Drones? Se pilotar, não beba

A partir desta sexta-feira, pilotar um drone embriagado pode resultar numa coima pesada. A lei dos drones já está em vigor. E há muitas regras para cumprir.

A lei que regula a operação de drones em Portugal entrou em vigor esta sexta-feira. O regulamento, elaborado pela Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC), foi publicado em Diário da República no passado dia 14 de dezembro e explicado numa conferência de imprensa na sede do regulador, em Lisboa.

O ECO já aqui resumiu o essencial do que se pode ou não fazer com um drone. No espaço aéreo nacional, estes aparelhos, remotamente controlados, só poderão voar de dia, à linha de vista e até à altura máxima de 120 metros. Os voos noturnos passam a exigir uma autorização prévia da ANAC e existem áreas em que a altitude máxima é restrita, ou em que não se pode levantar um drone de todo. É o caso dos aeroportos e zonas militares.

O piloto do drone fica ainda obrigado a “minimizar” os riscos “para pessoas, bens e outras aeronaves” e não poderão executar o voo se estiverem sob efeito de álcool ou outras substâncias. O não cumprimento das regras pode resultar em coimas pesadas para os infratores, ficando a fiscalização a cargo das forças de segurança — PSP, GNR, Polícia Marítima ou o Exército.

Outro dos aspetos indicados no regulamento é a distinção entre drones e brinquedos: estes aparelhos para crianças, com finalidades exclusivamente lúdicas e didáticas, só poderão voar de dia e até uma altura máxima de 30 metros acima da superfície. A ANAC considera “brinquedos” todos os drones com um peso máximo operacional de até 250 gramas.

Já os aeromodelos, isto é, as aeronaves controladas remotamente para aeromodelismo e que voam em espaços com regras próprias, não ficam abrangidas por este regulamento, assim como os drones militares ou de Estado. No caso dos drones civis que voem em áreas de aeromodelismo, os limites de altitude são os mesmos que foram estipulados pela ANAC para esse espaço.

O regulador optou por não avançar com o registo obrigatório dos drones, considerando ainda não haver condições para isso. De qualquer forma, foi criado um portal com toda a informação necessária para que qualquer proprietário de um drone possa voar “na boa”, onde consta um mapa do país com a indicação da grande maioria das limitações em vigor. Está também previsto o lançamento de uma aplicação móvel com essa finalidade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Drones? Se pilotar, não beba

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião