De Cuba ao Vimieiro, vinho da talha desperta interesse lá forapremium

O vinho de talha, tradição milenar, está a ter de tal forma sucesso dentro e fora de Portugal que há produtores a fazerem uma rota conjunta pelas adegas de Cuba e Vimeiro.

Ao chegar a Cuba e Vidigueira, no Baixo Alentejo, há uma paisagem de planícies com olivais e fileiras de vinhas de castas de Trincadeira, Alfrocheiro, Moreto ou Tinta Grossa. Por aqui os habitantes dão vida à tradição milenar,trazida pelos romanos, de produzir o vinho de forma artesanal através da técnica milenar de fermentar a uvanas ânforas de argila chamadas de talha. Pedro Ribeiro, diretor-geral e enólogo da Herdade do Rocim, na fronteira das duas localidades, ainda se lembra do tempo em que "as pessoas iam à centenária adega da propriedade e enchiam diretamente os garrafões da talha com vinho branco ou tintoe ainda palhete que é a mistura de uvas brancas com outras de tinto, para levarem para casa”. Desde então, o vinho de talha alcançou um patamar nacional e internacionalaté à

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos