegar à Costa”premium

Um OE em linha com os anteriores. Desde 2016, não há um rumo e uma visão estratégica para a competitividade e produtividade da economia Portuguesa.

O Orçamento do Estado (OE) para 2022 é um OE da “bazuca” porque assenta a recuperação económica e o exercício orçamental quase exclusivamente no PRR (Plano de Recuperação e Resiliência). É também um OE de “navegar à Costa”, porque segue o que foi feito nos últimos 6 anos: aproveitar o que se consegue tributar e financiar para distribuir, sem preocupação com a criação de riqueza, sem uma estratégia e um rumo, sem uma aposta na competitividade e produtividade da economia Portuguesa. Crescimento económico e cenário macroeconómico Se é certo que o cenário macroeconómico do OE é prudente, nas palavras do CFP (Conselho de Finanças Públicas), não deixa também de ser verdade que para 2020 a previsão de quebra do PIB de 8.4% é superior à média da UE (7.5%). O crescimento real de 2021 e 2022 (4.8%

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos