Já há regras para os drones. Eis o que precisa saber

O primeiro regulamento para voar com drones já está em vigor em Portugal. Há limites de altura e restrições à captação de imagens aéreas e vídeo. Consulte aqui o essencial.

A partir desta quarta-feira há regras para quem pilotar drones no espaço aéreo nacional. Os aparelhos não podem voar a mais de 120 metros acima da superfície e, no caso de serem brinquedos, só poderão voar até 30 metros e nunca sobre pessoas. É o primeiro regulamento nacional para este tipo de aparelhos, publicado esta quarta-feira em Diário da República e elaborado pela Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).

No documento, a ANAC refere que os drones são “hoje uma realidade irrefutável” e que, apesar de ainda não haver “legislação harmonizada” a nível internacional e europeu, “importa proceder à criação de normas que, numa primeira fase”, distingam os vários tipos de operações, de aparelhos e de locais onde é ou não permitido voar.

Como explica o regulador, a “regra geral” é a de que os drones podem efetuar voos diurnos, à linha de vista, até à altura limite e desde que não estejam a voar em áreas restritas ou junto a aeroportos. Outro aspeto importante é a distinção entre os vários tipos de aparelhos deste género, bem como a separação entre o que são drones e o que são aeromodelos — isto é, os aparelhos voadores usados no aeromodelismo. Estes podem “voar livremente até alturas superiores às geralmente definidas” para os drones.

Os drones não poderão voar a mais de 120 metros acima da superfície.

A ANAC distingue ainda os drones comerciais dos de Estado (como, por exemplo, os militares, aos quais estas regras não se aplicam). Além disso, define que drones são considerados brinquedos: os que têm um peso máximo operacional de 250 gramas e concedidos para serem operados “para fins lúdicos” por crianças com menos de 14 anos de idade.

Em relação aos restantes, o piloto remoto terá de “minimizar” os riscos “para pessoas, bens e outras aeronaves” e ficam proibidos de operar se estiverem embriagados ou sob efeito de medicamentos ou substâncias psicoativas. Deve ainda certificar-se de que o drone está em “perfeitas condições” para voar e, se existirem outras pessoas a auxiliá-lo, devem manter contacto visual direto com o aparelho a voar.

Existem ainda fortes restrições à recolha de imagens aéreas e vídeos por parte de drones, que já estavam em vigor através de outras leis. É o caso da Lei de Proteção de Dados Pessoais e da obrigatoriedade de autorização prévia da Autoridade Aeronáutica Nacional (AAN) para captação e divulgação dessas imagens.

A captação de imagens aéreas e de vídeo ficam sujeitas a autorização da AAN, ao abrigo da Lei de Proteção de Dados Pessoais.

Os drones devem manter também as luzes de identificação permanentemente ligadas, de dia ou de noite. Trata-se de luzes que servem para que o drone seja mais facilmente identificado no ar, além de permitirem distinguir a parte frontal da traseira. Os voos realizados durante a noite ficam sujeitos a autorização expressa da ANAC.

Quanto às áreas próximas de aeroportos, a altura máxima do voo fica limitada consoante o nível de proximidade, sendo naturalmente restritos os voos no espaço interior. Em contrapartida, se o voo estiver a ser feito em espaços próprios para aeromodelismo, com limites estipulados pelo regulador nas “publicações de informação aeronáutica nacionais”, a altura máxima em vigor será a definida para esse local.

Por fim, o regime de contraordenações funciona um pouco como o das cartas de condução. Ao abrigo da lei, as coimas variam muito: para contraordenações graves, a coima pode ir de 250 euros a 1500 euros para pessoas e 400 euros a 10.000 euros para empresas (consoante tratar-se de uma micro, pequena, média ou grande empresa); para contraordenações muito graves, a coima pode ir de 1.000 euros a 4.000 euros para pessoas e 1.500 euros a 250.000 euros para empresas, consoante o tamanho da firma. Bons voos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já há regras para os drones. Eis o que precisa saber

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião