Flávio Nunes

  • Coordenador
Flávio Nunes
Flávio Nunes

Caro leitor, a notícia é que a empresa anunciou que a cobertura foi alargada a todo o território português. Inclusivamente, o artigo menciona que “o ECO usou a ferramenta da empresa para verificar a cobertura em várias regiões do país e encontrou zonas onde” ainda aparenta não estar disponível a cobertura. A imagem a que se refere é da própria empresa.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Viva. Obrigado.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Cara leitora, posso ajudar?

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Caro leitor, obrigado pelo reparo. O lapso gramatical foi corrigido.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Caro leitor, obrigado pelo seu comentário. Importa relevar que a tarifa social só estará disponível para contribuintes com baixos rendimentos e não foi desenhada para fornecer um serviço robusto como os das ofertas comerciais, mas para permitir que estes cidadãos com baixos rendimentos possam ter uma ligação básica à internet.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Caro leitor, obrigado pela indicação. A notícia foi corrigida.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Caro leitor, o artigo foi corrigido.

Obrigado pela informação e as nossas desculpas.
Flávio Nunes
Flávio Nunes

Caro leitor, a meia-noite de sexta-feira corresponde, formalmente, às 0h00 de sexta-feira (isto é, noite de quinta-feira para sexta-feira), tal como escrevi. No caso a que se refere, seriam as 23h59 de sexta-feira – ou, no limite, as “24h00 de sexta” -, o que não estaria correto. Espero ter esclarecido.

Flávio Nunes
Flávio Nunes
ECO - Economia online

Em Ir à escola? E ao ginásio? 23 respostas sobre a “reabertura”

Isabel Patrício, Flávio Nunes, Paulo Moutinho

Caro leitor, está atualizado. Obrigado pela correção.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Caro leitor, de um ponto de vista de literacia financeira, tendo a concordar consigo. Mas o termo “investir” neste artigo é usado pelo seu significado gramatical. O dicionário Priberam refere que “investir” significa “tomar posse de”, pelo que se encaixa mesmo nestas circunstâncias. Obrigado e boas leituras!

Flávio Nunes
Flávio Nunes
Caro leitor, obrigado pelo seu comentário.
Neste caso, refiro-me ao dossiê em Portugal, em que, nos termos da consulta pública do regulamento do leilão e do documento já final, as faixas consideradas “relevantes” (a expressão é da Anacom) para 5G ainda são, neste momento, os 700 MHz e os 3,6 GHz.
Como indica o artigo, 2,1 GHz será, eventualmente, relevante para 5G no curto/médio prazo, mas não no lançamento da rede <i>non-standalone</i> no país nesta primeira fase.
Espero ter esclarecido. Bom trabalho.
Flávio Nunes
Flávio Nunes

Cara leitora. A contribuição para o audiovisual serve para financiar diretamente a RTP e não está relacionada, pelo menos diretamente, com a distribuição do canal, que é gratuita na TDT ou vem incluída na generalidade das plataformas. Mas consigo compreender porque o refere. Obrigado pelo seu comentário.

Flávio Nunes
Flávio Nunes
Caro leitor, obrigado pelo reparo.
Já foi corrigido.
Flávio Nunes
Flávio Nunes
ECO - Economia online

Em Governo vai dividir país em 3 zonas de risco. Qual a sua?

Flávio Nunes, Mariana Espírito Santo

Caro leitor, Santa Maria da Feira surge no escalão intermédio, com 918 casos por 100 mil habitantes. Por lapso, surgia apenas “Santa” no artigo e já foi corrigido. Obrigado.

Flávio Nunes
Flávio Nunes
ECO - Economia online

Em Governo vai dividir país em 3 zonas de risco. Qual a sua?

Flávio Nunes, Mariana Espírito Santo

Como indica a notícia, e cito: “Um total de 120 concelhos poderão ficar livres de entrar neste sistema de escalões, pelo menos nesta fase, segundo a mesma estimativa”.

Flávio Nunes
Flávio Nunes
ECO - Economia online

Em Governo vai dividir país em 3 zonas de risco. Qual a sua?

Flávio Nunes, Mariana Espírito Santo

Caro leitor. Como indica a notícia, e cito: “Um total de 120 concelhos poderão ficar livres de entrar neste sistema de escalões, pelo menos nesta fase, segundo a mesma estimativa”.

Flávio Nunes
Flávio Nunes
ECO - Economia online

Em Governo vai dividir país em 3 zonas de risco. Qual a sua?

Flávio Nunes, Mariana Espírito Santo

Bom dia. Como indica a notícia, e cito: “Um total de 120 concelhos poderão ficar livres de entrar neste sistema de escalões, pelo menos nesta fase, segundo a mesma estimativa”.

Flávio Nunes
Flávio Nunes
Caro leitor, este artigo que comenta refere-se ao somatório das doses de vacina adquiridas pela Comissão Europeia a quatro fornecedores.
O outro artigo que refere, de minha autoria, diz respeito apenas às 200 milhões de doses (com opção de compra de 100 milhões adicionais) ao consórcio Pfizer/BioNTech.
Acredito que uma leitura mais atenta dos textos que aponta, para além dos respetivos títulos, lhe permitirão esclarecer a dúvida que coloca com maior substância.
Estou à sua disposição para qualquer questão adicional.
FN
Flávio Nunes
Flávio Nunes

Obrigado pelo seu comentário.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Caro leitor, obrigado pelo seu comentário.

Flávio Nunes
Flávio Nunes
ECO - Economia online

Em Só pode ser voluntária

Flávio Nunes

Muito obrigado.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Caro leitor, tem toda a razão. É o inverso. Vamos corrigir. Muito obrigado pela atenção.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Caro leitor, obrigado pelo reparo. O artigo foi clarificado.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Como indica o artigo, a etiqueta emitida pela ANAC terá o número que identifica o operador, por motivos de responsabilização. Obrigado.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Olá, Luís. Obrigado pelo comentário e pela referência. De facto,o cartão Caixa Viva permite efetuar esse tipo de pagamentos. Mas, ao que pudemos apurar junto da Carris, a ideia é explorar outras opções, bem como permitir os pagamentos contacless com qualquer cartão. Bom trabalho.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Boa tarde, Adolfo. Obrigado pelo seu comentário.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Olá, Nuno. Obrigado pelo seu comentário.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Cara leitora, o que diz é parcialmente verdade, mas há nuances que são destacadas pelo regulador. Eis o que diz a Anacom:

1 – Sobre o “Smart Net”: “Os clientes podem solicitar o barramento do tráfego após consumirem o plafond de dados gerais, sendo que nessa situação, se tiverem adquirido uma ‘Smart Net’ e se ainda tiverem disponível plafond nessa oferta, poderão utilizá-lo, mas apenas para as aplicações incluídas na oferta até o esgotar.”

Ou seja, pode estar em causa uma violação das regras da neutralidade da rede, mas entende-se que isso só acontece quando é o cliente a “solicitar o barramento do tráfego” quando atinge o limite de dados geral disponível.

2 – Sobre o “Yorn X” da Vodafone, a Anacom escuda-se em esclarecimentos da própria empresa, nos seguintes termos: “(…) A Vodafone explicou que nos tarifários ‘Yorn X’, após esgotado o plafond mensal de dados, o tráfego geral é bloqueado, exceto para as aplicações incluídas nos pacotes de dados adicionais (…).”

Isto é, mais uma vez, pode estar em causa uma violação das regras da neutralidade da internet, na visão do regulador.

Espero ter esclarecido a dúvida e muito obrigado pelo comentário!

Flávio Nunes
Flávio Nunes
ECO - Economia online

Em

Flávio Nunes, Ana Raquel Damas

Bom dia, Laurentino. Neste momento, só temos estas duas partes disponíveis. Obrigado pelo interesse

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Também tenho em crer que, mesmo que a bitcoin “morra”, a tecnologia blockchain prevalecerá. Aliás, tem tanto de disruptiva que se propõe a resolver certos problemas ao mesmo tempo que ameaça criar outros.

É um tema que temos seguido com grande atenção no ECO.
Obrigado pelo seu comentário!

Flávio Nunes
Flávio Nunes
ECO - Economia online

Em Este português ganhou 50 mil com a bitcoin. Há mais como ele

Alberto Teixeira, Flávio Nunes, Paula Nunes

Obrigado pelos comentários e, sobretudo, pela simpatia!

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Olá, Marco. Foi atualizado com as ligações para Android e iOS que estavam em falta. Obrigado pelo aviso.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Olá, Nuno. Também é credor da Oi? Estamos a acompanhar atentamente este tema. Tem alguma informação que possa ser relevante? Se sim, poderá enviar para flavio.nunes@eco.pt. Muito obrigado.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Artigo muito lúcido, que resume bem o estado da Comunicação Social não só em Portugal como num panorama mais alargado. As redes sociais foram um pedrada no charco estagnado que este mercado, tantas vezes, tende a ser. E muitas empresas de media (e alguns jornalistas) continuam a querer ignorar que, hoje, a distribuição do jornalismo é feita, em larga medida, através delas. A boa notícia é que ainda há espaço para jornais livres, sem medo de experimentar, sem medo de fazer diferente. Mesmo que optem por não se vergar à cultura do escândalo e do sensacionalismo.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Pedro, a minha colega substituiu a imagem mas as redes sociais ainda não tinham indexado a alteração. Entretanto, procedi à indexação de forma manual, pelo que já deve estar corrigido. Muito obrigado.

Flávio Nunes
Flávio Nunes
ECO - Economia online

Em Nasdaq abriu em queda… em Lisboa

Mariana de Araújo Barbosa

Olá, Ana. Bem visto, já está corrigido. Muito obrigado pelo reparo.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Obrigado pelo comentário, Roman! Aproveito para recordar que, neste caso, o objetivo foi chegar ao destino antes das 9h. A essa hora, as tarifas dinâmicas ainda estavam ativas na Uber.

Flávio Nunes
Flávio Nunes

Muito obrigado pelo feedback, Vítor!

Biografia

Jornalista, 27 anos. Licenciado em Comunicação Social, sempre interessado em tecnologia, media, redes sociais, economia e política. Passou pela rádio, colaborou com jornais locais e fundou um canal regional de televisão. No jornalismo, começou a carreira no Observador. Em 2016, continuou-a no ECO. (www.flavionunes.pt)