Viagens no Tempo

Ainda há sítios no mundo onde usar carroça e casar com nove anos é normal, e outros, onde a casa é num arranha-céus e se vai a banhos numa praia artificial.

Podia ser ficção científica mas é pura realidade. Para viajar no tempo não é preciso ser amigo de um cientista louco, basta sair da nossa aldeia. Ainda há sítios no mundo onde usar carroça e casar com nove anos é normal, e outros, onde a casa é num arranha-céus e se vai a banhos numa praia artificial. E escusam de ligar o Delorean, às vezes, é possível ver isto tudo sem ter que se mudar de fuso horário.

O desenvolvimento das sociedades é tão díspar que podemos almoçar proteína em pó, no futuro e ir jantar porco no espeto, ao passado. E ninguém dobra a curvatura do espaço-tempo tão bem como os árabes e os asiáticos. Há favelas sem água, à sombra de jardins suspensos. Há mansões coloniais ao lado de condomínios descumunais. Há pessoas a vender fruta no chão, ao lado de gigantescos centros comerciais. Se olharmos com atenção, o passado e o futuro estão sempre presentes.

Já nós, decidimos voltar à Malásia depois dois meses em Bali. O comboio que liga o aeroporto ao centro de Kuala Lumpur faz em 28 minutos o que o táxi faz numa hora e meia. Não só viajamos no espaço, como atravessamos estações, passamos de um Verão abafado para um Inverno de ar condicionado. Por razões práticas e não estéticas, decidimos ficar no bairro indiano, Brickfields. Os prédios são tão altos que lá em cima ainda é de dia e cá em baixo já está de noite. Há um centro comercial moderníssimo em frente a esta barraca que vende naans feitas à estalada. O fumo fica todo cá em baixo. E o cheiro. E o barulho. Ficar neste hotel não foi a coisa mais inteligente que fiz na vida. A luz até pode viajar mais rápido que o som (como nos ensina qualquer trovão), mas a luz dá para desligar, e o choro deste bebé aqui ao lado, não.

Aproveito a Insónia imposta para vos contar outra descoberta curiosa. Isto porque além da parede que partilhamos com o quarto do bebé, estamos paredes meias com a sala de orações. E hoje é Sexta-Feira, que é como quem diz, dia de muita oração. E foi aí que reparamos numa setinha no tecto. Bom, foi aí que nos demos ao trabalho de a decifrar, visto que esta setinha está em todos os tectos que nos viram dormir, aqui na Malásia. Eu sempre achei que apontava a saída de emergência mas, às vezes, a emergência queria que saltassemos pela janela. E foi então que percebemos o que quer dizer Kiblat, palavra em Bahasa para Quibla: direção. De Meca. A única viagem no espaço, obrigatória em tempo de vida, para qualquer muçulmano. A bússola religiosa para qualquer reza. “Bem me parecia que aquele tapetinho era bonito demais para sair do banho”…

Bom, como a nossa seta apontava para a porta, lemos a coisa como um sinal. E decidimos fugir daquelas coordenadas para paragens mais arejadas. Calibrámos o nosso comboio do tempo para voltar a um passado mais bonito e silencioso. A escolha caiu no verdejante estado de Perak, mais propriamente na medianamente carismática Ipoh.

E é agora que vos revelo que não é só possível escolher o tempo e a estação onde se vive como também o dia da semana. Ora Ipoh é daqueles sítios onde é sempre Domingo. Por oposição a Kuala Lumpur, onde é sempre Segunda ou Sexta-Feira. Claro que o ideal para quem está de férias é encontrar uma cidade-Sábado. O problema é que às vezes as cidades enganam. Não se tira a pinta ao calendário, logo no primeiro encontro. Tínhamos que esperar para ver.

E então chegámos à conclusão que Ipoh é o passado de George Town do presente. Sendo que George Town é o passado da Penang do futuro.
É normal estarem confusos, viajar no tempo dá nisto. E é por isso que vão precisar de uma semana para perceber tudo. É o tempo que demora a mandar a próxima crónica até aí. Ao passado. É lá que ainda vivemos, não é?

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Viagens no Tempo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião