Um orçamento para Bruxelas (e DBRS) ver?

A proposta de orçamento para 2017 tem um cenário macro mais realista do que em 2016, mas tem riscos. Serve para tentar agradar a Bruxelas e às agências de rating e permite ganhar tempo.

Neste Orçamento do Estado, à primeira vista, parece que os riscos para o cenário macroeconómico são menores do que em 2016, mas os riscos para os objetivos orçamentais continuam elevados. E não indo completamente ao encontro do que é esperado pela Comissão Europeia e pelos analistas de mercado e agências de rating, anda menos longe do que andou o Orçamento de 2016, e deverá merecer o benefício da dúvida, pelo menos enquanto não aparecerem sinais de derrapagem.

Dois dias depois da tão aguarda divulgação do OE (e depois de tantas notícias sobre hipotéticas medidas e arrufos na coligação), parece emergir um consenso de que, o governo terá evitado confrontar a Comissão Europeia. Isto não só é positivo, por evitar problemas de curto prazo a começar por um eventual downgrade da DBRS já esta semana, como até surpreendente tendo em conta as posições do PCP, BE e alguns sectores do PS quanto à “ditadura do pacto orçamental”.

No entanto, pela negativa, o documento não inclui qualquer ímpeto reformista ou visão de médio prazo. Consegue “apenas” evitar grandes males… para já.

Vamos por partes: O cenário macroeconómico é bastante mais realista do que os documentos anteriores, sendo até a estimativa para o crescimento do PIB mais conservadora do que o esperado pela Comissão Europeia (1.5% vs 1.7%). No entanto, esta ainda sujeito a surpresas negativas, a começar por um pior final de 2016.

Caso o PIB se expanda apenas 1% em 2016 em vez dos 1.2% esperados pelo governo, isso poderá por si só retirar entre 0.1 e 0.2 pontos percentuais ao crescimento do próximo ano. Para além disso, o governo espera uma aceleração principalmente baseada na procura externa, em contraciclo com uma desaceleração da economia da zona euro, algo que, não sendo inédito, é bastante raro.

Claro que o crescimento esperado de 1.5% para o próximo ano representa apenas uma pequena aceleração, abaixo dos 2% como era esperado em abril, e cada vez mais longe do cenário de uma aceleração quase 2.5% inscrito no cenário macroeconómico do PS. Para além disso, cai por terra o pressuposto de que a aceleração seria suportada por um aumento da procura interna.

O governo não só reconhece que a procura interna irá contribuir este ano praticamente metade do que esperava no OE de 2016 (1,3% em vez de mais de 2%) e até do que estava incluído no PEC de abril, como não espera um aumento em 2017.

Já os objetivos orçamentais parecem mais difíceis de atingir. A começar pelo défice de 1.6% do PIB. Antes de mais, este objetivo parte de uma estimativa de 2.4% do PIB para o défice de 2016, algo que parece incerto e muito dependente da efetiva implementação do chamado “plano B” – as cativações de despesa e do perdão fiscal recentemente anunciado. Em segundo lugar, as medidas do lado da receita parecem sobrestimadas já que não parecem assumir o impacto no consumo do novo aumento de impostos indiretos.

O efeito do cenário macroeconómico (0.5% do PIB) parece muito otimista tendo em conta que o governo apenas espera uma aceleração de 0.3pp em relação a 2016 – e inclusivamente uma desaceleração do consumo, a variável mais importante para as receitas fiscais.

Partindo de um multiplicador orçamental de 0.5 (algo em linha com o estimado pelo FMI, Banco de Portugal e OCDE, este efeito do cenário macroeconómico terá como pressuposto um crescimento do PIB potencial de apenas 0.5%, algo que me parece perfeitamente plausível, mas que duvido que seja consistente com a visão do governo.

Finalmente, o governo ainda inclui no ajustamento para o próximo ano 0.4% do PIB de outras medidas, entre as quais a recuperação das garantias do BPP (0.2% do PIB) e um aumento dos dividendos entregues pelo Banco de Portugal (cerca de 0.1% do PIB) – ambas as medidas não só incertas como irrepetíveis nos próximos anos.

Quanto a avaliação externa, o desenho de algumas medidas e principalmente a preocupação em apresentar uma melhoria de 0.6% do PIB do saldo estrutural indica que, ao contrario do Orçamento para este ano, desta vez deverá ter havido alguma preocupação previa com a reação da comissão europeia – algo compreensível tendo em conta a sua importância para a avaliação do mercado e, principalmente, do rating por parte da DBRS.

No entanto, embora evite um chumbo como aconteceu em fevereiro, é provável que a Comissão exija alguns ajustes, senão agora, pelo menos depois de divulgar as suas estimativas de inverno: O ajustamento estrutural estimado pelo governo parece otimista já que tem em conta as tais “outas medidas” referidas acima, fazendo com que para a comissão exista apenas uma redução de 0.3% do PIB.

Para além desta potencial divergência, existe ainda algo mais técnico e subjetivo (e já referido pelo Conselho de Finanças Públicas), o calculo do hiato do produto (output gap), que poderá estar sobrestimado pelo governo. Mas como quer este cálculo, quer a verdadeira natureza das outras medidas só serão avaliadas mais tarde pela Comissão, o orçamento não deverá trazer problemas de maior, também para os analistas de mercado e das agências de rating. Pelo que, provavelmente, a DBRS manterá a sua avaliação na tão esperada decisão desta sexta feira.

Em suma, a partida, parece um orçamento perfeito, já que consegue conciliar o cumprimento das metas europeias com um apoio do Bloco de Esquerda e do PCP – terá António Costa conseguido a quadratura do circulo? Dificilmente, já que o objetivo de um orçamento não se esgota na sua aprovação interna e externa.

Embora seja aceite por Bruxelas nesta primeira fase, este orçamento deverá criar novos problemas durante o ano: qual é a margem de manobra para um plano B para 2017 depois do plano B de 2016 – as cativações no valor de 425 milhões e o perdão fiscal?

No limite, a devolução da sobre taxa do IRS e os aumentos das pensões poderão ser completamente adiados para o próximo ano, mas conseguirá António Costa convencer o PCP e principalmente o Bloco de Esquerda caso seja necessária mais austeridade, seja ela de esquerda ou de direita?

Mas o principal problema deste documento é mesmo a total ausência de uma visão de medio prazo (algo apontado também pelo conselho de finanças publicas) e de reformas, sejam do Estado, Segurança Social ou até de política fiscal que visem atrair investimento e dinamizar a actividade económica.

Alias, o próprio cenário macroeconómico reconhece esse fracasso. Um bom exemplo é o facto de, tal como em anos e governos anteriores, algumas medidas serem desenhadas para facilitar o ano em curso, e apenas empurrarem com a barriga e aumentam os riscos para os anos seguintes – neste caso a redução gradual da sobretaxa do IRS e os aumentos das pensões levam a que o custo seja também suportado no próximo ano, mas depois de Outubro de 2017 teremos eleições autárquicas e depois… logo se verá.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Um orçamento para Bruxelas (e DBRS) ver?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião