Uma desigualdade especial

É fundamental manter a natureza bidirecional da solidariedade intergeracional, sob pena de se transformar um pilar básico de justiça num fator de alienação dos estratos mais jovens da população,

A distribuição da riqueza[1] em Portugal não é muito, nem pouco, desigual[2], quando comparada com a média da União Europeia, sendo, por exemplo, mais equitativa do que na Alemanha, mas menos do que em Espanha. E, ao contrário do que se poderia esperar, a forte crise que assolou o nosso país não agravou a repartição do património, algo comprovado pela relativa constância dos níveis de desigualdade entre 2010 e 2017[3].

Mas existe uma dimensão da desigualdade que é particularmente notória, como é notória a falta de escrutínio de que é alvo. Refiro-me à desigualdade intergeracional, a qual ressalta indubitável da observação do gráfico 1.

Existe uma explicação natural para esta assimetria patrimonial. Afinal, as pessoas mais velhas tiveram mais tempo para acumular ativos e para amortizar a dívida com que os financiaram. O que talvez seja menos óbvio é o grau de enviesamento da concentração de riqueza nos indivíduos com mais de 55 anos. Igualmente relevante é a constatação de que, em termos de repartição da riqueza por ocupação, os reformados detêm patrimónios de valor superior aos trabalhadores por conta de outrem (gráfico 2), o que demonstra uma apreciável capacidade de preservação do património dos portugueses em idade de reforma.

Estes dois gráficos parecem sugerir que, em termos relativos, no contexto da sociedade portuguesa, as pessoas reformadas estão bem posicionadas para suportar os riscos económicos e financeiros que venham a surgir[4].

Esta sólida dotação financeira, em conjunto com os vários mecanismos – explícitos e implícitos – de preservação do poder aquisitivo das pensões, confere alguma tranquilidade à generalidade dos indivíduos pertencentes às gerações mais velhas, circunstância que se revela particularmente importante num contexto de aumento sustentado da longevidade, a qual coloca desafios económicos aos mais idosos, nomeadamente ao nível do custeamento das despesas de saúde.

Mas há um problema.

As garantias de que usufruem as gerações mais velhas são implicitamente dadas pelas gerações mais novas, ou seja, é o rendimento gerado pela atividade produtiva das últimas que responde pela eventual materialização dos riscos a que estão expostas as primeiras. A isto chama-se solidariedade intergeracional, que é um conceito fundamental na nossa civilização e que se afigura imprescindível ao bom funcionamento da sociedade. Acontece que a solidariedade intergeracional deve ser bidirecional, o que nos remete para um dificílimo exercício de calibração da política de redistribuição de rendimentos, a qual não pode ignorar os seguintes temas:

  • De acordo com dados do INE, o efetivo total de pensionistas ascendia em 2018 a 40% da população com idade superior a 15 anos, o que corresponde a uma expressiva variação face aos 33% que se verificavam na viragem do século. Isto significa que cada vez há menos indivíduos ativos a suportar um número crescente de pessoas reformadas.
  • A estratégia de política monetária que tem vindo a ser seguida de taxas de juro muito baixas e de injeção massiva de liquidez tem como efeito a valorização significativamente desproporcionada dos ativos financeiros e reais (onde está incluído o imobiliário), os quais são detidos na sua grande maioria pelas gerações mais idosas, como vimos atrás. Este fenómeno contribui duplamente para cavar a desigualdade intergeracional porque, ao encarecer os preços dos ativos, por um lado eleva o nível de riqueza dos mais velhos e, por outro lado, dificulta a aquisição de ativos (sobretudo imobiliários) por parte dos mais novos, que assim ficam excluídos do principal benefício da política monetária em curso.

Uma das maiores conquistas do último século nos países desenvolvidos foi a criação progressiva de mecanismos que procuram assegurar níveis de conforto material às pessoas mais velhas. Tal desiderato não deve ser nunca menorizado. Contudo, é fundamental não olvidar a natureza bidirecional da solidariedade intergeracional, sob pena de se transformar um pilar básico de justiça num fator de alienação dos estratos mais jovens da população, o que poderia culminar na mais perniciosa das fraturas sociais: o conflito intergeracional. Com a rápida inversão das pirâmides etárias este passou a ser um tema da maior premência.

[1] Riqueza = ativos reais + ativos financeiros – dívida
[2] Este artigo baseia-se no Household Finance and Consumption Survey do BCE, do qual o Inquérito à Situação Financeira das Famílias Portuguesas faz parte.
[3] Entre 2010 e 2017 o coeficiente de Gini passou de 66,0 para 67,9, o que para uma variável que assume valores entre 0 e 100 não constitui uma variação significativa.
[4] Estes números são agregações que, naturalmente, ocultam muitas situações de enorme precariedade, às quais a política económica tem que dar resposta.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Uma desigualdade especial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião