Drones vão passar a ter chapa de matrícula

Mediante a nova lei, quando registar o seu drone na ANAC, o regulador vai emitir uma etiqueta que identifica o operador. Será uma espécie de chapa de matrícula.

O Governo aprovou esta semana um decreto-lei que torna obrigatório o registo dos operadores de drone na ANAC. Esta sexta-feira, o regulador veio a público dar mais alguns esclarecimentos: quando um operador se registar na plataforma eletrónica (que ainda está a ser criada), será emitida uma etiqueta com um número de identificação para colar no aparelho. Como se fosse uma chapa de matrícula.

A ANAC aponta que está a receber “inúmeros pedidos de esclarecimento” sobre o novo enquadramento legal, que só entra em vigor “após a sua publicação” em Diário da República. Face a isso, “vem informar” que, “após o registo do operador na plataforma eletrónica, a ANAC emitirá uma etiqueta que deverá ser colocada na aeronave, de modo a permitir identificar o operador do drone”.

“O registo dos operadores de drones, com um peso superior 0,250 kg, será efetuado na plataforma eletrónica já referida, a disponibilizar pela ANAC. Após o registo do operador na plataforma eletrónica, a ANAC emitirá uma etiqueta que deverá ser colocada na aeronave, de modo a permitir identificar o operador do drone. Destaca-se, ainda, que este diploma prevê a possibilidade futura de utilização da identificação eletrónica, a qual dependerá dos avanços tecnológicos verificados a nível da União Europeia”, escreve o regulador num comunicado divulgado esta sexta-feira.

A etiqueta permitirá identificar o operador ou proprietário do drone em caso de irregularidades ou problemas, algo que não é possível até agora. No decreto-lei aprovado pelo Governo foram definidas “coimas cujo valor mínimo é de 300 euros, para contraordenações leves praticadas por pessoas singulares, e cujo valor máximo ascende aos 7.500 euros, para o caso de contraordenações muito graves praticadas por pessoas coletivas”.

As autoridades podem ainda “aplicar uma sanção acessória, até dois anos de inibição de operação de drones ou mesmo a apreensão total destas aeronaves a favor do Estado”, revelou o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, numa conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros.

O Governo aprovou esta semana uma lei que vai tornar obrigatório o registo dos drones numa base de dados pública, ao mesmo tempo que obriga os proprietários a contratarem um seguro de responsabilidade civil para drones que pesem mais de 900 gramas. Mas, ao que o ECO apurou, existem dúvidas na comunidade sobre quando entram em vigor estas novas regras bem como qual a tipologia do seguro que deve ser contratado.

“Ninguém sabe a partir de quando é que entra em vigor”, comentou com o ECO um operador profissional de drone que também gere uma comunidade de entusiastas no Facebook. Esta será uma das principais perguntas que estão a ser colocadas à ANAC, mas que ainda não tem resposta. Quem vende drones também terá de se registar na mesma plataforma que a ANAC ainda vai disponibilizar, esclarece a ANAC.

Certo é que nem mesmo o regulador estará a par de todas as especificidades do decreto-lei. Num contacto feito pelo ECO, a recomendação é a de aguardar por futuras informações a serem disponibilizadas em breve.

Para já, a ANAC deverá começar a construir a plataforma que vai emitir as etiquetas para colar nos drones. Assim, o registo “está dependente da disponibilização pela ANAC da plataforma eletrónica”. Esta plataforma ainda não existe, mas o regulador deverá anunciar a sua “operacionalidade” através, por exemplo, do portal “Voa na Boa”, uma plataforma de apoio aos operadores de drone que a entidade criou há mais de um ano.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Drones vão passar a ter chapa de matrícula

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião