Vale Indústria 4.0 ao serviço da transformação digital das PME

A Indústria 4.0 não é uma moda, mas sim uma realidade que está a mudar a forma como as empresas lidam com o desenvolvimento de produtos e serviços.

O que têm em comum expressões como inteligência artificial, realidade aumentada, produção aditiva, impressão 3D ou big data? O que une estas buzzwords? Todas elas corporizam algumas das principais prioridades da Indústria 4.0, uma iniciativa que pretende fomentar a transformação digital das empresas.

A quarta revolução industrial, alavancada pelas inovações físicas, digitais e biológicas, com consumidores cada vez mais conectados e informados, está a gerar uma nova mudança na economia, que terá, garantidamente, grandes implicações em todos os setores de atividade.

A cerca de dois anos do fim do período de implementação do Portugal 2020, importa acelerar e estimular a procura pelos instrumentos de financiamento que incidem sobre a modernização e inovação dos produtos, serviços e modelos de negócio das PME.

A Indústria 4.0 procura fomentar a investigação e desenvolvimento em sistemas ciber-físicos, virtualização e simulação, inteligência artificial, digitalização, realidade aumentada e wearables, nanotecnologia e materiais avançados. Por outro lado, procura apoiar projetos de inovação produtiva em áreas muito diversas como a conectividade, os processos produtivos inteligentes, a produção aditiva, as máquinas inteligentes, os materiais avançados, as operações modulares, a impressão 3D ou os robôs autónomos.

É neste contexto que surge o Aviso Vale Indústria 4.0, que visa promover a capacidade de definição de uma estratégia tecnológica própria por parte das empresas, alinhada com os princípios da Indústria 4.0, com o objetivo de melhorar a competitividade do tecido empresarial nacional.

Por forma a concretizar este desígnio, foi lançado, em janeiro de 2017, o processo de acreditação de entidades para prestação de serviços de inovação no âmbito da Indústria 4.0, para certificar as competências dos prestadores de serviços. Posteriormente, em agosto de 2017, foi lançado o primeiro Aviso Vale Indústria 4.0, ao qual se candidatam cerca de 1.400 empresas.

Ao disponibilizar às PME um instrumento de apoio à transformação digital, o Vale Indústria 4.0 apoia a elaboração de um diagnóstico nas PME que produza um conjunto de recomendações para definir um plano de ação para a digitalização dos processos.

Ao promover uma estratégia tecnológica própria, o Vale Indústria 4.0 apoia projetos individuais das PME, durante um período máximo de 12 meses, que visem a aquisição de serviços de consultoria para diagnóstico da situação atual e identificação de uma estratégia conducente à adoção de tecnologias e processos enquadrados com o comércio eletrónico e outros processos associados à Indústria 4.0.

Com uma taxa de financiamento das despesas elegíveis de 75% (à exceção da região de Lisboa onde a taxa se fixa nos 40%), os apoios concedidos por projeto não podem ultrapassar os 7.500 euros. Cabe agora às PME aproveitar os benefícios do Vale Indústria 4.0, alavancando a competitividade e o sucesso dos seus negócios.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vale Indústria 4.0 ao serviço da transformação digital das PME

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião