Há um player Nowo no negócio das telecom

É a nova marca que vem substituir a Cabovisão. Chama-se Nowo (lê-se 'novo') e quer ser "provocadora e atrevida". O objetivo? Ter 10% de quota de mercado nos próximos dois anos.

A Cabovisão renasceu, e de cara lavada. A operadora de cabo regional, liderada por Miguel Veiga Martins desde abril deste ano, chama-se agora Nowo e tanto quer ser “provocadora e atrevida” como “próxima e educada”. Num evento de apresentação, que decorreu esta terça-feira em Lisboa, o presidente executivo justificou a mudança de posicionamento com a necessidade de “reinventar” o setor das telecomunicações, um negócio que assumiu ser, muitas vezes, pouco justo e transparente.

Aliás, “é justo” foi precisamente o slogan escolhido para esta nova marca, assente numa “estratégia disruptiva” inspirada nas que foram seguidas por algumas low cost no setor da aviação. Tudo para “dar mais justiça e liberdade de escolha” ao mercado, garantiu o responsável. Como? Por exemplo, eliminando por completo os contratos de fidelização de 24 meses. Na Nowo, os pacotes de serviços têm uma fidelização máxima de 12 meses e, neste caso, a instalação dos equipamentos é gratuita. Em contrapartida, se o cliente optar por uma fidelização de seis meses, ou preferir não ficar fidelizado de todo, os preços cobrados podem variar entre os 30 e os 150 euros.

O que é a Nowo? A explicação de José Henriques, administrador de marketing da operadora


Também há mudanças na oferta. Os pacotes predefinidos deixam de existir e é o próprio cliente que escolhe os serviços que quer subscrever. O ponto de partida é a internet fixa, com 100 Mbps de download e 10 Mbps de upload, por 19,99 euros/mês. Este valor inclui a oferta de 33 canais analógicos de televisão “sem custos adicionais”, que já se encontram na rede da Nowo e que, por isso, “são disponibilizados gratuitamente”, explica a empresa. Para utilizadores mais exigentes, a operadora permite duplicar a velocidade de download para 200 Mbps (15 Mbps de upload) por mais oito euros mensais.

Quanto ao serviço móvel, o cliente pode escolher 2 ou 4 GB de internet, com 2000 ou 4000 minutos de chamadas para todas as redes e SMS, por sete ou nove euros a mais (preço por cada cartão). Se preferir não fazer portabilidade do número antigo, acrescem ainda mais quatro euros por cada número novo. Mas nada disto é obrigatório. Nem mesmo o telefone fixo, serviço que Miguel Veiga Martins garantiu não ser usado por 80% dos subscritores de pacotes de serviços que o têm incluído. Para quem o usa, os preços adicionais variam entre dois e três euros, consoante o tipo de serviço que o cliente preferir.

Por fim, se os 33 canais oferecidos com a internet fixa não são suficientes, ou se o cliente quiser funcionalidades como gravação, pausa TV e guia de programação, existem dois pacotes digitais de televisão com 90 e 140 canais, cuja mensalidade é de cinco e oito euros mensais. Os canais premium são, obviamente, pagos à parte.

Os contratos dos atuais clientes da Cabovisão não vão sofrer quaisquer alterações, mas, se algum cliente demonstrar interesse em subscrever uma das novas modalidades, o presidente executivo da Nowo mostrou-se disponível para renegociar.

print-7

Uma aposta no digital

É do entendimento da Nowo que “o futuro está no digital”. Por isso, o principal meio de captação de novos clientes será a internet: a empresa tem um novo site e criou um simulador para que potenciais clientes possam criar o próprio pacote de serviços e calcular o custo final, “sem asteriscos”, dentro dos moldes explicados acima. “Vamos focar-nos nos meios digitais. É difícil enganar uma pessoa no mundo digital”, defendeu Miguel Veiga Martins na apresentação.

Para já, o objetivo está definido: “Queremos conquistar os 10% [de quota de mercado] que a Cabovisão outrora tinha”, avançou o presidente executivo. Atualmente, a empresa conta com um legado de aproximadamente 200 mil clientes (cerca de 5% do mercado) valor que espera então duplicar no prazo de dois anos. O foco são as regiões onde a Nowo (ex-Cabovisão) já opera, mas a empresa está preparada para investir na expansão da rede a interessados que se localizem nas periferias.

A Nowo é, assim, um rebranding da Cabovisão, ainda que o nome oficial da empresa, detida pelos fundos Apax (França) e Fortino (Bélgica), vá continuar temporariamente o mesmo. O que interessa é que a nova identidade corporativa foi lançada, baseada no novo nome, num “logótipo moderno, simples e forte e numa comunicação clara, simples e divertida”. A cor predominante é o laranja, há uma música criada especialmente para a marca e o comediante Rui Unas foi o escolhido para dar voz aos anúncios publicitários na internet, na televisão, na rádio e nas campanhas de ativação de marca que vão decorrer nas próximas semanas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Há um player Nowo no negócio das telecom

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião