Facebook quer drones na sede para testar wireless

A empresa quer afinar as tecnologias sem fios com drones a baixa altitude na sede. O objetivo é extrapolar os resultados para o projeto Aquila.

Mark Zuckerberg quer drones nos céus da sede do Facebook, em Silicon Valley, Califórnia. A notícia é avançada pelo Business Insider que teve acesso aos papéis que foram submetidos à Federal Communications Commission, a autoridade que regula o setor das telecomunicação.

A empresa de tecnologia quer testar a potencialidade da tecnologia sem fios dos drones num ambiente de baixa altitude. A autorização pedida prevê que sejam drones pequenos, mas a ideia é extrapolar os resultados para os drones maiores que estão a ser desenvolvidos pela subsidiária do Facebook, a FCL Tech, para levar internet a sítios remotos.

O pedido estabelece que o drone vai estar a cerca de 122 metros de altura e vai operar numa banda de rádio “experimental” de 2.4 GHz. Os testes vão decorrer entre outubro e abril e servem para depois sustentarem outro projeto que quer meter os drones a mais de 18 quilómetros.

O objetivo final é que os testes fortaleçam a tecnologia usadas nos Aquila. Estes drones maiores e alimentados pela energia solar estão a ser desenvolvidos para levar a internet a todo o lado, uma vontade já expressada por Zuckerberg.

Neste momento a empresa está à procura de países para o projeto-piloto relacionado com os drones Aquila, mas há atrasos. Tal deve-se porque o satélite destinado ao projeto foi destruído quando o foguetão SpaceX, da Tesla, explodiu.

Quem já tem um exemplar do modelo Aquila é o Papa Francisco, prenda do dono do Facebook numa visita feita em agosto.

Editado por Mónica Silvares

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook quer drones na sede para testar wireless

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião