Finanças Públicas

Tribunal foi favorável aos fundos porque a isenção de IMT (que tinha supostamente sido cortada para metade em 2014 e eliminada em 2016) continuou em vigor pois o decreto-lei nunca foi alterado.

"Portugal não pode outra vez parar projetos, sonhos e ideias. Por isso tem de ser bem financiado e é preciso que encontremos os recursos financeiros para o pagar", afirmou o ministro das Finanças.